Retrospectiva VAVEL: O ano do São Paulo sem Rogério Ceni
Foto: Hugo Alves/VAVEL.com

O São Paulo Futebol Clube iniciou 2016 bem diferente dos últimos 20 anos, afinal de contas, Rogério Ceni, maior ídolo da história do clube e que estava no Morumbi desde 1990, havia se aposentado em dezembro do ano anterior.

Com a lacuna deixada pelo 'Mito' e um time que havia decepcionado em 2015, o São Paulo teve uma temporada muito irregular. De eliminação vexatória no estadual à campanha surpreendente na Libertadores, o tricolor paulista viveu em uma roda gigante, inclusive no Campeonato Brasileiro, chegando a flertar com o rebaixamento algumas rodadas, mas conseguindo se consolidar no meio da tabela e encerrar o ano sem maiores consequências.

Melhor momento da temporada

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

O ponto alto do clube paulista no ano foi o torneio preferido de seus torcedores, a Taça Libertadores. O começo da competição não foi nada fácil, já que, após classificação suada na pré contra o Universidad César Vallejo, do Peru, o clube passou maus bocados na fase de grupos da competição.

Logo na estreia da fase de grupos no Morumbi, o clube acabou surpreendido pelos bolivianos do The Strongest e foi derrotado por 1 a 0. Em dificuldades  na competição, o tricolor viu a estrela do argentino Jonathan Calleri brilhar e levar o clube para as oitavas após grandes jogos contra River Plate, com vitória por 2 a 1, e empate em 1 a 1 com o The Strongest, na Bolívia, selando a classificação para as oitavas.

A fase do São Paulo parecia mudar de vez e ficou provado isso no primeiro jogo do mata-mata no Morumbi, com a vitória massacrante por 4 a 0 em cima do Toluca, do México.

Outra figura que ganhava força no São Paulo era o zagueiro Maicon, exemplo de raça e também herói da classificação para a semifinal da Libertadores, após marcar contra o Atlético-MG no Horto.

De quase eliminado para semifinalista da Libertadores, era o ápice do clube do Morumbi no ano, que só não foi maior por causa do Atlético Nacional, da Colômbia, e do atacante Borja. O colombino marcou 4 vezes contra o tricolor na semifinal contando os dois jogos, que culminaram na eliminação do clube brasileiro da competição.

Pior momento da temporada

Foto: Érico Leonan / SPFC Divulgação
Foto: Érico Leonan / SPFC Divulgação

O São Paulo teve dois momentos bem complicados em 2016. O primeiro aconteceu sob o comando do técnico argentino Edgardo Bauza, quando o tricolor paulista acabou derrotado pelo Audax por 4 a 1 nas quartas do Campeonato Paulista.

Depois já com Ricardo Gomes de técnico, o clube do Morumbi flertou fortemente com a zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Na 23° rodada, o São Paulo chegou a ficar apenas um ponto do Z4, mas conseguiu se recuperar e consolidar a vaga na série A do ano seguinte.

A grande mudança de 2016 para 2017

Foto: Rubens Chiri/São Paulo Futebol Clube
Foto: Rubens Chiri/São Paulo Futebol Clube

Com certeza a grande novidade do São Paulo para o próximo ano estará no banco de reservas. Nada mais nada menos que Rogério Ceni comandará o tricolor paulista na próxima temporada. O novo técnico já ganhou o reforço do atacante Welligton Nem, ex-Fluminense, para reforçar o elenco que deverá ser reformulado.

Quem foi destaque

Quem se destacou ao longo do ano com a camisa do São Paulo foi Rodrigo Caio. O zagueiro de 23 anos, que conquistou o inédito ouro olímpico com a seleção brasileira esse ano, foi um dos jogadores mais regulares do time na temporada.

Com uma liderança técnica, Rodrigo Caio foi peça fundamental para o tricolor conseguir chegar a semifinal da Libertadores, e se afastar do perigo de rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Apesar de ficar apenas 5 meses e meio no Morumbi, a passagem de Calleri pelo São Paulo foi muito marcante. O jovem atacante argentino marcou 9 gols na Libertadores e se tornou o maior artilheiro são paulino numa só edição da competição. Em toda sua passagem, foram 16 gols em 31, com a média de 0,52 por partida.

Quem decepcionou

De um dos principais jogadores da equipe para a afastamento do elenco. Michel Bastos talvez tenha sido a maior decepção do ano no São Paulo. Após começar o ano como um dos alicerces do clube para a temporada, o meia viu seu futebol decair ao longo da temporada. O ponto alto da crise foi a cobrança sofrida na invasão do CT em agosto, quando o clima entre o jogador e os torcedores esquentou muito. Com seu contrato vencendo esse mês, a certeza é que Michel não seguirá no clube para 2017.

Os treinadores

Foto: Marcos Ribolli
Foto: Marcos Ribolli

O tricolor paulista iniciou a temporada com Edgardo Bauza no comando da equipe. o argentino dirigiu a equipe até agosto, quando aceitou o convite para ser o técnico da seleção Argentina.  'El Patón'  comandou o São Paulo por 48 partidas, obtendo 18 vitórias, 13 empates e 17 derrotadas, com um aproveitamento de 46,5%. 

Depois quem assumiu a equipe interinamente foi André Jardine, até a chegada de Ricardo Gomes. O ex-treinador do Botafogo não agradou em sua segunda passagem no clube, ficando a frente da equipes apenas 18 partidas, com 6 vitórias, 5 empates e sete derrotas, com um aproveitamento de 42,59%. O ano tricolor se encerrou com Pintado como treinador interino.

O que esperar para 2017

A expectativa da torcida para o próximo ano é alta após o anúncio de Rogério Ceni comandando a equipe. O clube paulista vive um longo jejum de títulos. A última grande conquista da equipe foi a Copa Sul-Americana em 2012. Com Marco Aurélio Cunha novamente como diretor executivo do clube, a esperança é de reviver momentos gloriosos de um passado não muito distante.

VAVEL Logo