Após novo placar zerado, Vila Nova supera Brasil de Pelotas nos pênaltis e chega à final da C
Foto: Henrique König / VAVEL Brasil

No estádio Serra Dourada, em Goiânia, segundo jogo da semifinal do Campeonato Brasileiro Série C para Vila Nova e Brasil de Pelotas. Após um empate na ida por 0 a 0, o placar permaneceu zerado na capital do estado de Goiás. Apesar do grande público, as equipes em campo não corresponderam e precisaram desempatar a disputa nas penalidades máximas.

Após sucessivos erros nos pênaltis, Wender mandou para fora a sétima bola e a chance do Brasil de Pelotas chegar à final. O placar da decisão ficou em 4 a 3 para o Vila Nova, que enfrentará o Londrina pelo título brasileiro da C.

Pressão inicial do Vila controlada pelo Xavante

Os minutos iniciais deram a dimensão de quem tinha o mando em um estádio Serra Dourada tomado de vermelho e branco, em grande público. O Vila contou com a volta de Frontini, ausente na ida no Bento Freitas. Já o Xavante ficou sem o atacante Nena, suspenso pelo terceiro amarelo. Galiardo, que cumpriu função de lateral-direito na ida, ficou pelo meio. Felipe Garcia e Cléverson foram os mais avançados.

Aos 2 minutos, o Brasil errou a saída de bola e Leandro Camilo, zagueiro de costume leal, precisou abrir a caixa de ferramentas e cometer falta forte. Primeiro cartão amarelo do jogo pra ele. Na cobrança frontal, mas de longe, Robston chutou forte e Eduardo Martini espalmou a bola que ia ao canto esquerdo.

Depois disso, outra falta voltou a apertar os corações pelotenses. Aos 11, a poucos passos da grande área, Wender cometeu a infração e também foi advertido com o cartão. No chute, a redonda ficou na barreira, no rebote na área, Vinicius cometeu falta ao se apoiar no defensor no cabeceio e o gol do Vila Nova acabou anulado.

O Brasil escapou da pressão inicial e ganhou campo. Porém, as finalizações a gol passaram pelo volante Washington, que arrematou mal aos 17 e aos 27 minutos, em ambas tentativas para fora, sem muito perigo. Aos 40, Gustavo Bastos matou o contra-ataque puxado por Cleverson e recebeu o primeiro cartão pelo Vila Nova. Galiardo cobrou a falta e Edson segurou sem maiores problemas, no centro da meta.

Outro gol anulado do Vila e muitos problemas técnicos das equipes

Logo no primeiro giro do cronômetro, Marcelo puxou jogada da direita, cruzou e Mateus Anderson, que recém havia ingressado ao jogo, desviou de calcanhar na pequena área e Martini espalmou pelo Brasil. A pressão seguiu em falta pela esquerda. O chute direto desviou na zaga xavante e saiu em escanteio, com o rubro-negro pelotense acuado na defesa.

O Tigre goiano seguia melhor na partida. Em cruzamento da esquerda, Martini segurou firme na cabeçada do artilheiro Frontini. Exatamente o matador foi quem colocou nas redes aos 20 minutos, mas impedido. Após sucessivos erros de finalização na área xavante, o argentino chutou rasteiro de direita, fez o gol, mas o assistente sinalizou a irregularidade. Estampado o 0 a 0.

Para o último quarto do jogo, o Brasil já havia feito duas mudanças: saiu Cléverson e entrou o referenciado Gustavo Papa, centroavante, além da saída de Diogo Oliveira e o ingresso de Jardel, na troca de meias. O Vila, sem muitas forças, finalizou para fora com Moisés, tímido no jogo, aos 33 minutos. Tecnicamente, o jogo decaiu em função do ar seco e do gramado de largas extensões.

Apesar das últimas tentativas do time da casa, o Brasil segurou-se na bola aérea e levou a decisão aos pênaltis. Quinto jogo consecutivo sem levar gols pelo lado gaúcho. Já o Vila Nova também manteve uma invencibilidade de quatro jogos nos mata-mata.

Após muitos erros nas cobranças, Vila Nova classifica em placar de 4 a 3

Róbston abriu a série e a vantagem colorada. Xaro mandou para fora pelo Brasil. Na sequência, o artilheiro Frontini também errou em defesa de Martini. O experiente Gustavo Papa empatou em 1 a 1.

Ramires e Galiardo erraram a terceira série. Baiano fez com tranquilidade e Washington perdeu em defesa de Édson. Donizete podia ter classificado o Vila e perdeu. Jardel deu vida ao Xavante: 2 a 2. Vitor e Brock mantiveram a igualdade em três acertos.

Na sétima série, Bruno Lopes, que havia deixado a sexta por conta de Vitor, fez o gol. Wender, na derradeira novamente, perdeu. Placar de 4 a 3 aos classificados mandantes no Serra Dourada. Vila Nova e Londrina definirão o campeão da C.

Vila Nova (4) O X X O X O O
Brasil de Pelotas (3) X O X X O O X
Edson, um dos heróis do Vila na Série C. (Foto: Henrique König / VAVEL Brasil)
VAVEL Logo