Especial: craques corintianos que disputaram a Copinha
Casagrande é o principal nome entre os alvinegros que disputaram a Copinha (Foto: José Pinto/Revista Placar)

Considerada a principal vitrine para jovens revelação do futebol, a Copa São Paulo de Futebol Júnior é conhecida por lançar aos olhos das torcidas grandes jogadores antes deles chegarem ao elenco profissional. Neste sábado (25), o Corinthians irá enfrentar o Santos decidindo o título da competição. Confira neste especial alguns jogadores revelados pela equipe do Parque São Jorge na Copinha.

Casagrande, o artilheiro da Democracia

Um dos principais ídolos da Fiel Torcida, Casagrande foi revelado pelas bases do clube e disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior. O atacante disputou a edição de 1980, mesmo ano que subiu para o profissional. Naquela oportunidade, o Corinthians avançou até a semifinal, aonde foi eliminado pelo Atlético-MG, e o centroavante foi um dos grandes destaques da equipe.

Apesar da sua qualidade, Casão teve dificuldades para começar a sua carreira no Alvinegro do Parque São Jorge. Conhecido pelo seu temperamento, o atacante teve problemas com o técnico Oswaldo Brandão e foi emprestado para a Caldense, de Minas Gerais, aonde ficou até 1982.

Ao lado de craques como Sócrates, Wladimir, Zenon e Biro-Biro, Casagrande foi um dos líderes da Democracia Corinthiana, movimento que lutava pelo estabelecimento da democracia e o fim da ditadura no país. Dentro de campo, o centroavante foi campeão e artilheiro, com 28 gols, do Campeonato Paulista de 1982. Em 1983, Casagrande e companhia conquistaram o bicampeonato regional.

Dinei, tricampeão brasileiro e campeão do mundo

Corintiano desde criança, Dinei é um dos principais ídolos da torcida alvinegra. Tricampeão brasileiro com o clube, o atacante disputou a Copa São Paulo de 1989, um ano antes de ser promovido ao profissional. Em 1990, seu primeiro ano como jogador profissional, Dinei ajudou o Corinthians a conquistar o primeiro Campeonato Brasileiro de sua história. Reserva na maioria das partidas, ficou marcado pelo gol da vitória em um clássico contra o Santos, considerado fundamental para a arrancada rumo ao título inédito.

Em 1992, Dinei deixou o Parque São Jorge e rodou por diversas equipes da Europa e do Brasil. Em 1998, quando era jogador do Guarani e iria enfrentar o seu ex-clube, foi perguntado por um repórter se comemoraria, caso anotasse um gol. Na ocasião, Dinei respondeu que não gostaria de marcar no seu time de coração.

No mesmo ano, o atacante voltou ao Parque São Jorge e foi fundamental na conquista do bicampeonato brasileiro. Mesmo vindo do banco de reservas e participando de 20 minutos, em média, por partida, Dinei participou de todos os gols anotados pelo Corinthians na final contra o Cruzeiro. Em 99, o atacante também teve participação significativa na conquista do terceiro Campeonato Brasileiro pelo clube. Em 2000, fez parte do elenco campeão mundial e deixou o clube em 2001, para jogar no Mogi Mirim.

Deco, estrela internacional

Pelo que fez com a camisa do Corinthians, Deco não merecia entrar nesta lista. Entretanto, a carreira fantástica como jogador na Europa e pela seleção de Portugal lhe garantiu um lugar entre os principais nomes do alvinegro que disputaram a Copinha. O luso-brasileiro disputou a Copa São Paulo de Juniores de 1996 pelo Timão, mesmo ano em que subiu para o profissional. Na época, fez apenas duas partidas com a camisa alvinegra e foi para o CSA, de Alagoas.

De Alagoas até Londres, Deco escreveu uma brilhante história no futebol europeu. Principal jogador do Porto na conquista da Uefa Champions League da temporada 2003/2004, o meia participou da campanha do vice-campeonato português na Eurocopa de 2004 e se transferiu para o Barcelona. Ao lado de craques como Ronaldinho Gaúcho e Samuel Eto’o foi peça fundamental no título da Uefa Champions League da temporada 2005/2006. Bicampeão espanhol, Deco se transferiu para o Chelsea, da Inglaterra, antes de encerrar a carreira no ano passado, como jogador do Fluminense.

