Botafogo-SP quebra série invicta do Palmeiras e conquista liderança do grupo B

Se despedindo de sua invencibilidade e melhor campanha do Campeonato Paulista, o Palmeiras não teve forças para vencer o Botafogo-SP na décima rodada do torneio. Jogando em casa, a Pantera mostrou que não está atoa no campeonato e venceu o Verdão por 3 a 1. O resultado mantém a invencibilidade do Botafogo-SP em jogos como mandante.

Em um primeiro tempo movimentado, os donos da casa abriram o placar com Mike, aos 20 minutos. O Palmeiras descontou com Valdivia, de pênalti, quatro minutos depois. Sem perder tempo, a equipe de Ribeirão Preto desempatou e ainda ampliou com Camilo e Marcelo Macedo, respectivamente.

Na etapa complementar, não houveram gols, porém, duas expulsões esquentaram o clima da partida. Aos 30 minutos, Bruno César deixou o gramado mais cedo após se desentender com o árbitro. A segunda expulsão aconteceu aos 41, em uma falta dura de Alex Silva, que recebeu seu segundo cartão amarelo na partida.

O resultado do jogo devolve a liderança do grupo B ao Botafogo-SP, que chega aos 19 pontos. Já o Palmeiras continua na liderança isolada do grupo D, porém, deixa de possuir a melhor campanha do campeonato juntamente com sua invencibilidade quebrada esta noite. Na próxima rodada, a Pantera recebe o Penapolense no estádio Santa Cruz, no sábado (1), às 18h30. O Verdão, por sua vez, pega o São Bernardo na quinta-feira (27) às 19h30, no Pacaembu.

Com um pênalti pra cada lado, Botafogo cria boa vantagem na etapa inicial

Jogando em casa, o Botafogo-SP entrou em campo com o intuito de levar a vitória diante do Palmeiras e brigar pela liderança do Grupo B, enquanto o Verdão, com oito desfalques para a partida, defendia sua invencibilidade no Campeonato Paulista.

Com uma postura um pouco diferente do normal no estádio Santa Cruz, o Botafogo começou a partida sendo um pouco mais cauteloso. Já o Palmeiras teve um início melhor no jogo. As enfiadas de bola de Valdivia faziam o Verdão ter mais criação. Porém, quem saiu na frente foram os anfitriões. Em uma jogada de velocidade aos 20 minutos, Giovanni recebeu na lateral esquerda e cruzou. Entre Lúcio e Marcelo Oliveira, Mike aproveitou a situação e tocou no canto de Fernando Prass, abrindo o placar.

Logo em seguida, um lance duvidoso aconteceu. William Matheus recebeu um lance e cruzou para Mendieta, que tentou duas vezes, mas não teve sucesso nas finalizações. Na sobra, Valdivia bateu e a bola acertou o zagueiro Henrique Mattos, e árbitro viu mão na bola, assinalando penalidade máxima para o Verdão. Aos 24 minutos, Mago cobrou: bola de um lado e goleiro do outro. Com categoria, o chileno converteu o pênalti, deixando tudo igual em Ribeirão Preto.

Depois do empate, o Palmeiras ficou mais recuado em campo, aguardando sobras do Botafogo-SP para armar contra-ataque. Levar mais um gol não estava nos planos do Verdão, mas William Matheus vacilou aos 33 minutos. O lateral palmeirense perdeu a bola para Camilo, que partiu em velocidade. A zaga alviverde estava desarmada e, na entrada da área, acertou o canto direito de Fernando Prass: 2x1 em Ribeirão Preto.

O Palmeiras mostrava muita dificuldade nas saídas de bola, errando muitos passes e facilitando para o Botafogo chegar ao ataque. E o pior ainda estava por vir para o Verdão. Aos 36 minutos, Daniel Borges arriscou um cruzamento e a bola bateu em William Matheus. O árbitro novamente interpretou como mão na bola e assinalou a penalidade. Marcelo Macedo cobrou com chute alto no canto direito, não deixando nenhuma chance de defesa para Fernando Prass.

A empolgação da equipe de Ribeirão Preto era evidente, assim como a dificuldade do Palmeiras na criação de jogadas. A marcação do Alviverde não parecia surtir efeito, tanto que dois dos três gols sofridos surgiram de pequenas falhas. Sem tempo para mais nada, o placar do primeiro tempo favorecia os donos da casa.

Segundo tempo esquenta com duas expulsões

Tentando corrigir os erros na marcação e ajeitar o time em campo, deixando o ataque mais dinâmico, o técnico Gilson Kleina optou por colocar Bruno César no lugar de Miguel e Vinícius no lugar de Marquinhos Gabriel. A partida se resumia a ataque x defesa, onde o Palmeiras avançava como podia, enquanto o Botafogo esperava espaços para armar o contragolpe.

O Verdão conseguiu chegar ao ataque aos dez minutos. Pelo lado direito, Bruno César começou uma jogada e Valdivia a completou. Recebendo na área, o chileno bateu forte, mas a bola foi por cima do gol.

O Botafogo insistia nas jogadas em velocidade, além de pressionar os alviverdes. Aos 23 minutos, Camilo deu um susto, quase marcando um golaço. Em um belo chute com curva, a bola foi para o canto esquerdo de Fernando Prass, que fez uma ótima defesa.

E o clima da partida acabou esquentando, exaltando os ânimos de Bruno César. Evidentemente irritado com o decorrer do jogo, o meia fez falta na área central do campo, discutiu com o árbitro e acabou recebendo cartão vermelho, indo para o vestiário mais cedo, aos 30 minutos.

Com um homem a menos em campo, o Palmeiras tentava como podia chegar ao ataque, porém, sempre pelo meio, onde tinha maior dificuldade de interceptação e criação. Quem mais tenta era Valdivia, mas a zaga adversária sempre cortava.

VAVEL Logo