Campeón: com estrangeiros protagonistas mais uma vez, Botafogo conquista o Rio

Últimos três títulos cariocas do clube alvinegro tiveram gringos como destaque

Campeón: com estrangeiros protagonistas mais uma vez, Botafogo conquista o Rio
(Vitor Silva/ SS Press/ Botafogo)

De El Loco Abreu a Joel Carli, os gringos comandaram os últimos três títulos cariocas do Botafogo. Famosos pela raça, argentinos e uruguaios fizeram história com a camisa alvinegra e caíram na graça do torcedor por serem os principais responsáveis pelas vitórias nos campeonatos. Além disso, o clube também contou com a presença de um holandês ilustre para levantar mais um caneco.

Em 2010, o ataque titular na final da Taça Rio contra o Flamengo era formado por Germán Herrera e Loco Abreu, argentino e uruguaio respectivamente. O Botafogo quebrou um tabu de três anos consecutivos de derrota em finais para o time da Gávea com uma vitória de 2 a 1 onde um lance se eternizou no pensamento dos torcedores. Aos 23 minutos do primeiro tempo, Herrera abriu o placar convertendo pênalti, mas Vagner Love empatou nos acréscimos. Na segunda etapa, aos 27 minutos, a cavadinha de Loco Abreu explodiu o Maracanã garantindo o título carioca ao Botafogo, pois ganhou os dois turnos. 

Em 2013, Nicolás Lodeiro e Clarence Seedorf, mesmo perdendo um pênalti, comandaram a vitória sobre o Fluminense por 1 a 0 em Volta Redonda, válida pela Taça Rio. O gol foi marcado por Rafael Marques. Como o alvinegro também ganhou a Taça Guanabara, o título carioca veio para General Severiano. Lodeiro, uruguaio conhecido pela disposição, foi peça importante no ano que o alvinegro terminou o Campeonato Brasileiro em quarto lugar. Seedorf chegou para ser o ídolo do Botafogo e correspondeu com o seu talento inegável e liderança, além de aumentar a imagem do clube.

Em 2018 não foi diferente. Joel Carli e Gatito Fernandez foram os principais destaques da vitória por 1 a 0 diante do Vasco. O zagueiro, argentino e capitão, chegou ao clube desconhecido após uma boa temporada no Quilmes da Argentina e se tornou peça fundamental na defesa e na conquista do título marcando um gol aos 49 minutos do segundo tempo, levando a decisão para os pênaltis. Nas penalidades apareceu o outro herói da torcida alvinegra: o paraguaio Gatito. O goleiro defendeu as cobranças de Werley e Henrique e sagrou o Botafogo como campeão carioca.