Arsenal e Chelsea fazem jogo monótono e deixam vaga na final de Copa da Liga Inglesa em aberto

Empate sem gols siginfica que a definição está em aberto e ocorrerá em duas semanas, no Emirates Stadium

Arsenal e Chelsea fazem jogo monótono e deixam vaga na final de Copa da Liga Inglesa em aberto
Foto: Ian Kington/AFP
Chelsea
Arsenal
Chelsea: Courtois; Rüdiger, Christensen, Azpillicueta; Moses, Drinkwater (Willian), Kanté, Fàbregas, Alonso; Morata (Batshuayi), Hazard (Bakayoko). Técnico: Antonio Conte
Arsenal: Ospina; Chambers, Mustafi, Holding; Bellerin, Wilshere (Elneny), Xhaka, Maitland-Niles; Iwobi, Lacazette (Alexis Sanchez), Welbeck. Técnico: Arsène Wenger
ÁRBITRO: Martin Atkinson
INCIDENCIAS: Partida de ida entre Chelsea e Arsenal, em Stamford Bridge, válida pelas semifinais da EFL Cup

Diferentemente da recente partida que fizeram pela Premier League há alguns dias, Chelsea e Arsenal protagonizaram, nessa quarta-feira (10), um jogo muito abaixo do esperado, com atuações ruins vindas das duas equipes, válida pela partida da ida das semifinais da EFL Cup, a Copa da Liga Inglesa, em Stamford Bridge, e empataram em 0 a 0.

Com esse resultado, qualquer vitória do Arsenal na partida de volta, que será realizada no dia 24, no Emirates Stadium, garante a vaga dos Gunners para a grande final – a mesma coisa, obviamente, se encaixa ao Chelsea. Em caso de empate, o embate irá à prorrogação, já que a regra do “gol qualificado fora de casa” só é válida após o fim do tempo regulamentar e se, mesmo assim o confronto permanecer empatado, tudo será definido em cobranças de pênaltis. 

Primeiro tempo de poucas chances e solidez defensiva

Assim como esperado, os 20 primeiros minutos da partida foram muito equilibrados, com as equipes se estudando e não arriscando grandes chances no ataque – muito também por conta dos bons desempenhos das respectivas defesas. A primeira oportunidade real de gol ocorreu aos 21 e foi a favor dos Gunners, quando Lacazette recebeu com liberdade após um passe de Wilshere, mas finalizou para o alto.

Muita briga e pouca criatividade: resumo do primeiro tempo (Foto: Chris Brunskill Ltd/Getty Images)
Muita briga e pouca criatividade: resumo do primeiro tempo (Foto: Chris Brunskill Ltd/Getty Images)

Após esse lance, porém, o Chelsea chegaria com perigo em duas oportunidades com Moses, em lances parecidos, com o nigeriano chegando à linha de fundo, cortando para o meio e chutando com força. Em uma delas, obrigou Ospina a fazer uma difícil defesa e quase soltar a bola nos pés de Morata; na outra, acertou a trave, mas, após isso, a bola acabou parando nas mãos do colombiano.

Durante grande parte do tempo, a partida foi marcada pelas grandes atuações defensivas, muito também por conta da falta de criatividade dos setores ofensivos de ambos os times. Aos 38 minutos, o Arsenal assustou, quando Alex Iwobi costurou a defesa do Chelsea na entrada da área e, após uma boa jogada, chutou colocado, para uma difícil defesa de Courtois. Na sobra dessa jogada, aconteceu um lance polêmico, já que Moses tocou em Maitland-Niles dentro da área, mas Martin Atkinson mandou seguir. 

Segundo tempo sob o mesmo panorama

Diferentemente do apresentado no primeiro tempo, o Chelsea começou indo ao ataque na etapa complementar e, logo aos dois minutos, conseguiu assustar seu adversário: após uma série de cruzamentos, Fàbregas alçou na área e Christensen, praticamente livre, não conseguiu subir no tempo correto e acabou cabeceando de maneira equivocada, por cima da meta de Ospina, que estava vendido na jogada.

A equipe da casa voltou infinitamente melhor após o intervalo, o que, consequentemente, representava uma atuação abaixo da média dos comandados de Arsène Wenger, que não conseguiam criar jogadas por meio de passes curtos e tinham suas poucas jogadas iniciadas por meio de ligações diretas dos homens de defesa. As coisas ficariam mais difíceis ao francês quando, aos 17 minutos, Jack Wilshere, peça importante na transição do Arsenal, sentiu um incômodo após uma dividida e teve que sair.

(Foto: Adam Davy - PA Images)
(Foto: Adam Davy - PA Images)

Com o passar do tempo, os dois treinadores buscaram opções para tentar mudar o panorama da partida, que era monótona e com poucas chances. Wenger colocou Alexis Sanchez em campo, enquanto que Conte chamou Willian para entrar no jogo. O Chelsea possuía a posse da bola na maior parte do tempo, além de dominar as estatísticas de finalizações e escanteios, mas não conseguia transformar esses números em chances. 

Apesar disso, o panorama em Stamford Bridge não foi alterado e as equipes continuaram com dificuldades de criar chances. No segundo tempo, o Chelsea foi ligeiramente superior, mas nada capaz de furar o bloqueio liderado pelo colombiano David Ospina, que fez algumas intervenções. Dessa maneiro, tudo será decidido no jogo da volta, que será realizado no Emirates Stadium, a casa do Arsenal, daqui a duas semanas.