Napoli volta a vencer diante do Torino e retoma topo da Serie A

Napoli volta a vencer após três jogos sem vitória; Hamsík volta a marcar depois de dois meses e vira o maior artilheiro do clube

Napoli volta a vencer diante do Torino e retoma topo da Serie A
(Foto: Getty Images)
Torino
1 3
Napoli
Torino: Sirigu; De Silvestri, N'Koulou, Burdisso, Molinaro; Baselli, Valdifiori (Ljajic), Rincón; Iago Falque (Edera), Belotti, Berenguer (Niang)
Napoli: Reina; Hysaj, Albiol, Koulibaly, Mario Rui; Allan, Jorginho (Diawara), Hamsík (Rog); Callejón, Mertens, Zielinski (Insigne).
Placar: 0-1, min. 4, Koulibaly. 0-2, min. 25, Zielinski. 0-3, min. 30, Hamsík. 1-3, min. 63, Belotti.
ÁRBITRO: Paolo Mazzoleni (ITA) Cartões amarelos para: Albiol (N)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 17ª rodada da Serie A, no estádio Olímpico Grande Torino, em Turim.

Neste sábado (16), pela décima sétima rodada da Serie A, o Napoli voltou a vencer, após três jogos sem vitória, diante do Torino, em triunfo conquistado fora de casa por 3 a 1. Os destaques napolitanos foram Koulibaly e Zielinski, que abriram a vantagem azzurra, e especialmente Hamsík, que voltou a marcar após dois meses, e se consagrou virando o maior artilheiro do time do Sul da Itália. Belotti ainda descontaria para o time granata na segunda etapa.

Com o resultado, somado a derrota da Inter diante da Udinese, o Napoli retomou a liderança da Serie A, com 42 pontos. O Torino é o nono colocado, com 23 pontos, mas ainda pode cair de posição até o final da rodada. Na próxima rodada, no sábado (23), o Napoli recebe a Sampdoria em seus domínios, enquanto o Torino viaja para enfrentar a Spal, fora de casa. Antes disso, os dois tem duelos pela Coppa Itália durante a semana: na terça-feira (19), o Napoli recebe a Udinese, enquanto na quarta-feira (20), o Torino viaja a capital para enfrentar a Roma.

Primeiro tempo de show napolitano

O Napoli teve um primeiro tempo arrasador: logo de cara, aos 4 minutos, em escanteio cobrado na área, Allan escora na primeira trave e Koulibaly testa firme pra abrir o placar pros napolitanos. Depois de duas rodadas sem marcar, os napolitanos voltariam a marcar pela Serie A. 

O time de Sinisa Mihajlovic até tentava fechar a marcação, mas aos poucos os comandados de Maurizio Sarri chegavam mais ao ataque. Aos 14 minutos, Mertens recebeu dentro da área e bateu cruzado, a bola passou perto do gol de Sirigu. O Napoli não marcava gol em uma jogada que não fosse trabalhada há quatro jogos. E voltou a marcar quando aos 25, Zielinski recebeu passe de Hamsík entre os zagueiros, ficou cara a cara com o goleiro e só tocou na saída, pra marcar o segundo gol dos napolitanos.

Com o Toro sem criar grandes chances, o terceiro gol dos napolitanos não tardaria muito: aos 30, em jogada de Mertens pela esquerda, ele rola pro meio para Hamsík, que aparece de trás e chuta no ângulo. Um gol mais do que festejado, além da vantagem napolitana, era um gol de significado especial para o capitão eslovaco, que com o seu gol, voltou a marcar após dois meses longe das redes. E melhor ainda, igualou o recorde de maior artilheiro da história do clube partenopeo, empatando com os 115 gols de ninguém menos que Diego Armando Maradona. 

Toro desconta, mas Napoli perde a chance de golear

Com o tempo, os napolitanos foram tentando cozinhar o jogo a sua maneira: com toque de bola e marcação alta no campo dos granata. Na base da pressão alta, logo no primeiro minuto, Hysaj rouba a bola e cruza atrás, Hamsik chega batendo e manda à esquerda do gol. O Napoli teve gol anulado aos 15, quando Callejón recebeu em posição irregular para marcar o quarto gol. 

Mas aos poucos o Torino mostrava que não estava ali pra brincadeira, e estaria vivo no jogo: aos 18, após bate-rebate, a bola sobra pra Belotti na entrada da área, que bate no canto esquerdo, Reina ainda toca na bola, mas não o suficiente pra impedir o gol do atacante do Toro, que volta a marcar depois de quase três meses sem encontrar as redes pela Serie A. 

Desde então, enquanto o Toro tentava se armar para ter uma reação maior, o Napoli desperdiçou as chances de golear. Aos 22, a melhor chance granata: Falqué finaliza e Reina defende em dois tempos. Os napolitanos até marcaram de novo aos 27, quando Insigne chuta, a bola desvia no meio do caminho e ia entrar, mas Callejón, em impedimento, completou de peito para as redes. Outro gol do espanhol anulado por posição irregular.

E os azzurri não pararam por aí: aos 32, Allan faz jogada pela esquerda e toca para o meio, Mertens livre, de carrinho, mandou por cima. Aos 34, a última grande chance: em tabela entre Hamsik e Insigne, o capitão eslovaco achou o baixinho italiano, que tentou finalizar de carrinho e mandou pra fora. Desde então, poucas oportunidades, e os napolitanos só esperaram o apito final do árbitro Paolo Mazzoleni para festejar a vitória.