Atlético-PR suporta pressão, marca no fim e vence Atlético-MG no Independência
Sidcley chuta para garantir a primeira vitória do Furacão no Brasileiro (Foto: Marco Oliveira/Atlético-PR)

Vitória maiúscula do Atlético-PR em pleno Independência. Jogando com um homem a menos desde a expulsão de Lucho González aos 39 minutos de jogo, o Furacão soube se fechar na defesa, suportar a pressão imposta pelo Atlético-MG e jogar por uma bola para conquistar o primeiro triunfo no Campeonato Brasileiro da Série A depois de sete rodadas. Sidcley marcou o gol da vitória por 1 a 0 aos 44 minutos do segundo tempo.

Com o resultado, os paranaenses seguem na última posição, com cinco pontos ganhos, mas se aproximam da saída da zona de rebaixamento. Faixa esta que entrou o Galo, após perder mais um jogo, o segundo consecutivo. Os mineiros somam seis pontos, no 17º lugar.

Na próxima rodada, o Atlético-PR enfrenta o Atlético-GO no Estádio Olímpico, em Goiânia/GO, às 16 horas do próximo sábado (17). Por sua vez, o Atlético-MG encara o São Paulo, às 16 horas do domingo  (18), no Morumbi.

Foto: Marco Oliveira|Atlético-PR
Foto: Marco Oliveira|Atlético-PR

Pressão do Galo e Lucho expulso

O Galo começou o jogo buscando a vitória a todo o custo, tentando dar uma resposta positiva diante do seu torcedor para amenizar o mau momento que atravessa. O time mineiro já assustou aos quatro minutos de jogo, numa cabeçada de Rafael Moura após bom cruzamento de Fábio Santos. Aos 12, Elias tentou cruzar uma bola na área e por pouco não marcou por cobertura, mas o goleiro Santos estava atento e fez a defesa.

Aos 21, Marlone escorou bonito de peito e Elias bateu com perigo da entrada da área, com a bola passando muito perto da trave direita da meta adversária. Nessa altura do jogo, o Galo ocupava o campo de defesa do Furacão, e com bom toque de bola, criava oportunidades, embora ainda não tivesse tido nenhuma chance evidente de gol.

A pressão alvinegra era forte, e aos 25, Robinho chegou a balançar as redes após rebote de Santos, mas o lance foi acertadamente anulado por impedimento. A massa atleticana empurrava, e, através de boas tabelas pelo meio da defesa paranaense, o Galo ia chegando perto da meta e o gol parecia questão de tempo. Aos 35, a chance mais clara: em um raro momento que a defesa do Furacão não estava bem postada, o time mineiro tocou bem a bola e Robinho teve uma oportunidade clara, mas cara a cara com o arqueiro alvinegro, desperdiçou.

O Furacão não conseguia ter posse de bola e mal conseguia criar oportunidades de ataque, e a situação ficou ainda pior quando aos 39, Lucho González puxou de forma boba a camisa de um adversário no meio de campo, e, como já tinha amarelo, levou o vermelho e deixou o time em inferioridade numérica. 

Foto: Bruno Cantini|Atlético-MG
Foto: Bruno Cantini|Atlético-MG

Forte na defesa, Furacão vence no fim com falha de Felipe Santana

O panorama do segundo tempo foi igual ao primeiro, com o Atlético-MG no campo de ataque, ainda mais com um jogador a mais para fazer valer o mando de campo, enquanto o Atlético-PR se fechou na defesa e jogou pelo contragolpe. O time da casa mantinha intensa pressão, mas não conseguia ter chances claras de gol. Pelo contrário, os paranaenses chegaram com perigo aos 16 minutos. Depois de cobrança de escanteio de Nikão e bate-rebate na área mineira, Deivid cabeceou na trave. Victor apenas torceu.

A resposta veio no minuto seguinte. Após cruzamento na área, Marlone ajeitou e Rafael Moura ficou com a sobra. O centroavante mandou para o fundo do gol de cabeça, mas a arbitragem anulou outro gol atleticano, o que deixou os alvinegros na bronca.

O clube mandante ainda teve mais oportunidades em um chute de fora da área de Rafael Carioca, e em uma falta cobrada por Otero, que passaram perto. Aos 26, Elias chutou de dentro da área, mas Santos defendeu tranquilamente. Com o tempo passando e a demora do gol em sair, o time mineiro foi dando sinais de impaciência e cansaço, e, afobado, já tinha mais dificuldades em criar jogadas com lucidez.

O cenário que já era ruim ficou pior quando, aos 44, Felipe Santana de forma bisonha tentou recuar de cabeça uma bola do meio de campo. A bola não saiu com força suficiente e ficou de graça pra Sidcley. O lateral do Furacão avançou, e de cara com Victor, tocou na saída do goleiro. Foi o gol que premiou a valentia do time paranaense que soube se aplicar e defender muito bem com um homem a menos.

VAVEL Logo