Sai seca: em má fase no Cruzeiro, Rafael Sóbis tenta se reerguer em decisão diante do Grêmio
Rafael Sóbis em campo contra o São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro (Foto: Washington Alves/Cruzeiro)

Contratado a peso de ouro em junho de 2016 por cerca de U$5 milhões junto ao Tigres-MEX, o atacante Rafael Sóbis não vive uma boa fase no Cruzeiro. São 12 jogos sem balançar redes adversárias em 2017. A última vítima foi o Coritiba, em partida válida pelo Brasileirão, ainda em junho. Nesta quarta (23), os mineiros enfrentam o Grêmio em duelo que vale vaga na final da Copa do Brasil, a partir das 21h45, no Mineirão, oportunidade para o atacante da Raposa voltar a marcar.

Tentando se reerguer na equipe, Sóbis tem um histórico favorável nos momentos de decisão. Ele foi campeão por onde passou. Pelo Internacional, clube que o revelou para o futebol, o atleta conquistou os estaduais de 2004, 2005 e 2011, além de duas edições da Libertadores, em 2006 e 2010. No Fluminense, os títulos foram do Campeonato Carioca e Brasileiro de 2012. No México, Rafael levou a Apertura do Campeonato Mexicano de 2015.

O camisa 7 ainda tem passagens pelo Real Bétis, da Espanha, Al Jazira, dos Emirados Árabes Unidos, e coleciona convocações para Seleções de base e profissional do Brasil, onde foi medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de 2008.

Sóbis além dos campos

Em entrevista ao portal Superesportes em março, Rafael Sóbis revelou suas preferências e gostos particulares. O cruzeirense disse gostar de Rock'n' roll, culinária e motos. "O estilo musical diferente em relação a maioria dos jogadores, é lembrado pelo atleta antes mesmo das partidas. "Um grupo que me deixa um pouco mais elétrico, mais ligado no jogo, é o AC/DC. É um estilo de música que bota para cima e sempre que posso escuto minutos antes de entrar em campo", exaltou.

Rafael ainda diz estar atento as nuances das cozinhas. "Ainda não sou um grande cozinheiro, pretendo até fazer curso para aprimorar, mas sempre gostei. Tenho um amigo árabe que a gente viajava para conhecer os melhores restaurantes do mundo. E você acaba tomando gosto, não adianta. Se tem um jogo de futebol e um programa de culinária, vejo o programa de culinária. Acho que estou ficando velho. Por enquanto cozinho para meus filhos, não criei coragem para chamar os amigos, mas ainda vou fazer isso. Sou um cara muito caseiro e gosto de receber e tentar fazer alguma coisa na cozinha", analisou.

Por fim, um sonho inusitado de Sóbis é comentado. "Já combinei com amigos lá do Sul que têm Harley-Davidson que vamos fazer a Rota 66 (lendária estrada dos EUA) juntos” , concluiu Rafael Sóbis, falando da sua paixão por motos. 

VAVEL Logo