Guia VAVEL do Brasileirão 2018: Paraná

De volta ao primeiro escalão do futebol brasileiro o clube tem sua missão definida: ficar na série A

Guia VAVEL do Brasileirão 2018: Paraná
Arte: Rodrigo Rodrigues / Vavel Brasil

O Paraná Clube retornará a primeira divisão do Campeonato Brasileiro após nove anos longe da elite. Depois do período mais turbulento da sua historia, o Tricolor da Vila se reestruturou na temporada de 2017 e resgatou a autoestima do torcedor paranista , que viveu esse período sob a ameaça de o Paraná Clube fechar as portas devido às gestões ruins ao longo do tempo. O torcedor que chorou com a queda no fim do ano de 2007 aguarda com muita expectativa por esse retorno.

O inicio de temporada preocupa

Foto: Divulgação / Paraná
Foto: Divulgação / Paraná

Com um aproveitamento nos primeiros três meses de 47,6%, o pior entre os participantes da serie A. A expectativa do torcedor paranista é que o período maior de preparação por conta da eliminação na semifinal da taça Caio Junior, segundo turno do campeonato paranaense ajude a entrosar a equipe.

Foram cinco vitorias desde o inicio da temporada, quatro sob o comando de Rogério Micale no segundo turno do estadual. A lanterna e consequente eliminação no primeiro turno do paranaense não foram as únicas decepções do inicio de temporada do tricolor da Vila Capanema. Derrotado na segunda fase da Copa da Brasil pelo Sampaio Correia o Paraná se despediu precocemente da competição nacional.

Acumulando resultados ruins no inicio de temporada a diretoria se viu obrigada a demitir Wagner Lopes e contratar o técnico campeão olímpico com a Seleção Brasileira, Rogério Micale.

Reforços experientes

Foto: Divulgação / Paraná
Foto: Divulgação / Paraná

O Paraná segue muito ativo no mercado para reforçar a equipe visando o Campeonato Brasileiro. A comissão técnica espera criar uma espinha dorsal da equipe com jogadores mais experientes do que aqueles que disputaram o estadual. Isso ficou evidente nas ultimas contratações. Na defesa da equipe o ultimo reforço foi Cleber Reis que chega para ser o xerife do time. O atleta jogou no Coritiba em 2017 e estava no Santos. O zagueiro de 27 anos também tem passagens pelo  Corinthians e no futebol alemão.

Jesiel de 24 anos também reforça a defesa do time. Caio Henrique tem muita expectativa a sua volta. Apesar da pouca a idade,apenas 20 anos a experiência no futebol europeu anima o torcedor do Paraná. O atleta estava na equipe B do Atlético de Madrid da Espanha. O ataque foi o setor com maior numero de reforços; Luan Viana veio do futebol árabe e ficou fora do estadual, agora com a situação regularizada reforça o ataque da equipe.

Léo Itaperuna, revelado na base do Fluminense estava no futebol paulista, na equipe do São Bento, o atleta atuou no futebol Suíço e sul coreano e é mais um com vasta experiência. O outro reforço para o ataque é Sylvinho, jogador formado na base do Corinthians estava na Ponte Preta. Alem de ter atuado na Áustria o jogador passou por diversos clubes brasileiros entre eles o São Paulo e Criciúma onde atuou na A  temporada de 2017.

Uma temporada de 2017 para recuperar prestigio

Foto: Divulgação / Paraná
Foto: Divulgação / Paraná

O tricolor da Vila Capanema reconquistou sua torcida, reestruturou o clube. A boa temporada e o retorno a serie A do Campeonato Brasileiro 10 anos depois do fatídico jogo conta o Vasco reaproximou o torcedor, que chegou a bater o recorde de público da Arena da Baixada, casa do Atlético-PR. Foram 39. 414 pagantes na partida contra o Internacional. O segundo maior público da historia do clube. O recorde foi contra o Corinthians em 1994 no Couto Pereira, 41,995 pessoas assistiram o empate em 0x0.