Edu Gaspar, campeão mundial

Um dos principais nomes da conquista da Copa São Paulo de 1999, Edu Gaspar pode não ser uma unanimidade para torcedores de outros clubes. Entretanto na Fiel Torcida e na torcida do Arsenal, da Inglaterra, o volante é lembrado com carinho. Com a camisa do Corinthians, Edu conquistou o Mundial de 2000 como titular e estava presente no elenco que conquistou o bicampeonato brasileiro nos anos anteriores.

Em 2001, se transferiu para o Arsenal e fez parte do elenco que conquistou a Premier League de forma invicta. Depois de quatro anos com a camisa dos Gooners, recebeu propostas de Real Madrid e Barcelona, mas preferiu acertar com o Valencia, time em ascensão naquela época. Entretanto, uma série de lesões atrapalharam a carreira do volante, que voltou ao Corinthians e se aposentou em 2010. Atualmente, Edu Gaspar é dirigente do clube.

Fernando Baiano, artilheiro da Libertadores

Assim como Edu, Fernando Baiano é um nome que pode causar estranheza nesta lista. Apesar de não ter tido uma carreira sólida, o vice-artilheiro da Copa São Paulo de 1999 teve bons momentos com a camisa corintiana. Artilheiro da Copa Libertadores daquele ano, o atacante é constantemente lembrado pelos cincos gols marcados contra o Cerro Porteño, na vitória por 8 a 2, maior goleada da história do clube na competição continental.

Fernando Baiano ainda conquistou os Campeonatos Paulista de 1999 e 2001, além do Mundial de Clubes em 2000 antes de deixar o Parque São Jorge para rodar por diversos clubes. Atualmente, o atacante disputa o Campeonato Paulista pelo Mogi Mirim.

Ewerthon, campeão mundial

Artilheiro do título da Copa São Paulo de 1999, Ewerthon conquistou seu espaço na equipe profissional naquele mesmo ano. Veloz e artilheiro, o atacante participou da conquista do Campeonato Brasileiro daquele ano e do Campeonato Mundial em 2000. Demonstrando muito talento, chamou a atenção de clubes da Europa e se transferiu para o Borussia Dortmund, em 2001.

Em 2002, Ewerthon foi fundamental na conquista do título alemão pela equipe aurinegra. Devido as suas atuações na Bundesliga, o atacante chegou a ganhar chances na Seleção Brasileira. Depois de quatro anos no Borussia, Ewerthon se transferiu para o Zaragoza, da Espanha. Após um começo promissor, marcando doze gols na sua primeira temporada, ficando atrás apenas do artilheiro Diego Milito, o atacante perdeu espaço com as chegadas de Pablo Aimar e Sergio García. Ewerthon rodou por diversos clubes, chegou a jogar no rival Palmeiras e, atualmente, defende o Atlético Sorocaba no Campeonato Paulista.

Willian, a única boa lembrança de 2007

Apesar de curta a passagem de Willian no Parque São Jorge é a única boa lembrança do torcedor no ano de 2007. Um dos destaques da Copa São Paulo de 2006, o meia foi o camisa 10 da equipe rebaixada no Campeonato Brasileiro naquele ano até o começo do segundo semestre, quando foi vendido para o Shakthar Donetsk, da Ucrânia. Segundo muitos torcedores, a venda de Willian antes do final do campeonato foi fundamental para a queda alvinegra.

Depois de ficar cinco anos se destacando pelo clube ucraniano, Willian foi comprado pelo Anzhi Makhachkala, da Rússia, que havia sido recém-adquirido por um bilionário que esperava montar um grande time e disputar o título da Uefa Champions League. Entretanto, as coisas não saíram como esperado e o magnata desistiu de comandar o clube, vendendo seus principais jogadores. Willian foi comprado pelo Chelsea pela quantia impressionante de £30 milhões.

Titular absoluto da equipe de José Mourinho, o meia é cotado para estar entre os convocados por Luiz Felipe Scolari para a disputa da Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

VAVEL Logo