Domínio argentino: Icardi e Higuaín travam duelo particular por artilharia estrangeira na Itália

Argentinos são grandes destaques da Serie A e de seu país

Domínio argentino: Icardi e Higuaín travam duelo particular por artilharia estrangeira na Itália
Icardi e Higuaín disputam vaga na seleção argentina, artilharia e título da Serie A (Foto: Claudio Villa/FC Internazionale)

Nos dias de hoje, é muito comum o torcedor que assiste a um jogo da Serie A se perguntar "onde estão os italianos?". Tomado por estrangeiros, o principal campeonato da Itália tem neles alguns de seus principais destaques. Mas chama a atenção um duelo particular entre dois compatriotas que estão longe de seu continente natal: os argentinos Gonzalo Higuaín, atacante da Juventus – e ex-Napoli –, e Mauro Icardi, centroavante da Internazionale, que também teve boa passagem pela Sampdoria. Atualmente, os dois disputam o posto de maior artilheiro estrangeiro ainda em atividade na liga italiana.

A estatística foi trazida pelo Grupo Opta, especializado neste tipo de informação, em seu Twitter oficial relacionado ao futebol do país em formato de bota. Higuaín tem 104 gols na Serie A, enquanto que Icardi já estufou as redes 97 vezes, mais do que qualquer outro estrangeiro que ainda esteja na liga.

A concorrência entre os dois não fica restrita aos gramados italianos. Os dois camisas 9 ainda disputam, também, uma vaga na Seleção Argentina para a Copa do Mundo de 2018. Apesar de ótimo desempenho com a camisa nerazzura, Icardi era negligenciado pelos treinadores por conta de problemas extra-campo, principalmente por conta de seu imbróglio envolvendo o ex-ídolo Maxi López e Wanda Nara, ex-esposa de Maxi, e atual cônjuge de Mauro. Enquanto isso, Higuaín brilhava no Napoli e na Juventus, mas falhou em conquistar um título pela seleção ao lado de Messi.

Mauro Icardi: mais tempo de 'casa', polêmicas às pampas e muitos gols

Mauro Icardi tem mais história do que Higuaín na Serie A. Criado nas divisões de base do Barcelona, o argentino – que também tem nacionalidade italiana, aliás – se transferiu para a Sampdoria ainda nos juniores, ficando por lá até se profissionalizar. Seus primeiros passos no time de cima aconteceram na temporada 2011/12, quando a equipe de Gênova militava na Serie B.

Carinha de criança e gols: Icardi chamou a atenção da Itália enquanto estava na Sampdoria (Foto: Valerio Pennicino/Getty Images)
Carinha de criança e gols: Icardi chamou a atenção da Itália pela Samp (Foto: Valerio Pennicino/Getty Images)

Na reta final da temporada, Icardi entrou em duas partidas da segunda divisão, contra Juve Stabia e Pescara. E guardou seu primeiro gol na Itália, logo na estreia, mesmo tendo passado apenas 15 minutos em campo. Na temporada seguinte, já com o time na primeira divisão, o centroavante foi efetivado na primeira esquadra e passou a maior parte da campanha já como titular absoluto da posição. Foram 31 jogos e seus primeiros dez gols na competição.

O bom rendimento lhe levou à Internazionale, que desembolsou em torno de € 13 milhões (segundo o portal especializado Transfermarkt) por sua contratação. Em sua primeira temporada, sofrendo com lesões e poucos minutos em campo, foram 22 jogos, mas apenas nove gols. Na temporada 14/15, titular e com sequência, anotou 22 tentos em 36 jogos da Serie A, sendo artilheiro da liga ao lado de Luca Toni. No entanto, a Inter não vivia boa fase, e Icardi, já capitão, chegou a discutir com torcedores que rejeitaram sua camisa após derrota contra o Sassuolo.

É difícil imaginar algum torcedor nerazzuro rejeitando essa camisa nos dias de hoje (Foto: Miguel Medina/AFP/Getty Images)
É difícil imaginar algum torcedor nerazzuro rejeitando essa camisa nos dias de hoje (Foto: Miguel Medina/AFP)

O argentino voltou a ter boa performance em 2015/16, quando foi o terceiro maior artilheiro da liga, com 16 gols, atrás de Carlos Bacca e Higuaín (que teve temporada absurda, mas chegaremos lá depois). Na última temporada, mais uma vez, excelente performance, comprovado que o valor pago "foi pouco": 24 gols em 34 partidas. Até aí, eram 81 redes estufadas. Neste ano, a consagração, pelo menos até aqui: média de um gol por jogo nas 16 primeiras partidas da Serie A, feito que o levou de volta à Seleção Argentina, sob o comando de Jorge Sampaoli e alçou seu valor de mercado a € 50 milhões, mais de três vezes o valor pago pela Inter para contratá-lo.

Gonzalo Higuaín: gols, transferências milionárias, 'trairagem' e mais gols

A história de Gonzalo Higuaín tinha tudo para ser linda na Itália. Revelado pelo River Plate, o atacante argentino – mas nascido na França – se transferiu para o Real Madrid em 2007. E permaneceu no clube merengue até o ano de 2013, quando rumou para o futebol italiano e começou a escrever história no Napoli

A trajetória de Higuaín no Napoli alçou os céus... (Foto: Carlo Hermann/AFP/Getty Images)
A trajetória de Higuaín no Napoli alçou os céus... (Foto: Carlo Hermann/AFP)

O centroavante conquistou uma das torcidas mais apaixonadas da Itália. Com gols: em sua temporada de estreia, foram 17 em 32 partidas. Em 2013, aliás, se formava a base da equipe que vai a campo com a camisa do Napoli hoje: além de Higuaín, chegaram ao clube nomes como Dries Mertens, Jorginho, Raúl Albiol, Pepe Reina, José Callejón e Faouzi Ghoulam.

No ano seguinte, o argentino voltou a ter boa temporada, com 18 gols marcados em 37 partidas, mesmo após o vice pela Argentina na Copa do Mundo do Brasil, quando perdeu chance claríssima de abrir o placar contra a Alemanha, em lance que marca sua passagem pela Albiceleste.

Mas o melhor ainda estava por vir: a temporada 2015/16 de Higuaín, como dito anteriormente, foi absurda. Sua média de gols foi superior a um tento por partida. Em 35 jogos na Serie A, o camisa 9 do Napoli marcou 36 vezes, literalmente o dobro do que Bacca, vice-artilheiro, fez pelo Milan. Isso lhe rendeu uma transferência para a Juventus, multicampeã nacional.

....ao inferno, quando se transferiu para a Juve (Foto: Reprodução/Twitter)
....ao inferno, quando se transferiu para a Juve (Foto: Reprodução/Twitter)

E também acabou com sua idolatria em Nápoles. Os bianconeri pagaram € 90 milhões por seus serviços e torcedores partenopei protestarem, jogando fora e até queimando camisas de Higuaín. No entanto, esse tipo de protesto parece não ter desviado a atenção do centroavante dentro dos campos: já marcou 24 gols com a camisa da Juve nos 38 jogos da última temporada e tem nove bolas na rede na campanha atual, em 15 partidas. Com o time nacinal, até hoje, 69 jogos e 31 tentos.