Botafogo 2014: Da euforia à tristeza profunda
O choro do rebaixamento atingiu os botafoguenses (Foto: Photocamera)

Frustrante. Assim que podemos resumir a temporada de 2014 do Botafogo. Após o ano mágico de 2013 e a quarta colocação no Campeonato Brasileiro do último ano, o Glorioso tinha como principal objetivo em 2014 conquistar a América, acabou o ano decepcionando a sua fanática torcida e amargando o segundo rebaixamento de sua história. Nesta retrospectiva, a VAVEL Brasil conta em detalhes o ano do time da Estrela Solitária.

Planejamento de terceira

Após 18 anos de ausência na maior competição do continente, a Copa Libertadores da América, a expectativa da torcida era que a diretoria reforçasse o elenco para tentar conseguir o título inédito. Entretanto, não foi isso que aconteceu. Assim que terminou o Campeonato Brasileiro de 2013, o Botafogo anunciou a saída de um dos principais responsáveis por recolocar o clube na Libertadores, o técnico Oswaldo de Oliveira. Para substituir o treinador, o Alvinegro Carioca promoveu o, até então, interino, Eduardo Húngaro.

Logo na pré-temporada, o Glorioso sofreu o primeiro golpe. O meia Clarence Seedorf recebeu uma proposta para ser técnico do Milan, pendurou as chuteiras e aceitou o convite dos italianos. O ex-camisa 10 Alvinegro não foi o único a deixar o clube. Duas semanas depois, a diretoria acertou a saída do atacante Rafael Marques, artilheiro da equipe no ano de 2013 e um dos principais jogadores do time.

Para a vaga de Seedorf, a diretoria contratou o meia e experiente Jorge Wagner. Na vaga de Rafael Marques, o Glorioso contratou o atacante Wallyson, do Bahia. Os dirigentes Alvinegros reforçaram o meio campo do Botafogo, com a chegada dos volantes Rodrigo Souto e Aírton. O time da Estrela Solitária também reforçou o seu ataque, com as chegadas do paraguaio Zeballos e do argentino El Tanque Ferreyra.

No dia 29/01, o Botafogo foi a cidade de Quito, no estádio Olímpico de Atahualpa, enfrentar o time da cidade local, o Deportivo Quito, em partida válida pela pré-Libertadores. Com uma atuação abaixo do esperado, o Glorioso foi derrotado por 1 a 0. Estupiñan marcou o único gol da partida. No segundo jogo, uma semana depois, dia 05/02, o Botafogo precisava de uma vitória por dois gols de diferença, e conseguiu. Com um show da torcida no Maracanã e uma exibição de gala do atacante Wallyson, que marcou três tentos, o time da Estrela Solitária venceu a equipe equatoriana por 4 a 0 e garantiu classificação na fase de grupos.

Campanha vexatória no Carioca e eliminação precoce na Libertadores

Enquanto o time titular disputava a Copa Libertadores da América, os reservas patinavam no Campeonato Carioca de 2014. O Glorioso disputou 15 partidas no torneio regional, foram seis derrotas, cinco empates e apenas quatro vitórias conquistadas. Com a péssima campanha, o Botafogo não conseguiu a classificação para a fase final da competição e amargou a pior campanha da sua história.

Mesmo com os resultados ruins e a eliminação no Campeonato Carioca de 2014, o Botafogo seguia firme e forte na Libertadores, até enfrentar o Unión Española (CHI), em casa, no Maracanã. O Alvinegro Carioca foi surpreendido pela equipe do Chile e acabou sendo derrotado por 1 a 0. Canales, em cobrança de pênalti, marcou o único gol da partida. O Botafogo, então, precisava apenas de um empate contra o San Lorenzo para se classificar para às oitavas-de-final. Porém, foi derrotado por 3 a 0 no Nuevo Gasómetro para o time argentino e acabou sendo eliminado precocemente na fase de grupos da Libertadores.

Saída de Eduardo Húngaro e início ruim no Brasileirão

Com a eliminação precoce na Libertadores, sendo eliminado ainda na primeira fase, a diretoria optou pela demissão de Eduardo Húngaro. Para a vaga do treinador, o Alvinegro Carioca contratou Vagner Mancini. No entanto, o Botafogo iniciou o Campeonato Brasileiro de 2014 com derrota para o São Paulo, por 3 a 0, no Morumbi. O Glorioso só conseguiu a primeira vitória na competição na quarta rodada, quando goleou o Criciúma por 6 a 0, no Maracanã.

Depois de vencer o time de Santa Catarina, o Glorioso ainda conseguiu um importante triunfo, fora de casa, contra o Palmeiras, em Presidente Prudente. Além disso, o time da Estrela Solitária arrancou um empate diante do Corinthians, em Itaquera, por 1 a 1. Sendo assim, conseguindo cumprir o seu objetivo, que era terminar a parada da Copa do Mundo fora da zona de rebaixamento.

Na volta do Mundial, o Botafogo continuou tendo um desempenho razoável. Foram 10 jogos, com cinco derrotas, quatro vitórias e um empate. Entretanto, veio a segunda partida do Brasileirão e o Alvinegro Carioca perdeu o seu rumo. O Glorioso foi o time que mais sofreu derrotas, 13, e o que menos conseguiu ganhar os seus jogos.

Demissão de quatros jogadores e rebaixamento

Em situação complicada na competição nacional, o ex-presidente Maurício Assumpção tomou uma decisão radical de demitir quatro jogadores que eram peças fundamentais no esquema do até então treinador da equipe, Vagner Mancini. O ex-mandatário demitiu o zagueiro Bolívar, o lateral-esquerdo Júlio César, o lateral-direito Edílson e o atacante Emerson Sheik, enfraquecendo - mais ainda - o time do Glorioso.