Empurrado pela sua torcida, o Paraná conquistou o acesso. Os 64 pontos conquistados concederam ao time o quarto lugar da serie B do campeonato Brasileiro, conquistando assim o direito de disputar a serie A do Campeonato Brasileiro de 2018  depois de quase cair pra serie C. Com planejamento e contando com apoio da sua torcida o tricolor da Vila Capanema retorna a elite com muita expectativa.

Jovialidade e experiencia no 4-3-3 de Micale

É um time recheado de jovens jogadores que buscará apagar a péssima imagem deixada no estadual. Alguns atletas que chegaram após o Campeonato Paranaense deixa claro que o Tricolor da Vila será um time que, por características do seu técnico, Rogério Micale, pensará mais no controle de posse de bola. No mais não se deve esperar que o Paraná alcance grandes coisas.

Ficar na Série A é a primeira e principal meta do time. Dos 31 jogadores que compõe o elenco, 18 farão sua estreia na primeira divisão do futebol nacional. Alguns reforços que chegaram recentemente ao clube tem por características a experiência. A tentativa é encontrar um equilíbrio de jovialidade e experiência. Com todo sofrimento durante o período longe da elite, o torcedor do Paraná quer permanecer na Série A.

O esquema 4-3-3 deve ser mantido, com nomes mais experientes, diferente do estadual: Richard; Alemão, Cleber Reis, Rayan e Mansur; Wesley Dias, Caio Henrique e Carlos Eduardo; Léo Itaperuna, Luan Viana e Raphael Alemão.

Escalação

Qualidade de Carlos Eduardo é trunfo para Tricolor da Vila

Foto: Geraldo Bubniak
Foto: Geraldo Bubniak / Paraná

Contratado para ser a referencia técnica do Paraná na temporada, Carlos Eduardo alia a técnica que sempre o acompanhou com experiência. O jogador de 30 anos que foi formado no Grêmio, tem passagens por; Flamengo e Atlético-MG, já atuou no futebol Russo pelo Rubin Kazan e no Hoffenheim na liga Alemã.

Apesar de não ter feito um bom inicio de temporada assim como toda a equipe do Paraná, o atleta continua sendo a grande aposta para alcançar os objetivos propostos pelo cube. Com a chegada de cinco reforços para o inicio do Campeonato Brasileiro, a equipe que atuou no estadual deve ter alterações. Com isso, o atleta poderá dividir responsabilidades dentro da equipe. 

De olho na joia paranista

Foto: Rodrigo Sanches / Paraná
Foto: Rodrigo Sanches / Paraná

Considerado uma joia pela comissão técnica e direção do clube, o atleta Jhonny Lucas de 18 anos, conquistou espaço no time após a chegada do treinador Rogério Micale que o colocou como titular em alguns jogos. As boas atuações do jovem meio campista chamaram a atenção do treinador da seleção Brasileira sub-20, Carlos Amadeu que convocou o atleta paranista para dois amistosos. Desde os seis anos de idade no clube o jogador agora terá uma oportunidade de jogar a elite do futebol brasileiro pelo clube que passou boa parte da sua vida.

Rogério Micale trouxe esperança

Foto: Rodrigo Sanches / Paraná
Foto: Rodrigo Sanches / Paraná

Comandado por Rogério Micale desde o inicio da Taça Caio Junior, segundo turno do campeonato paranaense, o Tricolor da Vila teve um rendimento melhor do que o do primeiro turno onde conquistou apenas uma vitoria em seis jogos e foi lanterna sob o comando de Wagner Lopes. Com Micale a equipe chegou a semifinal, em cinco partidas o cube saiu vitorioso em quatro, apesar da eliminação para o Londrina na semifinal do segundo turno, a melhora no rendimento desde a chegada de Micale faz o torcedor acreditar em uma boa campanha no Brasileirão 2018.

A charmosa Vila Capanema

Foto: Divulgação / Paraná
Foto: Divulgação / Paraná

A Vila Capanema será a casa do Paraná Clube na competição. Fundado em 1947 e com capacidade para 20 mil pessoas, o estádio é onde o torcedor do Paraná se sente em casa e apesar de ter batido recorde de publico da Arena da Baixada na temporada passada, o clube quer continuar com uma boa relação com sua torcida e transformar a Vila Capanema num verdadeiro caldeirão.