No jogo dos artilheiros, Vitória bate o Atlético-PR
Foto: Reprodução/Gazeta Press

No último compromisso antes da paralisação para a Copa das Confederações, Vitória e Atlético Paranaense se encontraram no estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana - e os mandantes levaram a melhor. Com gols dos gringos Cáceres, Maxi Biancucchi e Escudero, os baianos fizeram 3 a 2 e contabilizaram seu terceiro triunfo, subindo à segunda colocação. O Furacão, por sua vez, perdeu a 2ª na competição e caíram para o décimo quinto lugar. 

O time da casa já sofria com inúmeros desfalques confirmados anteriormente, e minutos antes da bola rolar, Caio Júnior teve de se preocupar com outra baixa: Nino Paraíba, lateral-direito, sentiu dores na perna esquerda e foi vetado pelo departamento médico. Em seu lugar, entrou o jovem Dimas. Quando o apito inicial soou, o Atlético tomou a iniciativa e tentava chegar ao ataque, mas esbarravam na compactada linha defensiva adversária. Na primeira finalização da partida, Marquinhos arriscou do meio da rua e tirou os primeiros suspiros do torcedor anfitrião. Maxi Biancucchi, principal arma da equipe, foi no embalo e ousou em jogada individual. 

Aos 10 minutos, os visitantes criaram boa oportunidade pela direita, quando o veterano Paulo Baier lançou Ederson na área, mas o assistente assinalou impedimento - contestado. Pouco tempo depois, o mesmo Ederson foi o responsável por assustar a trave defendida por Wilson - este que passou batido pelo atacante e viu Victor Ramos salvar de cabeça. Escudero, outrora pouco acionado, apareceu na meia cancha e bateu por cima. Em cobrança de escanteio, a bola sobrou nos pés de Biancucchi, que não acertou o efeito desejado e desperdiçou ótima chance. O time paranaense, que tem como característica a troca de passes, sofria com as consequências de atuar num gramado em condições não tão boas. 

Em um de seus esporádicos ataques, o Vitória beneficiou-se da agilidade de Maxi Biancucchi e abriu o marcador numa jogada ''estrangeira''. O argentino escapou com velocidade pelo centro do campo e ajeitou para Luis Cáceres, paraguaio, chutar no cantinho, sem chances para o goleiro Weverton. Éderson, entretanto, não estava contente e resolveu decidir. O jogador que mais finalizou nesta fase inicial do Campeonato Brasileiro viu Pedro Botelho realizar lance de habilidade pela esquerda e a pelota cair em seus pés, aí foi só balançar o barbante e fazer o 1 a 1. 

E quando o Furacão se animava e partia pra cima buscando a virada, a estrela de Biancucchi brilhou novamente; o centroavante dominou a bola alçada por Michel já desconcertando seu marcador, invadindo a área e aí soltou a bomba para deixar os baianos na frente pela segunda vez. Sem se abater com o tento, os visitantes continuaram comandando e, em praticamente uma repetição da jogada do primeiro gol, Ederson se contorceu todo e conseguiu o cabeceio, mas não contou com a sorte e viu a trave tirar o tento que o deixaria isolado na artilharia da competição. 

Na etapa derradeira, as equipes voltaram com os mesmos atletas e formações. Logo no primeiro minuto, em uma verdadeira pane da zaga atleticana, Biancucchi infiltrou a pequena área e encheu o pé para Weverton, surpreendentemente, defender com o rosto. Respondendo imediatamente, Paulo Baier recebeu na marca do pênalti e bateu pela linha de fundo, por muito pouco não igualando o placar. João Paulo, utilizando  uma de suas principais características, mandou um petardo do meio da rua e obrigou Wilson a espalmar. 

Após um período inofensivo de ambos os times, um lance ao menos perigoso voltou a acontecer apenas aos 19 minutos. Baier cobrou escanteio com categoria e Luiz Alberto, livre de marcação, testou firme para outra boa defesa de Wilson. Com Rômulo - estreante - o Vitória chegava, mas não tinha eficiência para matar o jogo. Quem não faz, leva. Com o final do confronto se avizinhando, o Furacão foi pra cima e, em cruzamento de Paulo Baier, Luiz Alberto desviou para as redes: 2 a 2. Apostando suas últimas fichas, Caio Júnior introduziu mais dois atacantes na equipe - alteração que surtiu efeito. Aos quarenta, depois de bate-rebate, Escudero venceu Juninho na disputa pela bola e deu números finais à peleja.

Estatísticas do jogo

Vitória Estatísticas Atlético/PR
3 Gols 2
47% Posse de bola 53%
5 Finalizações  12
3 Finalizações pra fora 4
3 Escanteios 6
2 Impedimentos 5
11 Faltas 14
VAVEL Logo