Artilheiro do Milan, Bacca explica recusas a West Ham e PSG

Atacante também comenta sobre os objetivos dos rossoneri para a temporada e elogia ex-treinador Unai Emery

Artilheiro do Milan, Bacca explica recusas a West Ham e PSG
Foto: Marco Luzzani/Getty Images

Em entrevista ao canal espanhol Cadena Ser, o atacante do Milan, Carlos Bacca, fez revelações a respeito de sua quase saída dos rossoneri na última janela de transferências. O colombiano, de 30 anos, confirmou que recebeu uma oferta do West Ham, cujo ele definiu como muito boa financeiramente, mas afirmou que o dinheiro não é prioritário em sua vida e revelou o motivo de não ter ido jogar no Paris Saint-Germain, outro clube que esteve interessado no atleta.

O lado econômico eu não olho muito, porque o dinheiro não é tudo. Eu analisei muito a oferta do West Ham, pensei na minha família, como ela se adaptaria na Inglaterra e também nos problemas que um jogador sulamericano pode sofrer por ser extracomunitário. Existiram clubes interessados, como o PSG, por exemplo, que contatou o meu agente, mas não houve acordo. Não havia espaço no elenco para outro jogador extracomunitário e permaneci no Milan”, relatou o atacante, que já marcou três gols e três jogos na atual temporada do Milan.

O atacante também exaltou Unai Emery, seu treinador na época de Sevilla e atualmente no PSG. Ele disse ser o melhor técnico com quem trabalhou e que gostaria que trabalhar com ele novamente, mas sempre reiterando o seu respeito ao Milan. “Sem dúvidas foi o melhor treinador que eu tive. Sempre me deu muita confiança e sabia tirar o melhor de mim para a equipe. Trabalho sempre para melhorar e um dia gostaria de trabalhar com ele novamente, mas respeito muito o clube que defendo atualmente”, ponderou.

Por fim, Bacca projetou os objetivos do Milan nesta temporada, ressaltando que é uma obrigação do clube voltar a se classificar para competições europeias e promoveu o companheiro de ataque, M'baye Niang.

Queremos voltar à Europa, sem dúvidas. Entretanto, só mais adiante poderemos dizer se será mais fácil ou mais difícil alcançar isso. O time está em construção e a diretoria vai começar a reforçar o time em breve. O Milan é o Milan, mas apesar de respeitar muito a história do clube, precisamos de resultados. Niang é um jogador muito importante para a equipe, mas infelizmente, teve algumas lesões que atrapalharam a sequencia dele. Mas nos damos muito bem em campo”, concluiu.