Com rodagem na Itália, diretor executivo Marco Fassone relembra passagens nos rivais do Milan

CEO do clube rossonero, Fassone falou sobre suas experiências na Internazionale e no Napoli, destacando seu crescimento pessoal no clube napolitano

Com rodagem na Itália, diretor executivo Marco Fassone relembra passagens nos rivais do Milan
Dirigente tem a difícil missão de assumir uma nova administração e trazer o Milan de volta à Champions League (Foto: Emilio Andreoli/Getty Images Sport)

A apenas a alguns dias do Derby della Madonnina, entre Internazionale e Milan, um dos personagens emblemáticos dessa nova diretoria dos rossoneri, o CEO Marco Fassone, lembrou uma polêmica frase de Massimo Moratti para resumir a estrutura dos nerazzuri ao jornal Guerin Sportivo nesta quarta-feira (11).

O dirigente já trabalhou em diversos clubes da Serie A, entre eles: Napoli, Juventus e Internazionale. Conhecendo a estrutura dos clubes tradicionais no Calcio, Fassone soube elogiar e também alfinetar o que teve em suas experiências anteriores até chegar ao Diavolo.

"O Napoli tem uma estrutura familiar. O dono, De Laurentis, é quem toma todas as decisões, mas eles aproveitaram o potencial que tinham para crescer e evoluir em toda a sua infraestrutura no geral", pontuou.

Ainda contando sobre a sua vasta rodagem no futebol, o diretor executivo falou sobre a mais recente passagem que teve no rival nerazzurri, onde atuou entre 2012 e 2015.

"A Internazionale é um clube que sempre precisou de um homem forte no banco de reservas, como Roberto Mancini e José Mourinho. Eles têm uma alma ingênua e confusa, como uma mulher bonita. Agora, eles encontraram um treinador que tem liderança no vestiário e estão indo bem", conta o dirigente.

O CEO ainda falou sobre os desafios que enfrentou após sair da indústria alimentícia e engrenar como dirigente esportivo. Lembrou na entrevista que o dono do Napoli, Aurelio de Laurentiis, foi quem demonstrou confiança em seu trabalho e lhe colocou no cargo de diretor geral pela primeira vez durante os anos de 2010 e 2012. Antes disso, Fassone apenas administrava o marketing dos clubes por onde passou.

"De Laurentiis é um homem corajoso, se não fosse por ele eu não estaria onde estou hoje. Os dois anos que administrei no Napoli, foram importantes para treinar e enriquecer o meu conhecimento. Em outras palavras, essa experiência foi crucial para a minha chegada no Milan", conta Fassone.

Além de falar sobre o passado, Marco foi questionado sobre o presente e sua função no Milan, clube no qual assumiu na metade de 2017, após a venda para investidores chineses.

"Os novos proprietários chineses queriam um italiano para fazer parte da diretoria, então, cá estou. Aqui todas as tomadas de decisões passam por mim, antes eu criava um plano a ser traçado e outras pessoas mudavam tudo com a palavra final delas. Aqui, eu faço do meu jeito. É uma tarefa difícil, pois é um eterno perde e ganha, muitas vezes os planos não saem como o esperado, mas eu tenho uma equipe fantástica comigo para me ajudar a planejar o futuro do Milan", finalizou.

Itália