No sofrimento, Inter precisa dos pênaltis para vencer Pordenone e avançar na Copa Itália

Nerazzurri venceram por 5 a 4 nas penalidades, em jogo com grande atuação do goleiro adversário

No sofrimento, Inter precisa dos pênaltis para vencer Pordenone e avançar na Copa Itália
Equipe de Luciano Spalletti sofreu para bater o Pordenone, quinto colocado da Serie C (Foto: Emilio Andreoli/Getty Inages)
Internazionale (5)
0 0
(4) Pordenone
Internazionale (5): Padelli; Nagatomo, Skriniar, Ranocchia, Dalbert (Brozovic); Vecino, Gagliardini; Cancelo, Eder, Karamoh (Perisic); Pinamonti (Icardi). Técnico: Luciano Spalletti.
(4) Pordenone: Perilli; Formiconi, Stefani, Bassoli, Nunzella (Agostini); Misuraca, Burrai, Lulli; Angel (Parodi), Berrettoni (Ciurria); Magnaghi. Técnico: Luciano Colucci.
ÁRBITRO: Juan Luca Sacchi (ITA)
INCIDENCIAS: Jogo válido pelas oitavas de final da Copa Itália, realizado no San Siro, Milão.

As oitavas de final da Copa Itália tiveram início nesta terça-feira (12) . Para abrir a fase em que o torneio se estreita, a Internazionale recebeu o Pordenone, quinto colocado da Serie C, no San Siro, em Milão. 

Os donos da casa entraram em campo com um time misto, diferente do visto nas últimas rodadas da Serie A. Com diversos jogadores reservas, a equipe de Luciano Spalletti sofreu mas bateu a modesta equipe do nordeste da Itália nos pênaltis, por 5 a 4, com o goleiro Perilli defendendo duas penalidades dos nerazzurri.

Agora, a Beneamata aguarda Milan ou Hellas Verona, que jogam na quarta-feira (13). Os próximos confrontos das quartas de final acontecerão nos dias 27 de dezembro e 3 de janeiro e, caso o Milan vença, um Derby della Madonnina estará agendado para a virada do ano.  

Chances desperdiçadas e equilíbrio

Embora os nerazzurri tivessem um favoritismo inegável, a equipe do Pordenone sequer deu ouvidos aos que desacreditavam e esperavam um jogo fácil. Por ter um time misto, os donos da casa encontraram dificuldades na produção de jogadas, além de contarem com uma atuação segura do goleiro da equipe adversária, Perilli, que segurou as investidas do jovem atacante Karamoh, que fez sua estreia como titular.

(Foto:Marco Luzzani/Getty Images)
(Foto: Marco Luzzani/Getty Images)

Enquanto Perilli segurava o ataque da Internazionale, os visitantes atacavam de forma mais objetiva, agredindo de fora da área o goleiro Padelli, que fez duas boas defesas na primeira etapa, além de ver uma bola na trave depois de chute do camisa 5, Lulli.

Agressividade e falta de criatividade

No início da segunda etapa, Spalletti promoveu a entrada de Brozovic, para dar uma maior mobilidade no meio de campo dos anfitriões. Entretanto, o Pordenone mostrou organização defensiva e soube segurar Éder e Karamoh, que ficou cara a cara com o goleiro Perilli, mas não obteve êxito.

Contudo, os visitantes pouco criavam, mas assustavam quando aceleravam as jogadas pelas pontas e alçavam a bola à área em busca do atacante Magnaghi, que pouco conseguiu fazer. Todavia, o trabalho defensivo era o destaque do Pordenone, que não deu espaços para a Internazionale produzir jogadas que pudessem de perigo à meta adversária. 

Nem a entrada de Perisic, que perdeu uma chance clara de inaugurar o placar, e nem Icardi, que pouco encostou na bola, conseguiram fazer alguma coisa, encaminhando a partida para uma prorrogação, depois de jogo morno, marcado por diversas chances perdidas e uma atuação segura do goleiro Perilli.

Prorrogação com bola na trave

Com o tempo regulamentar e o placar zerado, a prorrogação se deu início com a Internazionale sufocando o Pordenone. O goleiro Perilli, ainda seguro na partida, viu Icardi acertar a bola na trave, mas os anfitriões faziam um jogo longe das boas atuações que foram vistas e coroadas com a liderança da Serie A.

(Foto: Emilio Andreoli/Getty Images)
(Foto: Emilio Andreoli/Getty Images)

Apesar do sufoco, Perisic e Icardi não acertavam o alvo e viam a equipe visitante segurar o resultado, valorizando faltas e segurando bolas na defesa. O condicionamento físico já atrapalhava o andar do jogo, que era diversas vezes parado com jogadores com cãibra e naturalmente foi levado para os pênaltis.

Penalidades

Quando as equipes se encaminharam para os pênaltis, a diferença técnica e o condicionamento físico fizeram a diferença. O Pordenone desperdiçou a primeira cobrança, mas o goleiro Perilli defendeu duas e colocou os visitantes nas cobranças alternadas. Entretanto, o nervosismo prevaleceu e Padelli também defendeu uma cobrança e viu Nagatomo pôr fim no sonho do modesto Pordenone, que disse adeus à Copa Itália.