Manchester City 2017/18: Guardiola e suas primeiras pinceladas pós-reformulação

Com muitos jovens no plantel, clube investe forte no mercado de transferências e quer conquistar títulos nesta temporada

Manchester City 2017/18: Guardiola e suas primeiras pinceladas pós-reformulação
Arte: Hugo Alves/Editoria de Arte

A temporada 2017/18 do Manchester City está cercada de grandes expectativas. Com o elenco reformulado e rejuvenescido, o torcedor citizen espera um trabalho brilhante de Pep Guardiola, de modo que crie uma identidade ao clube. Na época passada, o time caiu nas copas inglesas, sucumbiu nas oitavas de final da Uefa Champions League e terminou a Premier League na terceira colocação. Agora, a meta lutar mais forte por esses títulos.

Pré-temporada

Phil Foden, 17 anos, se destacou nos jogos de pré-temporada (Foto: Leslie Plaza Johnson/Icon Sportswire via Getty Images)
Phil Foden, 17 anos, se destacou nos jogos de pré-temporada (Foto: Leslie Plaza Johnson/Icon Sportswire via Getty Images)

Antes de iniciar, de fato, a temporada, todos os clubes realizam amistoso de pré-temporada. O Manchester City disputou quatro. Pela International Champions Cup, perdeu o clássico contra o maior rival, Manchester United, por 2 a 0; mas venceu com autoridade Real Madrid (4 a 1) e Tottenham (3 a 0). Em amistoso normal, sem nenhuma taça envolvida, os citizens bateram o West Ham por 3 a 0.

+ Gündogan projeta retorno ao Manchester City após lesão no joelho

Não houve um jogador que se destacou mais do que outros. Ponto positivo para o jogo coletivo, que Guardiola tento preza em suas equipes. Os jovens atletas tiveram chances de mostrar ao técnico que podem ajudar o time na temporada. O ousado Phil Foden (meia), o ágil Oleksandr Zinchenko (meia), o criativo Brahim Díaz (meia) e o habilidoso Patrick Roberts (atacante) chamação atenção.

Mercado de transferências

Goleiro brasileiro Ederson deve ser o titular do City para esta temporada (Foto: Kevork Djansezian/Getty Images)
Goleiro brasileiro Ederson deve ser o titular do City para esta temporada (Foto: Kevork Djansezian/Getty Images)

A reformulação no plantel do Manchester City começou cedo. Após o lateral-direito Pablo Zabaleta declarar que deixaria o time ao fim da temporada, o clube anunciou as saídas de Wilfredo Caballero (goleiro), Bacary Sagna (lateral-direito), Gaël Clichy (lateral-esquerdo) e Jesús Navas (meia). Depois, Aleksandar Kolarov (zagueiro/lateral-esquerdo), Fernando (volante), Aleix García (meio-campista), Nolito (atacante), Kelechi Iheanacho (atacante) partiram de Manchester.

+ Em negociação envolvendo ex-vascaíno Douglas, Manchester City empresta jovens ao Girona

Com a limpa no elenco, a diretoria foi ao mercado e pinçou atletas jovens e de grande potencial, assim como gosta Guardiola. Até o momento, seis jogadores foram contratados: o goleiro Ederson (ex-Benfica), os laterais-direitos Kyle Walker (ex-Tottenham) e Danilo (ex-Real Madrid), o lateral-esquerdo Benjamin Mendy (ex-Monaco), o volante Douglas Luiz (ex-Vasco; foi emprestado ao Girona, da Espanha) e o meia Bernardo Silva (ex-Monaco). No total, foram gastos € 240 milhões (cerca de R$ 899 milhões) em contratações.

Trabalho de Guardiola

Foto: Victoria Haydn/Manchester City FC
Guardiola quer títulos em seu segundo ano à frente do City (Foto: Victoria Haydn/Manchester City FC via Getty Images)

Diferentemente do que aconteceu em Barcelona e em Munique, onde conquistou títulos logo em seu primeiro ano à frente do Barça e do Bayern, Pep Guardiola terminou a temporada 2016/17 sem comemorar nenhum troféu. O espanhol empregou sua filosofia ofensiva no time inglês, mas não conseguiu fazê-lo massacrar os adversários da mesma maneira que no Barça ou no Bayern.

+ Para Guardiola, City precisaria de dez anos para chegar ao nível dos maiores da Europa

Agora, contudo, ele tem em mãos uma equipe rejuvenescida, capaz de executar suas ideias com êxito. Na temporada passada, por exemplo, Pep dispunha de Zabaleta, Clichy, Kolarov para as laterais: os três deixaram o clube e abriram espaço para as chegadas de Walker, Danilo e Mendy, atletas com boa saúde para voltar à defesa e subir ao campo ofensivo a todo vapor.

Ao que tudo indica, Guardiola quer um City poderoso e veloz nas extremidades do campo. Laterais – ou alas, tudo depende da função exercida por eles dentro do esquema tático – que apoiem o ataque e se recomponham à linha defensiva sem deixar o ritmo cair.

Expectativa para a temporada

A cúpula do Manchester City não investiu pesado no mercado de transferências para ficar no quase. A expectativa de títulos para esta temporada é alta. Khaldoon Al Mubarak (presidente do clube), Guardiola, os jogadores e os torcedores sabem disso. Não há competições fácies, nunca houve. E em 2017/18 não será diferente. Champions League, Premier League, Copa da Liga Inglesa e Copa da Inglaterra. Quatro torneios onde o City tem totais condições de lutar pela taça.