Titular na Arena Corinthians, Fágner fala em "curtir cada momento" com a seleção
(Foto: João Vitor Viana/VAVEL Brasil)

Fágner terá sua chance de ouro na Seleção Brasileira. Após várias convocações, terá oportunidade de mostrar serviço. Será o substituto de Daniel Alves, suspenso pelo segundo cartão amarelo, na próxima terça (28), contra o Paraguai, pela 14ª rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo 2018. Concorrente direto pela vaga, Mariano ficará no banco. Em coletiva, o lateral-direito negou estar sendo beneficiado por já ter trabalho com o treinador em anos anteriores.

"Não existe favoritismo (por já ter trabalhado com o Tite). Se eu não tivesse uma regularidade no meu clube, não teria voltado para a seleção. Até mesmo nos treinamentos, não estaria aqui se não tivesse bom desempenho. Fico feliz por estar mostrando meu trabalho cada vez mais", declarou.

+ Visando Paraguai, Seleção faz treino aberto no Morumbi

O partida também tem um gosto especial para Fágner devido ao seu local: será na Arena Corinthians, estádio do clube onde joga. O lateral comemorou a coincidência, mas manteve os pés no chão e espera tranquilidade para poder jogar "em casa".

"É uma oportunidade que me deixa feliz. Jogar no estádio do Corinthians e também poder vestir a camisa da seleção brasileira. Quero ter tranquilidade para jogar na minha casa. É um estádio que conheço, mas preciso ter tranquilidade para fazer um bom jogo"

Brasil e Paraguai se enfrentam na próxima terça-feira, às 21h45, na Arena Corinthians, pela 14ª rodada das Eliminatórias. Basta uma combinação de resultados para colocar os comandados de Tite na Copa do Mundo. Caso vença seu compromisso e o Equador não derrote a Colômbia, em Quito, a seleção estará matematicamente classificada.

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Confira a coletiva de Fágner na íntegra:

- Evolução do trabalho entrará para a história?

"Sem dúvida. Tudo que foi feito nos últimos meses, a forma como a equipe entendeu o trabalho e conseguiu colocar em prática, conseguir virar uma tabela saindo do sexto lugar para a liderança, sem dúvida fica marcado. Tenho certeza que daqui para frente, em 10, 15 anos, tudo que foi feito será lembrado"

- Pressão por jogar na Arena Corinthians

"Pressão a gente vive todo dia. Eu jogo em um clube onde sou pressionado constantemente por ser de massa. Vou buscar curtir cada momento, cada segundo, deixar essa pressão para fora e ajudar a equipe de melhora maneira. É um estádio que conheço, minha família vai estar presente e espero curtir cada momento"

- Semelhanças do trabalho com Tite em 2015/2016

"A maneira que ele consegue lidar com os jogadores e passar as ideias. Ele continua observador, detalhista, e consegue passar a informação de um jeito que o atleta consegue entender e executar dentro de campo"

- Preparação para um clássico em comparação com a seleção

"A preparação tem que ser física e mental. Quando você consegue ter uma boa preparação mental, consegue fazer um bom papel em campo. Clássico entre clubes tem uma grandeza regional, mas tem uma visibilidade muito maior quando se trata de seleção brasileira"

- Treino aberto

"É legal para você ter o carinho do torcedor e para eles entenderem um pouco do trabalho que é feito durante a semana. Essa euforia é boa, ainda mais agora que a seleção conseguiu trazer seu torcedor de volta"

- Ansiedade pela classificação

"Acredito que temos que fazer um grande jogo, independente de confirmar ou não a classificação. Temos a oportunidade de fazer mais um jogo no Brasil, perto do nosso torcedor"

- Como evitar a euforia

"O foco principal é seguir fazendo cada jogo, merecer a vitória. Claro, não tem como controlar os resultados, mas temos que sempre fazer grandes jogos para manter essa euforia de lado e seguir em bom nível"

- Como conquistar Tite?

"Trabalhando. É preciso ter caráter para ser alguém na vida. Ser um homem de bem. Acredito que o trabalho é o segredo de tudo, para adquirir a confiança de pessoas que confiem em você e querem seu bem"

- Reencontro com Romero

"A gente conversou de trocar camisas após o jogo, mas tudo na seriedade. Não sei como vai ser depois, mas dentro de campo vamos manter a seriedade"

- O que falta para a seleção ficar pronta?

"Tempo. Amadurecer a equipe. O tempo e os jogos vão dando experiência e amadurecendo os jogadores. Vão amadurecendo tempo a tempo"

VAVEL Logo