Clássico diante do Arsenal pode ser divisor de águas para temporada do Manchester United

Resultado positivo em Old Trafford neste sábado (19) pode enfim embalar os comandados de Mourinho; em contra-partida, revés pode significar mais pressão sobre o treinador português e seu elenco

Clássico diante do Arsenal pode ser divisor de águas para temporada do Manchester United
United vai para seu quarto clássico na atual Premier League: são duas derrotas e um empate (Foto: Michael Steele/Getty Images)

A manhã de sábado (19) promete ser de fortes emoções na Terra da Rainha. Às 10h30 (de Brasília), o Manchester United recebe seu rival londrino Arsenal, em partida válida pela 12ª rodada da Premier League. Os Red Devils, a exceção do time londrino, já enfrentou todos seus rivais, sendo derrotado por Manchester City e Chelsea e empatando com a equipe do Liverpool.

Seis pontos separam os clubes na tabela de classificação da Premier League. O United aparece na sexta colocação com 18 pontos e um pouco distante do grupo da frente, enquanto o Arsenal está na quarta posição, com 24 pontos conquistados. Na temporada, os Gunners já jogaram diante de Liverpool, Chelsea e Tottenham, em jogos também considerados dérbis.

O último encontro das duas equipes ocorreu em fevereiro, no dia 28, quando os Red Devils saíram vitoriosos por 3 a 2, em jogo que teve como destaque Marcus Rashford, autor de dois gols e assistente do outro, marcado por Ander Herrera. No histórico do duelo, o Manchester United tem vantagem, tendo conquistado 23 vitórias em 46 jogos, enquanto os Gunners têm 13 triunfos.

Vitória pode embalar reação, mas possível derrota pode piorar ainda mais a situação

Na rodada passada, o time de José Mourinho foi a País de Gales enfrentar o Swansea e voltou a Manchester com os três pontos, após boa vitória. O United fez 3 a 1 na equipe treinada por Bob Bradley, com gols de Paul Pogba e Ibrahimovic (duas vezes). Com o triunfo, os Red Devils chegaram aos 18 pontos, à sexta colocação, porém ainda estão a seis pontos do grupo que se classifica para a Uefa Champions League. Dentro desse contexto, um triunfo frente ao rival de Londres pode embalar a equipe de Old Trafford.

Dentro de sua casa, recebeu o rival da cidade Manchester City, já na quarta rodada, e acabou sendo derrotado por 2 a 1, em partida com considerável domínio dos visitantes. Foi a Anfield enfrentar os comandados de Jürgen Klopp e saiu com um empate, sendo De Gea o destaque do jogo. Viajou a Londres para encarar os Blues, e foram humilhados, sofrendo uma dura derrota por 4 a 0.

Em caso de vitória, o Manchester United chegaria aos 21 pontos e diminuiria a diferença para o Arsenal, hoje quarto colocado, para três pontos, além da possibilidade de chegar ao quinta lugar na tabela de classificação, se o Tottenham for derrotado pelo West Ham no sábado, dentro de White Hart Lane. O time de Mourinho passaria os Spurs pois teria uma vitória a mais, já que hoje os dois times, United e Tottenham, tem cinco vitórias.

A vitória acalmaria os corredores de Old Trafford, diminuiria a pressão da imprensa sobre o elenco e José Mourinho, e o português teria mais liberdade para trabalhar, para tentar, enfim, colocar sua filosofia dentro de campo e fazer com que o United apresente um futebol de qualidade, além de acalmar a torcida.

Porém, uma possível derrota para os Gunners afetaria ainda mais o ambiente do Manchester United, ainda mais um novo resultado adverso em clássico dentro da atual temporada. O revés afastaria ainda mais o United do grupo de cima, aumentando a distância do Arsenal para os Red Devils para nove pontos. O trabalho de Mourinho seria novamente criticado, assim como peças importantes do time como Pogba, que provavelmente também sentiria os efeitos do resultado negativo.

O essencial para o ambiente e para as pretensões futuras do time de Old Trafford é a vitória, uma boa vitória. A Premier League já está perto do seu segundo terço e os times que disputarão as posições iniciais já são definidos nesta época do torneio, tornando o triunfo ainda mais importante. Para o torcedor, para Mourinho, para o elenco, definitivamente, o clássico frente aos Gunners alcançou uma importância gigantesca.