Com a saída de atletas de extrema importância, a pressão sobre Vagner Mancini aumentou muito. Já que, em entrevista coletiva, Maurício Assumpção afirmou que contava com o treinador para livrar o Botafogo do rebaixamento. Sendo assim, a diretoria, funcionários e a torcida depositaram todas as esperanças no comandante.

O Botafogo continuou lutando mesmo com a saída dos jogadores, teve vitórias heroicas, como o triunfo em cima do Corinthians, por 1 a 0, e contra o Flamengo, por 2 a 1, ambos na Arena Amazônia. Entretanto, teve derrotas bastante doloridas para o torcedor botafoguense. Como a derrota no clássico para o Fluminense, e para o Figueirense, que praticamente selou o rebaixamento Alvinegro. Porém, havia 1% de chance de escapar, que foi por água abaixo depois da vitória do Santos sobre o Glorioso, que decretou o segundo rebaixamento do time da Estrela Solitária. Mesmo lutando com todas as suas forças, o Botafogo não conseguiu vencer a batalha contra a zona de rebaixamento.

Chegada de René Simões e planejamento de 2015

Após ser rebaixado no Brasileirão, o Botafogo está em um processo de reformulação geral. Em todos os aspectos do clube. Saiu a diretoria que foi responsável pela queda Alvinegra, e entrou uma que terá muito trabalho pela frente, já que o Alvinegro Carioca está atolado em dívidas gigantescas, por culpa de administrações ruins do passado.

René Simões tem um duro trabalho pela frente, pois o time da Estrela Solitária perdeu mais de 15 jogadores após o encerramento do Campeonato Brasileiro. O Glorioso tem apenas dois jogadores consideras titulares que ainda permanecem no clube, mas que estão com situações indefinidas, casos do goleiro e ídolo Jefferson e do volante Marcelo Mattos.

A beira da falência, o Botafogo terá de reinventar para 2015. Sem dinheiro, os dirigentes Alvinegros precisarão ter muita criatividade para poder montar um time competitivo para disputar o Campeonato Carioca, Copa do Brasil e Brasileirão Série B.

Melhor jogo: Botafogo 4 x 0 Deportivo Quito

Depois de 18 anos de ausência, o Botafogo voltava a disputar uma partida de Libertadores no Maracanã. Um dia inesquecível para todos os botafoguenses espalhados pelo Brasil e pelo mundo. Com direito a mosaico da torcida, a estrela solitária brilhou, o Alvinegro Carioca fez jus ao seu apelido de “Glorioso” e goleou a equipe equatoriana sem dó nem piedade. Após o apito final de Silvio Truco, os botafoguenses presentes no Maracanã explodiram de alegria.

Pior jogo: Santos 5 x 0 Botafogo

Nas oitavas-de-final da Copa do Brasil, o Santos humilhou o Botafogo. Com uma goleada histórica, o Peixe se classificou com facilidade às semifinais da competição nacional. Uma partida que, nem tão cedo, sairá da lembrança dos Alvinegros Cariocas, negativamente. De fato, essa foi a pior partida do Botafogo em 2014. Um time sem qualidade técnica, sem raça, sem esquema tático, sem tudo.

Os melhores de 2014

Jefferson: Ídolo. Apesar do rebaixamento da equipe, foi o único poupado das críticas da torcida. Evitou goleadas e segurou algumas vitórias para o Glorioso durante o Campeonato. Com um time limitado, pouco pôde fazer para evitar o pior.

André Bahia: Assumiu a vaga de titular após a parada da Copa do Mundo, com a saída do zagueiro jovem e promissor, Dória. Criticado pela torcida, conseguiu dar a volta por cima e foi titular absoluto na luta contra o rebaixamento.

Edílson: Bastante eficiente, tanto jogando na sua posição de origem, quando teve de ser improvisado por Vagner Mancini no meio campo. Com uma boa batida na bola, Edílson era uma das armas mais perigosas do Botafogo. Entretanto, acabou sendo demitido em Outubro pelo ex-presidente Maurício Assumpção.

Os piores de 2014

Dankler: Um dos mais contestados pela torcida Alvinegra, Dankler não conseguiu fazer boas opções neste ano de 2014 com o Botafogo. Com muitas falhas, o zagueiro irritou a torcida, que, em quase todos os jogos, o vaiava quando tocava na bola.

Yuri Mamute: O pior atacante do clube na temporada. Pouco eficiente, Mamute teve uma passagem bem apagada no Glorioso. Marcou apenas um gol, na partida contra o Ceará. Porém, muito pouco para um atacante.

Zeballos: Ao lado de Dankler, o paraguaio foi um dos jogadores mais contestados do time da Estrela Solitária. Por conta de atuações fracas, Zeballos era vaiado constantemente pela torcida. O jogador chegou a marcar gols importantes, mas não foi o suficiente para agradar os Alvinegros. Na reta final do Brasileirão, acabou perdendo espaço com Vagner Mancini.

Análise final

Um ano para ser esquecido por todos os botafoguenses. 2014 tinha tudo pra ser um dos melhores anos do Glorioso, mas tudo acabou dando errado. Salários atrasados influenciaram muito na queda do time da Estrela Solitária. Agora, com um novo comando e uma nova diretoria, 2015 pode ser diferente para os Alvinegros. Porém, nada será fácil. Que o Botafogo consiga superar a maior crise de sua história e retome o caminhos das glórias, que o tornou um gigante do futebol brasileiro.

VAVEL Logo