Com um a menos, Avaí marca no último lance e busca empate no clássico contra Figueirense
Foto: Jamira Furlani/Avaí FC

Com um a menos, Avaí marca no último lance e busca empate no clássico contra Figueirense

Zé Antônio fez contra, após cobrança de escanteio no final e Leão conseguiu empate em 1 a 1, menos com um a menos desde o primeiro tempo; apesar do gol no fim, Figueira se aproxima da final

bruno-da-silva
Bruno da Silva
FigueirenseDênis; Diego Renan, Cleberson, Nogueira, Guilherme Lazaroni; Zé Antônio, Betinho (Samuel Santos, intervalo); Filipe Amorim (Renan Mota, min. 12/2ºt), Gustavo Ferrareis, Jorge Henrique (Abuda, min. 31/2ºt); André Luis. Técnico: Milton Cruz
AvaíAranha; Guga, Alemão, Betão, João Paulo; Luan (Menezes, min. 20/2ºt), Judson; Maurinho (Martinuccio, min. 36/2ºt), André Moritz (Marquinhos, min. 26/2ºt), Luanzinho; Rômulo. Técnico: Claudinei Oliveira
Placar1-0, min. 22/1ºt, Jorge Henrique. 1-1, min. 48/2ºt, Zé Antônio (contra)
ÁRBITRORamon Abatti Abel, auxiliado por Kléber Lúcio Gil e Alex dos Santos. Amarelos: André Luis, Nogueira, Betinho, Zé Antônio, Renan Mota (FIG); Luan, André Moritz, Guga (AVA). Vermelho: Luanzinho (AVA)
INCIDENCIASPartida válida pela 13ª rodada do Campeonato Catarinense 2018, no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, SC. Público: 13.555 torcedores. Renda: R$ 403.010,00

Diante do maior público do Campeonato Catarinense, 13.555 torcedores, o grande clássico do estado terminou empatado em 1 a 1 entre Figueirense e Avaí. Em jogo com muitas cartões, e uma expulsão de Luanzinho, do Leão no primeiro tempo, o time da casa saiu na frente com Jorge Henrique, mas Zé Antônio marcou contra aos 48 da segunda etapa e o jogo terminou empatado. 

No primeiro lance de perigo no jogo, Jorge Henrique bateu falta pela esquerda e André Luis desviou no meio da área, carimbando o travessão. Três minutos depois, na cobrança de escanteio de João Paulo, a zaga do Figueirense se posicionou errado e Maurinho apareceu livre na segunda trave, mas tocou mal de cabeça e perdeu grande chance, mandando por cima.

A partida começou com várias chances, mas também muitas faltas duras, até pela postura do árbitro Ramon Abatti Abel. Aos 10, na cobrança de escanteio de Jorge Henrique, a bola ficou viva dentro da área e Nogueira finalizou, mas Betão cortou no meio do caminho. No minuto seguinte, em cobrança de lateral de Diego Renan para a área, André Luis subiu mais alto que Betão e cabeceou para o gol, mas a arbitragem deu falta de ataque do Figueirense e anulou o primeiro do jogo.

Aos 22, Jorge Henrique recebeu de Filipe Amorim na intermediária, ajeitou o corpo e mandou uma bomba de pé direito, no ângulo esquerdo, e Aranha não alcançou: 1 a 0 para o Figueirense. Dois minutos depois, em uma dividida na lateral, Luanzinho acertou o braço na nuca de Betinho, o árbitro entendeu como agressão e acabou dando cartão vermelho direto para o meio-campista do Avaí, causando uma confusão na beira do gramado. O técnico Claudinei Oliveira foi expulso por ter tirado satisfação com o jogador do Figueira, assim como Milton Cruz, treinador do Figueirense. O jogo ficou paralisado por sete minutos.

Jorge Henrique marcou para o Figueirense (Foto: Divulgação/Figueirense FC)

A expulsão do meia do Avaí diminuiu o ritmo do jogo, inclusive o número de divididas fortes. O Figueirense passou a ter mais posse de bola, e o Leão se posicionou com uma postura mais recuada. O time da casa só voltou a assustar aos 44. André Luis recebeu passe de Zé Antônio de cabeça e saiu de frente para a Aranha, tentou o toque por cobertura, mas mandou para fora, perdendo grande chance para ampliar. Dois minutos depois, Guilherme Lazaroni arriscou chute cruzado da esquerda e a bola passou com perigo, à esquerda do gol, mas o jogo terminou o primeiro tempo em 1 a 0.

Mesmo com um a mais, o Figueirense adotou uma postura mais conservadora na segunda etapa. Porém, mesmo com o Avaí buscando o empate, com um a menos, o time tinha dificuldade para assustar o goleiro Dênis. A primeira chance do Leão no segundo tempo foi aos 13. Após cobrança de lateral para a área, a zaga do Figueira afastou mal, Rômulo bateu cruzado e a bola desviou em Cleberson, passando muito perto da trave esquerda do gol.

A resposta do Figueira veio aos 21. Ferrareis aproveitou a falha de Alemão após lançamento de Lazaroni, tentou colocar no canto e Aranha desviou para evitar o 2 a 0. Oito minutos depois, Diego Renan recebeu na intermediária e arriscou chute de pé direito, perto do gol avaiano. Na bola parada, o Figueirense assustou outra vez. Aos 34, Diego Renan cobrou o escanteio, Aranha saiu mal e Nogueira apareceu para desviar, mas à esquerda do gol.

O Avaí acionou Marquinhos, Menezes e Martinuccio vindos de banco, tentando acrescentar mais criatividade para o time, que tentou pressionar na reta final do jogo. Aos 45, João Paulo cobrou lateral para Rômulo, que girou para cima da marcação e bateu no canto, mas Dênis segurou firme. Já no minuto final, Marquinhos cobrou escanteio fechado, Zé Antônio desviou contra o próprio patrimônio e decretou o empate no Scarpelli: 1 a 1, mesmo com o Figueirense jogando com um a mais por cerca de 70 minutos.

Apesar do empate, o Figueirense continua em situação confortável na briga por uma vaga à final. O time tem 27 pontos, na vice-liderança, três atrás da líder Chapecoense, mas com seis de vantagem para o terceiro colocado, o Avaí.

Os times voltam a campo pela Copa do Brasil. Na quarta-feira (14), o Figueirense, que perdeu para o Atlético-MG em casa por 1 a 0, joga no Independência, às 21h45. Já na quinta-feira (15), o Avaí decide a vaga na quarta fase contra o Fluminense, às 21h30. Na ida, o Leão venceu no Rio de Janeiro por 2 a 1.

Marquinhos comemorou com torcida avaiana o gol no fim do jogo (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
Marquinhos comemorou com torcida avaiana o gol no fim do jogo (Foto: Jamira Furlani/Avaí FC)
VAVEL Logo

Figueirense FC Notícias

há 17 dias
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há 2 meses
há 2 meses