Chapecoense 2015: a campanha histórica na Sul-Americana e a afirmação na elite dos alviverdes
Chapecoense 2015: A campanha histórica na Sul-Americana e a afirmação na elite dos alviverdes

O Campeonato Brasileiro 2015 acabou para a Chapecoense. Em 14° com 47 pontos. Entre alegrias e tristezas, o alviverde catarinense terminou o ano se afirmando cada vez mais na elite de futebol brasileira. Considerado o time mais legal do Brasil, a simpática Chapecoense fez uma campanha regular, mas com ápices como a goleada em cima do Palmeiras por 5 a 1 e a vitória de virada sobre o Grêmio em Porto Alegre por 3 a 2, de virada.

Conquistando cada vez mais o coração do torcedor brasileiro que gosta de futebol irreverente e sem responsabilidade, a Chape chegou na primeira divisão em 2014. Com jogos sólidos e com uma facilidade incrível para bater adversários tanto dentro como fora deixaram os torcedores extasiados. O ápice fora a goleada por 5 a 0 sobre o Internacional, que deixou o time ainda mais conhecido pelo tom de não temer os grandes.

Início irregular e precipitação de rebaixamento

Com o técnico Vinícius Eutópio, a Chape iniciou os trabalhos no Brasileirão 2015 com um time repleto de novidades em relação à temporada passada. Com jogadores mais jovens e promissores, o time alviverde começou a competição com o pé direito, vencendo na Arena Condá, o Coritiba, por 2 a 1. Porém, uma sequência de resultados irregulares levou a Chape para a zona de rebaixamento. Entre derrotas fora de casa, empates e vitórias como mandante, o time alviverde não conseguia se livrar da oscilação, e viu o rebaixamento próximo.

No segundo turno, a equipe chegou a ficar 10 rodadas sem saber o que era vitória. Com isso, o time havia caído para a 18° posição e se via em risco iminente. A direção trocou a comissão técnica durante o campeonato. Sem Vinícius Európio, a entrada de Guto Ferreira deu novo ânimo para o time. A quebra dessa sequência veio em um jogo histórico na Arena Condá, mais um.

Pela 29° rodada do Campeonato Brasileiro, o verdão mais querido do Brasil venceu o Palmeiras em um jogo de seis gols. Por 5 a 1, o time catarinense venceu os paulistas e havia saído da zona de rebaixamento, além de quebrar o tabu de 10 jogos sem vencer.

Campanha histórica na Sul-Americana e reconhecimento internacional

A primeira participação da Chapecoense em uma competição Internacional não poderia ser melhor. Apoiado por quase todo o Brasil, o time de Guto Ferreira fez uma campanha histórica, e parou apenas no campeão da América, River Plate.

Sem perspectiva nenhuma, a Chape iniciou sua campanha na segunda fase da competição. No confronto entre brasileiros, o time alviverde empatou o primeiro jogo e derrotou a Ponte Preta no último para passar às oitavas de finais.

Nas oitavas, o momento mais dramático. Contra o Libertad, a Chape enfrentou o primeiro clube internacional de sua história. Com um empate em Assunção por 1 a 1, o time de Guto Ferreira precisava de uma vitória miníma para ir às quartas pela primeira vez na sua história. O empate em 1 a 1 na Arena Condá levou a disputa para os pênaltis, onde, por 5x4, o alviverde mais querido do Brasil venceu os paraguaios e se classificou para uma partida histórica, contra o River Plate.

Diante do Campeão da América, a Chapecoense ganhou uma notoriedade como nunca vista antes. Apoiada por todo Brasil, a Chape viajou para Buenos Aires a fim de fazer gols e poder trazer um resultado plausível para a Arena Condá. Uma derrota por 3 a 1 para os argentinos não apagou a chama de confiança dos alviverdes. No jogo de volta, em Santa Catarina, a equipe quase reverteu o resultado. Com um apoio incondicional de seu torcedor, o time ficou a um gol de levar a disputa para os pênaltis. Bruno Rangel, o nome do jogo com dois gols, acertou uma bola na trave que poderia ter sido a classificação do time alviverde em uma campanha histórica.

Afirmação na elite

Após cair de cabeça erguida na Copa Sul-Americana, a Chapecoense voltou com tudo para o Campeonato Brasileiro, a fim de garantir sua vaga na primeira divisão. O time perdeu apenas dois jogos para Goiás e Atlético-MG e venceu equipes como Grêmio e Fluminense dentro de seus próprios estádios. Contra o Fluminense, o 3 a 2 garantiu a permanência dos alviverdes na primeira divisão.

Contra o Grêmio, uma grande virada por 3 a 2 quando o time estava perdendo por 2 a 0. A vitória teve como destaque o lateral direito Apodi, que com ótima arrancada no final do segundo tempo, deu a vitória aos alviverdes. Confira:

Revelação: Hyoran

Pouco usado no Campeonato Brasileiro, Hyoran foi uma das poucas revelações jovens da Chapecoense este ano. Usado muito no Campeonato Catarinense, o meia de 22 anos correspondeu as oportunidades fazendo jogadas de criação, inclusive gols.

Melhor Jogador: Apodi

Impossível não ser outro. O título melhor jogador da Chapecoense na temporada vai para o lateral-direito artilheiro do verdão, Apodi. O índio do arco e flecha, um dos jogadores mais rápidos do Campeonato Brasileiro e um dos mais ousados. Com 4 gols, Apodi ficou conhecido pela sua potência no chute e na velocidade. Apoiador no ataque e um pouco evasivo na defesa, o lateral direito conquistou o coração dos torcedores da Chape.

Pior Jogador: Maylson

Talvez a maior decepção do verdão na temporada, Maylson veio com status de que poderia ajudar o time catarinense com sua habilidade e juventude. Porém, o jogador pouco participou de partidas pelo verdão na temporada. Com frequentes lesões e sem espaços, o jogador foi a decepção da temporada catarinense.

Melhor jogo: Chapecoense 5 x 1 Palmeiras

Parece ter virado rotina algum time brasileiro tomar cinco gols para a Chapecoense no Campeonato Brasileiro. Em 2014, a vítima fora o Internacional. Porém, dessa vez, sobrou para o Palmeiras. O time que viria a ser campeão da Copa do Brasil 2015 foi mais uma vítima da Arena Condá.

Pela 29° rodada do Brasileirão, o duelo de alviverdes teve muita polêmica e gols. Pra começar, uma expulsão de Egídio, que depois de já estar no vestiário, foi chamado de volta para o campo após o árbitro inverter uma falta. Após isso, o zagueiro Neto marcou para a Chape. Ainda na primeira etapa, Camilo, marcou um golaço para ampliar o placar. Aos 9 da segunda etapa, Túlio de Melo marcou o 3°. 2 minutos depois, Dudu diminuiu para os paulistas. O quarto veio pelos pés de Apodi, o lateral artilheiro, e por fim, Ananias, o carrasco que marcou o primeiro gol do Allianz Parque fechou a conta.

Pior jogo: Sport 3x0 Chapecoense

Um jogo isolado onde a Chape só pensava na Sul-Americana resultou em uma dura derrota para o Sport de Roberto Falcão, que havia tido apenas dois jogos no comando. O gol contra de Apodi, e os gols de Diego Souza e Régis definiram o placar mais largo sofrido pela Chape nesse Brasileirão. Porém, a dura derrota pouco influenciou na tabela, uma vez que, o alviverde só pensava na competição internacional. Mas, a atuação, essa sim, foi pífia.

VAVEL Logo