Napoli sofre, mas marca dois no fim e derrota Bologna

Napolitanos têm momentos de sofrimento, mas conseguem voltar a Nápoles com os três pontos na bagagem

Napoli sofre, mas marca dois no fim e derrota Bologna
Callejón (à dir.) comemora seu gol com os colegas de time (Foto: Getty Images)
Bologna
0 3
Napoli
Bologna: Mirante; Kraft, Helander, Maietta (De Maio), Masina; Pulgar, Poli; Di Francesco, Palacio (Petkovic), Verdi; Destro (Krejci)
Napoli: Reina; Hysaj, Chiriches (Albiol), Koulibaly, Ghoulam; Allan, Jorginho (Diawara), Hamsik (Zielinski); Callejón, Mertens, Insigne.
Placar: 0-1, min. 67, Callejón. 0-2, min. 83, Mertens. 0-3, min. 88, Zielinski.
ÁRBITRO: Bruno Giacomelli (ITA) Cartões amarelos para: Helander (B), Pulgar (B), Destro (B), Palacio (B), Verdi (B), Chiriches (N)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 3ª rodada da Serie A, no estádio Renato Dall'Ara, em Bolonha (Itália).

Neste domingo (10), o Napoli suou, mas venceu o Bologna, fora de casa, 3 a 0, em duelo válido pela terceira rodada da Serie A. Os gols foram marcados por Callejón, Mertens e Zielinski, conquistados em momentos de superioridade dos adversários.

Com o resultado, os napolitanos mantiveram os 100% de aproveitamento no campeonato, e foram a nove pontos na tabela, empatados na pontuação com Inter e Juventus. O time de Nápoles, no entanto, perde nos critérios de desempate para os juventinos, e ganham dos nerazzurri, estando na segunda colocação. Já o Bologna aparece em nono lugar, com quatro pontos.

Na próxima rodada, o Napoli enfrentará, no domingo (17), o Benevento, em casa, enquanto o Bologna viajará a Florença para enfrentar a Fiorentina, no sábado (16).

Primeiro tempo zerado

Os napolitanos vinham do jogo passado, onde venceram por 7 a 1 o time da casa. Mas logo de cara, já se viu que as coisas não seriam iguais como antes. Por mais que a primeira boa chance da partida fosse em chute de fora da área de Insigne aos cinco minutos, o Bologna mostraria sua força logo em seguida.

Aos seis minutos, Verdi recebeu na esquerda, fintou a marcação e bateu cruzado, mas a bola passou à esquerda do gol de Reina. Aos 11, nova chance rossoblù: Verdi cobrou falta, mas Reina se esticou todo e salvou o Napoli, e a bola ainda tocou no travessão antes de sair.

O Napoli só voltaria a finalizar aos 26, quando Allan arriscou de longe, mas a bola passa à direita do gol. Aos 32, nova chance napolitana: Allan levantou na área, Callejón ajeitou e Hamsík chegou chutando, mas Mirante fez a defesa tranquilamente. No minuto seguinte, os azzurri reclamaram de pênalti de Heulander em Mertens dentro da área, mas o árbitro Bruno Giacomelli nada marcou.

Depois disso, poucas emoções e um momento de preocupação com o romeno Chiriches, do Napoli: O zagueiro cortou uma bola na área, caiu de mau jeito e teve uma suspeita de luxação no ombro, com tentativas em vão dos médicos napolitanos de colocar o ombro no lugar, antes de substituir por Albiol.

Bologna melhor, mas o Napoli é quem aproveita para vencer

Os napolitanos tentavam arriscar ao gol de Mirante, mas sem grande perigo. E a melhor chance do período acabou sendo dos comandados de Roberto Donadoni: aos 14, em finalização de Destro, Reina defendeu com os pés. No rebote, a bola rebateu no próprio atacante, que tentou encobrir Reina, mas Koulibaly conseguiu tirar em cima da linha a tempo de evitar o gol.

O técnico Maurizio Sarri teve de mexer na equipe, com a entrada de Zielinski, em um momento em que o time sofria perigo. Aos 22, de repente, o Napoli conseguiu marcar: Insigne cruza na área, e acha Callejón, que atrás do defensor, toca de cabeça entre as pernas de Mirante e abre o placar para os azzurri partenopei.

O Bologna chegou a ameaçar, a rondar muito a área napolitana em busca do gol de empate. Mas foi o Napoli quem conseguiu o segundo gol: aos 38, Mertens roubou a bola de Pulgar, avançou e bateu de canhota. A bola, mais uma vez, foi entre as pernas de Mirante, e a vantagem napolitana estava ampliada.

Aos 43, o Napoli fecharia o jogo: após troca de passes vinda da defesa, em grande jogada individual, Ghoulam entrou driblando na área, e transformou ela novamente em jogada coletiva, tocando para Callejón, que serviu Zielinski no meio; o polonês completou para o gol e fechou o placar.