Apesar do bom início de temporada, Desábato projeta força máxima nos próximos jogos

Voltante cruzmaltino, que foi eleito um dos melhores volantes do Carioca, já pensa nos próximos jogos, depois da perda do título estadual

Apesar do bom início de temporada, Desábato projeta força máxima nos próximos jogos
(Foto: Paulo Fernandes/Vasco da Gama)

Única contratação do Vasco da gama para este começo de temporada, Leandro Desábato chegou com poucos alardes, mas rendeu frutos ao Gigante da Colina. Com boas atuações, o volante tomou conta da posição, ganhou espaço no coração do torcedor vascaíno e também no time da seleção do Campeonato Carioca de 2018.

“A verdade é que todos me receberam da melhor maneira, me deixaram tranquilo. Isso influenciou muito para que eu pudesse colocar em prática meu jogo. A confiança dos companheiros, comissão técnica, meu desempenho, fui me sentindo melhor e mais confiante. Conquistei jogo a jogo. É uma emoção grande ser escolhido para a seleção do Carioca", disse o volante de 27 anos.

Com o fim do Carioca, o Vasco tem pela frente dois confrontos importantes para o seguimento da temporada. No domingo, o expresso da vitória recebe o Atlético-MG, em São Januário e, depois, vai à Argentina para enfrentar o Racing, válido pela Libertadores da  América. Para o jogador, não só esses, mas todos os jogos do Vasco no ano serão de extrema importância.

“Vão ser jogos difíceis. Mas temos agora a cabeça no jogo de estreia do Brasileiro, e só depois pensaremos no Racing. Todos os jogos que fazemos com a camisa do Vasco são importantes, e vamos dar nosso melhor”, explicou o atleta que tem o Vasco como seu segundo clube na carreira.

Mesmo com uma idade já não tão jovial para o futebol, Desábato tem apenas dois clubes em seu currículo, o jogador foi revelado pelo Vélez Sarsfield e só jogou pelo clube argentino antes de chegar ao Vasco. Perguntado sobre a comparação entre o futebol brasileiro e dos “hermanos”, o volante disse que no Brasil a técnica prevalece mais do que a correria, característica do futebol do país do jogador. “O futebol no Brasil é diferente se comparado com o da Argentina. Lá é mais agressivo, se corre mais. Aqui se joga mais, é isso que caracteriza o futebol brasileiro”, finalizou o atleta.