Rumo à Copa: Willian
Willian aproveitou as poucas chances que teve para garantir seu lugar (Arte: Marcello Neves/VAVEL Brasil)

Três jogos. Foi essa a quantidade de partidas que o meia-atacante Willian precisou fazer para garantir o seu lugar entre os 23 convocados de Luiz Felipe Scolari para a Copa do Mundo. O ex-camisa 10 do Corinthians havia sido convocado em duas oportunidades por Mano Menezes, ainda em 2011, mas esquecido nas convocações posteriores, principalmente depois que Felipão assumiu o comando da equipe.

Depois de se transferir do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, para o poderoso Chelsea, da Inglaterra, Willian se transformou em um dos jogadores mais importantes do cenário mundial. Suas ótimas atuações com a camisa dos Blues fizeram com que Felipão desse uma oportunidade para o meia disputar os amistosos contra Honduras e Chile, em novembro de 2013. Com duas ótimas atuações, Willian foi novamente convocado para enfrentar a África do Sul, em março de 2014. Outra boa apresentação lhe garantiu de vez nos 23 de Felipão.

Da escolinha de Marcelinho Carioca à Europa

Nascido em Ribeirão Pires, Willian Borges da Silva recebeu esse nome como uma forma de homenagear a equipe Williams, da Formula 1. Além do automobilismo, Seu Severino, pai do atleta, também tinha outra paixão: o futebol. E foi essa paixão que seu filho compartilhou desde a infância. Segundo Willian, foi jogando no quintal da sua casa com o seu pai que ele aprendeu a finalizar de perna esquerda e se tornou um jogador ambidestro.

Além dos treinos com o seu pai, Willian fazia parte da escolinha de futebol de Marcelinho Carioca, um dos maiores ídolos da história do Corinthians. Em 1998, aos 10 anos, o meia teve a oportunidade de disputar um amistoso contra o Timão e chamou a atenção da diretoria alvinegra, que o levou para o Parque São Jorge. Em 2005, com apenas 16 anos, Willian já fazia parte do elenco da Copa São Paulo de Futebol Júnior e no ano seguinte foi promovido ao elenco profissional.

Entretanto, foi em 2007 que Willian apareceu para o mundo do futebol. No elenco que terminaria rebaixado no final de ano, o meia vestia a camisa 10 e apresentava um futebol acima da média. Tanto que, em agosto de 2007, foi negociado com o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por US$ 19 milhões (cerca de R$ 30 milhões naquele ano), valor então recorde na história alvinegra.

Na Ucrânia, sua carreira decolou; No Chelsea, a chance na seleção

Na primeira temporada no Velho Continente, Willian ajudou o Shakhtar Donetsk a conquistar o Campeonato Ucraniano e a Copa da Ucrânia, ambas sobre o rival Dínamo de Kiev. Além das conquistas no território nacional, o meia fez a sua estreia na Uefa Champions League. Na derrota por 3 a 0 para o Milan, da Itália, Willian entrou aos 73 minutos, substituindo Rat.

Na temporada 2008/2009, Willian anotou o primeiro gol da sua carreira em partidas continentais na vitória por 3 a 1 sobre o Dínamo Zagreb, pela fase preliminar da Uefa Champions League. Na competição europeia, a equipe terminou em terceiro no Grupo C, que contava também com Barcelona, Sporting e Basel. A terceira posição colocou a equipe ucraniana na Copa da Uefa.

Na primeira fase do mata-mata, Willian e o Shakhtar passaram pelo Tottenham, da Inglaterra. Nas oitavas de final, vitória sobre o CSKA Moscou. Nas quartas, a equipe venceu o Olympique de Marseille e se classificou para enfrentar o Dínamo de Kiev nas semis. Com um empate e uma vitória, o Shakhtar chegou à grande final. Na decisão, Willian participou de todos os 120 minutos da vitória por 2 a 1 sobre o Werder Bremen, da Alemanha, que garantiu o título aos ucranianos.

