Lucas Pratto explica saída do Atlético-MG e revela conversas com presidente Nepomuceno
Pratto em ação durante seu último clássico contra o Cruzeiro, em fevereiro passado (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Ex-jogador do Atlético-MG, o atacante Lucas Pratto revelou os motivos que o levaram a deixar o Galo para acertar com o São Paulo. Em entrevista ao programa “Bola da Vez”, da ESPN Brasil, o argentino abriu o jogo e contou sobre as conversas que teve com o presidente do clube alvinegro, Daniel Nepomuceno, antes de aceitar a proposta do Tricolor paulista.

O Atlético é um clube que gosto muito. Na verdade, eu tive uma conversa, agora que já passou um tempo posso falar, com o presidente [Daniel Nepomuceno] e com o treinador Marcelo Oliveira, quando ele estava, e eu falei a verdade. Na época eu tinha saído do time por causa de uma lesão, fiquei quase dois meses fora, depois de machucar contra o São Paulo na Libertadores. Aí, eles contrataram o Fred. Gosto muito dele, se não é o melhor centroavante brasileiro, está entre os três melhores. Então, eu falei: ‘Quero saber qual é a minha posição no clube’. Aí, o treinador falou que os dois iriam jogar. Mas passaram cinco partidas e eles me tiraram. Fiquei muito triste, me tiraram logo em um clássico. Eu acho que é uma questão que você está faltando com respeito”, disparou.

O clássico contra o Cruzeiro citado por Lucas Pratto foi o do returno do Campeonato Brasileiro do ano passado. A partida, disputada no Mineirão, terminou empatada em 1 a 1. O gringo, que vinha sendo titular no time, começou o jogo no banco de reservas e entrou aos 22 minutos do segundo tempo, na vaga de Fred.

A disputa por uma vaga de titular no ataque do Atlético-MG ficou mais concorrida após a diretoria alvinegra contratar Fred junto ao Fluminense. Robinho, que viveu uma boa relação com as redes em 2016 – terminou o ano como o artilheiro do Brasil, com 25 gols em 55 jogos –, era mais uma dor de cabeça para o técnico Marcelo Oliveira.

Joguei com o Fred contra o São Paulo, Coritiba, Sport, e o único jogo que tínhamos perdido juntos foi contra o Fluminense, fora de casa. Depois, ganhamos. Todos falavam que se eu e Fred jogássemos juntos, Robinho não poderia jogar. Se eu e Robinho entrássemos, Fred não poderia jogar, e vice-versa. O problema era os três. Aí, eu falei para o treinador que aceitava a decisão dele me tirar, mas pedi honestidade. Ele me pediu desculpas, falei que não tinha problema e que iria me doar ao máximo até o fim do ano, que queria sair campeão, na época estávamos com chance de conquistar a Copa do Brasil, e longe do Palmeiras no Brasileiro, mas com chances”, esclareceu o argentino.

Marcelo Oliveira deixou o comando técnico do Atlético após o time perder por 3 a 1, no Mineirão, para o Grêmio, pelo primeiro jogo da final da Copa do Brasil. Para seu lugar veio Roger Machado, que assumiu a equipe em janeiro da atual temporada. Com a chegada do novo treinador, Pratto passou a jogar menos, o que o levou a sair do Galo.

Fiz muitos gols no fim do ano, meu relacionamento com o Marcelo foi muito bom, mas aí chegou o Roger e fiz a mesma pergunta: ‘Qual era a minha posição?’. Ele falou que jogaria os três juntos [Fred, Pratto e Robinho]. Era o que íamos tentar. Não estava obrigando ninguém a nada, mas eu queria honestidade. Tenho um defeito que falo as coisas na cara, então as pessoas não gostam. Roger experimentou o esquema de três atacantes no treino, passou dez minutos e me tirou”, contou.

Aí, apareceu a proposta boa do São Paulo e conversei com o Daniel, com quem tenho uma relação de amizade: ‘Serei pouco aproveitado. Acho que tenho que jogar mais. Não mereço isso. Joguei muitos jogos estando machucado, respeito todo mundo, mas você também contratou o Rafael Moura e agora tem três centroavantes. Não precisa ter os três para aproveitar só um’. Joguei apenas dez minutos contra o América-TO e vencemos com um gol de pênalti do Fred. Aí, pensei: ‘Se o jogo está 0 a 0 e entro com dez minutos, alguma coisa está errada’. Quando apareceu a proposta do São Paulo, o Roger colocou os três juntos, mas eu já tinha dado a minha palavra para os diretores do Tricolor, falei com o Daniel: ‘Quando dei a palavra que jogaria aqui, eu cumpri. Apareceu proposta do Cruzeiro nessa época, mas fechei com o Atlético’. Ele entendeu”, finalizou.

Lucas Pratto deixou o Atlético-MG em fevereiro de 2017 para se transferir ao São Paulo por € 6,2 milhões (R$ 20,7 milhões, na cotação da época). Ele disputou 107 jogos com a camisa preta e branca, marcando 42 gols. Em Belo Horizonte, conquistou um Campeonato Mineiro (2015) e uma Florida Cup (2016).

VAVEL Logo