Irritado, Baptista afasta polêmica sobre Roger Guedes e critica imprensa: "É muita palhaçada"
Foto: César Greco/Ag. Palmeiras

Após a vitória de virada do Palmeiras sobre o Peñarol, por 3 a 2, em Montevidéu, o técnico Eduardo Baptista mostrou toda sua irritação em relação a especulações de que o elenco alviverde estaria rachado. Em entrevista coletiva, o treinador deu tapas na mesa, aumentou o tom de voz e rechaçou os rumores de que o atacante Roger Guedes teria deixado a concentração após se rebelar por não começar jogando diante do time uruguaio.

O Willian não jogou porque não treinou e ficou uma semana sem treinar. E foi por isso que eu resolvi escalar o Roger Guedes contra a Ponte. As pessoas estão cobrando muito o treinador estudar e eu estou vendo um monte de gente boa surgindo. Tem uma turma aprimorando, estudando e aí vem notícia que não fala a fonte”, disparou Baptista, que, depois, se exaltou e chegou a dar tapas na mesa.

Se tem fonte fala! Fala que eu sou maleável, que eu saí de mão dada com o Roger Guedes. E vocês estão falando aqui com um cara sério! Quer questionar a escalação? Quer questionar o meu estilo de jogo? Agora vocês estão atacando o homem! Vocês conhecem a minha família. Eu respeito cada um que vem aqui, os setoristas que vêm para o dia a dia. Eu não sou maleável, eu sou um cará sério. E isso é culpa da imprensa! É culpa da imprensa! Se ganhou uma eleição assim nos Estados Unidos, com mentira”, acrescentou.

Baptista reiterou a união do plantel palmeirense e voltou a atacar jornalistas que usam fontes para relatar uma notícia inverídica. “Estavam falando que a gente estava com grupo rachado. E olha isso. Se a gente não tivesse se juntado tinha comido o pau! Aqui não tem mimimi. O futebol está parecendo revista de fofoca. Eu sou homem para caralho. Eu não tenho essa de fonte, essa que eu não posso informar. A minha fonte é meu dia a dia. Fiz uma coisa que não deu certo no primeiro tempo e corrigi no segundo”, afirmou.

Por fim, Baptista assegurou que, em suas próximas entrevistas coletivas, responderá apenas perguntas relacionadas a questões futebolísticas. “Pode me criticar, não tem problema. Mas eu vou falar aqui só de futebol. Não vou falar de pressão, não vou falar se Roger brigou com um ou outro. Quer fazer pergunta para mim? Quer minha coletiva? Fala de futebol. Se perguntar outra coisa vai queimar pergunta. Posso me danar aqui, mas é muita palhaçada. É muito neguinho querendo aparecer”, exclamou.

VAVEL Logo