Cruzeiro reclama da arbitragem e cutuca rival Atlético-MG: "Tem medo de não classificar"

Vice-presidente de futebol do clube, Itair Machado, criticou a postura do presidente da comissão de arbitragem da Federação Mineira de Futebol; Mandatário ainda saiu em defesa dos atletas celestes envolvidos na polêmica do clássico

Cruzeiro reclama da arbitragem e cutuca rival Atlético-MG: "Tem medo de não classificar"
Foto: Reprodução

O Cruzeiro oficializou uma reclamação contra a arbitragem do Campeonato Mineiro, nesta segunda-feira (12), na Federação Mineira de Futebol (FMF). Por meio de seu vice-presidente de futebol, Itair Machado, o clube celeste apontou alguns erros cometidos pelos árbitros durante jogos da Raposa e se queixou da postura de Giuliano Bozzano, presidente da comissão de arbitragem da FMF, por conta de um lance polêmico envolvendo o zagueiro Léo, do Cruzeiro, no clássico. 

Em entrevista coletiva na sede da Federação Mineira de Futebol, Itair Machado confessou que, se fosse por ele, o assistente Guilherme Dias Camilo não seria retirado das escalas da competição. O árbitro foi punido pela FMF por não assinalar o impedimento no gol de empate do Patrocinense, em partida contra o Cruzeiro.  

"Até explanei para eles que o sinal que a coisa está ruim é o nosso melhor bandeira do Brasil errar duas vezes consecutivas. Acredito muito na honestidade dele. Eu, por mim, até a torcida é contra o que vou falar, não iria ter punição no lance. Era um lance, jogador está voltando e em em um espaço curto. Dá para errar. Acredito que aquele lance que teve no clássico Atlético e América, é lance passivo para erro. Eu acredito muito na arbitragem, mas infelizmente a pressão que teve fez com que a arbitragem errasse mais. Eu, Itair, não puniria por ser o melhor bandeira do Brasil, e todos nós temos direito a erro. O Cruzeiro enviou um ofício, logo após o jogo contra o Atlético-MG, demonstrando à Federação que não estávamos satisfeitos com arbitragem de modo geral. O Cruzeiro não vai aceitar pressão. Aprendi com meu amigo Eduardo Maluf que dizia: monta time bom e não preocupa com arbitragem. Mas não é o que está acontecendo", disse.

Itair Machado ainda aproveitou a situação para cutucar o rival Atlético-MG. Sem citar nomes, o mandatário celeste afirmou que uma grande equipe havia feito pressão na arbitragem para conseguir a classificação para a próxima fase do Campeonato Mineiro. 

"O Cruzeiro não precisa fazer pressão em um campeonato que classificam oito para ficar entre os oito" - Itair Machado

"Quem mais está errando são os bandeiras. São erros propositais? Acredito que não. Mas são erros, principalmente nos últimos, que foram cedidos por pressão. O Cruzeiro não precisa fazer pressão em um campeonato que classificam oito para ficar entre os oito. O Cruzeiro não precisa. Por isso esperamos a fase de classificação terminar para reclamar. Fazer pressão antes na arbitragem, com o campeonato que classificam oito, com medo de não classificar entre os oito, sendo time grande. O Cruzeiro não tem essa preocupação, e nunca vai ter. Viemos dizer que a arbitragem não está boa, que agora serão jogos decisivos. Será outro campeonato", assegurou.

Solução viável: arbitragem de fora

Para resolver os problemas do apito, o Cruzeiro estuda propor a inclusão de árbitros de fora da FMF. Mas, antes da decisão final, a cúpula celeste fará uma reunião com o técnico Mano Menezes. 

"Amanhã, vamos reunir com a comissão técnica. Há essa possibilidade, sim. Primeiros viemos saber o projeto da Federação para os jogos. Pelo que vimos no sorteio, vão ser três jogos muito difíceis. O campeonato está em um bom nível. Então, acredito que eles terão dificuldade para escalar os árbitros", esclareceu.

Punição no superclássico e crítica à FMF

No clássico, o técnico Mano Menezes e os atletas Léo e Edílson foram denunciados pelo TJD por conta de atitudes anti desportivas na partida contra o Atlético-MG. Itair Machado defendeu os cruzeirenses e, segundo ele, o zagueiro Léo não agrediu o atacante Ricardo Oliveira. O vice-presidente de futebol celeste ainda criticou a postura de Giuliano Bozzano. 

"O Léo, na questão do contexto, você acha que ele agrediu. Mas o Léo não agrediu. O movimento do corpo do atacante do Atlético-MG com o Léo, que estavam se chocando, deu a entender isso.O Léo, se você pegar o currículo do Léo, você vê que ele não é um agressor. O principal motivo da gente aqui, e já havíamos enviado um ofício, foi que o presidente da comissão de arbitragem, depois do jogo, ele deu entrevista já punindo o Mano e o Léo. Não é ele que tem que falar e fazer. Federação tem Tribunal e de qualidade. Isso também a gente reclamou. Presidente não tem que dar opinião. Isso também deixou o Cruzeiro insatisfeito", concluiu.