Raio-X: Fluminense induz Flamengo ao erro e leva melhor na final da Taça Guanabara
Foto: Divulgação/Fluminense FC

Já dizia o escritor e tricolor Nelson Rodrigues: "O Fla-Flu surgiu 40 minutos antes do nada". Na final da Taça Guanabara deste domingo (5), Flamengo e Fluminense protagonizaram um jogo digno do tamanho do clássico. Foram cinco gols apenas no primeiro tempo, com direito a duas viradas. Teve emoção do início ao fim, quando o tricolor se consagrou ao bater o rubro-negro nos pênaltis por 4 a 2, após empate por 3 a 3 no tempo regulamentar.

LEIA MAIS: Fluminense vence Flamengo nos pênaltis e conquista a Taça Guanabara 2017

ANÁLISE: Sem Scarpa e Douglas, Fluminense se supera taticamente para ser campeão

O Fla-Flu da final da Taça Guanabara ficou marcado pelo grande número de gols no primeiro tempo. Jogo bastante movimentado e com muita emoção, porém as duas equipes falharam bastante, contribuindo para o alto placar da partida. A defesa do Flamengo cometeu falhas nos gols de Wellington e Lucas, enquanto Guerrero cometeu um pênalti bobo que terminou em gol de Henrique Dourado. Já a defesa do Fluminense, falhou no gol de Everton e ainda viu o goleiro Júlio César falhar no lance que terminou em gol do Willian Arão.

Taticamente, o Fluminense jogou mais compacto. Abel Braga escolheu Pierre para substituir Douglas, suspenso, e o volante foi responsável por anular Diego. O Flu esteve bem postado na marcação e atacava em velocidade e com boas triangulações entre Sornoza, Wellington e Richarlison. No meio, o meia equatoriano ainda tinha o apoio do compatriota Orejuela, volante moderno com bons passes e boa saída de jogo, que além de ajudar o time na hora de subir ao ataque, ajudava também defensivamente.

Em contra-ataque, Wellington aproveitou a falha da defesa do Flamengo e o escorregão de Pará para anotar o primeiro gol do clássico (Foto: Divulgação/Fluminense FC)
Em contra-ataque, Wellington aproveitou a falha da defesa do Flamengo e o escorregão de Pará para anotar o primeiro gol do clássico (Foto: Divulgação/Fluminense FC)

O Flamengo joga de maneira parecida com o Fluminense, usa o mesmo esquema tático, mas Zé Ricardo não conseguiu com que seu time tivesse as boas atuações que estava fazendo. Diego foi bem marcado de perto por Pierre e pouco apareceu. Mancuello e Everton tiveram poucos espaços na defesa compactada do time de Abel Braga e deixaram a desejar na transição defensiva. Sem a ajuda dos dois, Trauco e Pará tiveram dificuldades para defender Wellington e Richarlison em contra-ataques.

William Arão e Rômulo estiveram apagados e não conseguiram levar vantagem contra o meio-campo do Fluminense. A baixa atuação dos dois prejudicou também o meia Diego, que acabou sendo bem marcado e, sem a ajuda dos outros, nada pôde fazer. A solução do Flamengo foi tentar lançamentos e cruzamentos - e assim surgiram dois gols.

Arão não conseguiu acompanhar Lucas, autor do terceiro gol do Flu (Foto: Divulgação/Fluminense FC)
Arão não conseguiu acompanhar Lucas, autor do terceiro gol do Flu (Foto: Divulgação/Fluminense FC)

No segundo tempo, Abel Braga segurou o Fluminense para garantir a vitória por 3 a 2 e por pouco a ideia não funcionou. O time tricolor levava vantagem tática, então o técnico Zé Ricardo apostou em GabrielBerrío e Felipe Vizeu - junto com Guerrero na área - deixando claro que a proposta era cruzamentos até empatar. Diego recuou para buscar o jogo e fugir da marcação, mas não tinha opções para triangular, restando apenas a possibilidade de lançamentos.

O Flamengo teve mais posse de bola, mas o Fluminense esteve mais bem postado e forçou erros do time rubro-negro, que perdeu 29 bolas e tentou 46 lançamentos (contra 32 lançamentos e 19 perdas do time tricolor). Em outros números, o Fla lançou 45% a mais e perdeu 14% mais bolas do que o normal.

Após o empate por 3 a 3 no tempo normal, a decisão foi para os pênaltis. O Fluminense foi mais eficiente, converteu todas as cobranças e viu Rever e Rafael Vaz perderem as cobranças do Flamengo, consagrando-se campeão do primeiro turno do Campeonato Carioca. Além disso, o Flu provou que mesmo com um time jovem e muito promissor, pode brigar por título contra os rivais sendo mais organizado e apostando no que tem de melhor: a juventude.

Julio César pegou a cobrança de Rever, do Flamengo (Foto: Divulgaçao/Fluminense FC)
Julio César pegou a cobrança de Rever, do Flamengo (Foto: Divulgaçao/Fluminense FC)
VAVEL Logo