Atlético-MG desperdiça chances e empata com Racing na Argentina

Racing e Atlético-MG empataram sem gols, na noite desta quarta-feira (27), em Buenos Aires, na Argentina, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores da América. O Galo esteve perto de voltar ao Brasil com a vantagem na bagagem, mas não finalizou com êxito as oportunidades criadas durante o duelo e o placar não saiu do zero.

Agora, a decisão ficará para a quarta-feira (4) que vem, onde o Racing virá a Belo Horizonte/MG para a partida de volta. A diretoria atleticana ainda não decidiu em qual estádio – Independência ou Mineirão – irá mandar o jogo, mas é certo que o horário será às 21h45.

O Atlético precisa de uma vitória simples para avançar às quartas de final, enquanto um empate com gols classifica o time argentino devido ao gol marcado fora de casa. Outro 0 a 0 leva o duelo às penalidades máximas.

O Racing volta a campo no sábado (30), às 18h, para visitar o Huracán, em partida válida pela 13ª rodada do Campeonato Argentino. Já o Atlético terá, no domingo (1º), o primeiro jogo das finais do Campeonato Mineiro: às 16h, enfrenta o América-MG, no Independência.

Atlético segura pressão e quase abre o placar ao final do primeiro tempo

Empurrado pelo clima infernal vindo das arquibancadas do El Cilindro, o Racing chegou com muito perigo logo aos três minutos de partida. Óscar Romero, irmão gêmeo de Ángel Romero, do Corinthians, cobrou falta perigosa, a bola desviou durante a trajetória e Victor defendeu no susto. A resposta atleticana veio em um chute de fora da área de Pratto, mas que não exigiu muito trabalho de Saja.

O Racing explorava bastante as decidas pelos flancos do campo visando jogar a bola à área, e a partir desse fundamento o time argentino até chegou o placar, mas a jogada era irregular. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou para o lateral Grimi, que, em impedimento, mandou a bola às redes. O assistente invalidou o lance.

Aos 33 minutos, a defesa do Racing errou a saída de bola e deixou a redonda sob os cuidados de Robinho, que passou para Pratto. O camisa 9 alvinegro levou para perna direita, finalizou, a bola desviou em Nico Sánchez e quase enganou o goleiro, que se esticou todo para evitar o gol.

Porém, foi nos acréscimos que o Galo teve a melhor oportunidade da partida. Após boa troca de passes, Robinho encontrou Dátolo na esquerda e o meia levantou a bola na grande área. Júnior Urso infiltrou na defesa e testou mirando o canto direito do goleiro, mas a bola acabou indo para fora.

Douglas Santos teve muito trabalho no primeiro tempo (Foto: Gabriel Rossi/LatinContent/Getty Images)
Douglas Santos teve muito trabalho no primeiro tempo (Foto: Gabriel Rossi/LatinContent/Getty Images)

Jogo aberto, ataque atleticano perde chances e placar não sai do zero

Não havia completado nem dois minutos de jogo no segundo tempo e o Racing estava em cima, na pressão em busca de seu gol. Romero cobrou falta venenosa na ponta direita e obrigou Victor a realizar ótima defesa. Minutos depois, Grimi arriscou de fora da área, a bola desviou no caminho e arqueiro atleticano teve de fazer outra boa defesa.

Na segunda etapa, o Atlético adotou uma postura mais recuada – com o time sempre compactado em um 4-4-2 que variava ao 4-1-4-1 – e espera o momento exato para contra-atacar. E foi com essa ideia que a equipe de Diego Aguirre acertou o travessão: Dátolo acionou Lucas Pratto, o atacante ajeitou a bola e soltou a bomba, acertando o poste.

O Racing não deixou barato e respondeu à altura logo em seguida à chance de gol atleticana. Romero lançou e Lisandro López soltou um petardo no travessão de Victor. Após as duas bola na trave – uma para cada lado –, ambos os times foram se soltando mais.

Aos 25 minutos, Marcos Rocha acionou Robinho no ataque, o camisa 7 ganhou na velocidade do zagueiro Sánchez, tocou por cima do goleiro Saja e por pouco não tirou o zero do marcador. A bola passou raspando a trave. Minutos depois, em mais uma jogada de contragolpe, Robinho deu um passe em profundidade a Júnior Urso, que finalizou em cima de Saja.

Buscando fôlego novo no setor ofensivo, Aguirre sacou Dátolo e Robinho para colocar Clayton e Cazares em campo. As mudanças, entretanto, não surtiram efeito e o ritmo do duelo diminuiu. Quando a partida já caminhava para o término, a equipe argentina contou com uma falha da defesa atleticana e o zagueiro Díaz, como um centroavante, cabeceou com muito perigo por cima do gol de Victor.

Robinho criou duas ótimas oportunidades de gol antes de ser substituído na segunda etapa (Foto: Gabriel Rossi/LatinContent/Getty Images)
Robinho criou duas ótimas oportunidades de gol antes de ser substituído na segunda etapa (Foto: Gabriel Rossi/LatinContent/Getty Images)
VAVEL Logo