Avaí e Brusque empatam sem gols e ampliam jejum de vitórias no Catarinense
Foto: Frederico Tadeu/Avaí FC

Avaí e Brusque empatam sem gols e ampliam jejum de vitórias no Catarinense

Diante de um diminuto público na Ressacada, equipes chegaram a seis jogos sem vitórias no Estadual; Brusque mantém risco de rebaixamento

bruno-da-silva
Bruno da Silva
AvaíAranha; Tiago Cametá, Alemão, Betão, João Paulo; Luan, Lourenço (Marcinho, intervalo); Alisson (Beltrán, intervalo), Marquinhos (Rafinha, min. 16/2ºt), Luanzinho; Getúlio. Técnico: Claudinei Oliveira
BrusqueAndré Luis; Carlos Alberto, Cleyton, Douglas Silva, Neguette; Valkennedy (Dakson, min. 36/2ºt), Bidía (Luizinho, min. 30/2ºt); Jean Dias, Adãozinho, Anderson Safira (Wilson Júnior, min. 19/2ºt); Jefferson Renan. Técnico: Pingo
ÁRBITROBráulio da Silva Machado, auxiliado por Neuza Inês Back e Clair Dapper. Amarelos: Cleyton, Neguette (BRU)
INCIDENCIASPartida válida pela 17ª rodada do Campeonato Catarinense 2018, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, SC. Público: 895 torcedores; Renda: R$ 13.780,00

O jogo valia pouco para o Avaí, a torcida compareceu em pequeno número, e o time ficou no 0 a 0 contra o Brusque, em jogo válido pela penúltima rodada do Campeonato Catarinense. O Leão agora chega à sexta partida consecutiva sem vitórias no estadual, assim como o time do Vale do Itajaí.

O primeiro tempo foi de poucas chances na Ressacada. O Avaí, com várias alterações e com a volta do capitão Marquinhos, teve poucas alternativas para entrar na defesa do Brusque, que achou melhor os espaços e chegou com mais perigo. Aos 14, Marquinhos bateu falta lateral na segunda trave e Getúlio subiu para desviar, mas mandou por cima.

Pouco inspirado, o Avaí não exigiu grande trabalho do goleiro André Luis viu o Brusque assustar em cima da sua fragilidade: a bola aérea defensiva. Aos 27, após lançamento de Adãozinho, Carlos Alberto invadiu a área e tocou de cabeça, porém jogou à esquerda. Seis minutos depois, em jogada individual pela direita, Jefferson Renan trouxe para dentro e bateu rasteiro, mas Aranha segurou firme a última boa chance da primeira etapa.

Insatisfeito com o rendimento do seu time na primeira etapa, o técnico Claudinei Oliveira promoveu a entrada do volante Marcinho e do centro-avante e estreante Beltrán, mas o Avaí continuou pouco criativo. A equipe tentou buscar o atacante paraguaio, mas, apesar do jogador conseguir alguns bons pivôs, nada muito perigoso foi criado pelo atacante avaiano.

Claudinei ainda tirou Marquinhos para a entrada de Rafinha, mas também foi pouco efetivo. O técnico Pingo modificou o Brusque com alterações ofensivas no meio-campo, mas o time desperdiçou alguns contra-ataques que poderiam ser perigosos.

A primeira boa chance da segunda etapa só veio aos 36. Em falta lateral cobrada por Cametá, Alemão subiu mais alto que a defesa e tocou de cabeça, mas André Luis esticou-se e salvou a bola que entraria no ângulo. Quatro minutos depois, após jogada individual pela direita, Jefferson Renan cruzou para trás, Alemão tirou e, no rebote, Dakson bateu de primeira, mas o zagueiro do Avaí apareceu outra vez para cortar a bola da direção do gol. 

A chuva na reta final não ajudou muito no desenvolvimento no final do jogo, e as tentativas do Avaí de chegadas em bolas levantadas foram ineficientes, e o time mais uma vez não conseguiu buscar uma vitória diante do seu torcedor.

Beltrán estreou pelo Avaí, mas não conseguiu tirar o zero do placar (Foto: Frederico Tadeu/Avaí FC)
Beltrán estreou pelo Avaí, mas não conseguiu tirar o zero do placar (Foto: Frederico Tadeu/Avaí FC)

Com 23 pontos, o Avaí ocupa o 5º lugar do Catarinense. Na última rodada, o Leão recebe a finalista Chapecoense, no domingo (1º/4), às 16h. Já o Brusque é o 7º, com 19, três pontos a frente do Inter de Lages, primeiro time dentro da zona de rebaixamento e seu rival na derradeira partida do Catarinense. Um empate no Estádio Augusto Bauer garante o time mais uma vez na elite.

VAVEL Logo