Willian ficou na Ucrânia até janeiro de 2013. Pelo Shakhtar, conquistou quatro campeonatos ucranianos, três Copas da Ucrânia, três Supercopas da Ucrânia e uma Copa da Uefa, além de ser eleito o melhor jogador do Campeonato Ucraniano na temporada 2010/2011, antes de ser vendido ao Anzhi Makhachkala, da Rússia, por impressionantes 35 milhões de euros (cerca de R$ 98 milhões). A aventura na Rússia, porém, durou pouco. Por problemas financeiros, o Anzhi passou por uma reformulação total do seu elenco em agosto e Willian foi vendido para o Chelsea, por 32 milhões de libras (cerca de R$ 120 milhões).

Na Inglaterra, Willian recebeu a camisa 22 e logo começou a se destacar, brigando por posição com o companheiro de seleção Oscar. Aos poucos, foi ganhando a confiança de José Mourinho no Chelsea e a atenção do povo brasileiro. Em pouco tempo nos Blues, Willian se transformou em quase uma unanimidade entre os torcedores londrinos.

Na Seleção, pouca experiência

Apesar de ter se destacado bastante na Ucrânia, Willian teve pouquíssimas chances na Seleção Brasileira. No mesmo ano em que foi eleito o melhor jogador do Campeonato Ucraniano, em 2011, o meia recebeu sua primeira oportunidade com a camisa amarela. O então técnico Mano Menezes o convocou para os amistosos contra Gabão e Egito, em 10 e 14 de novembro, respectivamente.

No primeiro amistoso, Willian entrou no lugar de Bruno César aos 26 minutos da segunda etapa e teve pouco tempo em campo. Na partida contra o Egito, uma repetição da primeira oportunidade. Novamente foi Bruno César quem deixou o gramado para a entrada do meia, mas aos 28 minutos do segundo tempo.

Depois de muito tempo no esquecimento, Willian só voltou a ser convocado depois de se destacar pelo Chelsea, no segundo semestre de 2013, para os amistosos contra Honduras e Chile. Na primeira partida, o meia entrou no lugar de Bernard no intervalo e teve 45 minutos de gala. Com uma ótima atuação, Willian foi, ao lado de Neymar, o grande responsável pela goleada por 5 a 0 e chegou a anotar um gol.

Assim como na goleada diante de Honduras, Willian começou a partida contra o Chile no banco de reservas. Aos 18 minutos da segunda etapa, entrou no lugar de Oscar e teve mais uma boa atuação na vitória por 2 a 1, tendo se destacado pela boa jogada que quase terminou no terceiro gol brasileiro.

As duas boas atuações com a camisa da Seleção renderam mais uma chance para Willian. Em 5 de março de 2014, Willian foi convocado para defender a Seleção na goleada por 5 a 0 sobre a África do Sul, em Johanesburgo. Vindo do banco de reservas no intervalo, aproveitou a oportunidade e se consolidou de vez entre os 23 de Felipão para a Copa do Mundo. 

Ficha Técnica

Nome completo: Willian Borges da Silva
Data de nascimento: 9 de agosto de 1988 (25 anos)
Local de Nascimento: Ribeirão Pires (SP)
Altura: 1,74m
Clube atual: Chelsea FC (ING)
Clubes onde passou: Corinthians, Shakhtar Donetsk e Anzhi Makhachkala.
Títulos: Campeonato Ucraniano (2007/2008, 2009/2010, 2010/2011, 2011/2012), Copa da Ucrânia (2007/2008, 2010/2011, 2011/2012), Copa da UEFA (2008/2009), Supercopa da Ucrânia (2008, 2010 e 2012)
Prêmios inviduais: Melhor jogador do Campeonato Ucraniano (2010/2011)

Partidas pela Seleção Brasileira

Ano Jogos Gols
2011 2 0
2013 2 1
2014 1 0
Total 5 1
VAVEL Logo