Cruzeiro vira contra Atlético-PR fora de casa e sai em vantagem na Copa do Brasil

Furacão sai em vantagem no primeiro tempo, mas Raposa demonstra forças mesmo longe de seus domínios e garante vitória

Cruzeiro vira contra Atlético-PR fora de casa e sai em vantagem na Copa do Brasil
Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro
Atlético-PR
1 2
Cruzeiro
Atlético-PR: Santos; Pavez, José Ivaldo e Thiago Heleno; Matheus Rossetto, Camacho, Lucho González (Bruno Guimarães, min. 74) e Carleto; Raphael Veiga (Matheus Anjos, min. 66), Bérgson (Marcinho, min. 87) e Pablo. Técnico: Fernando Diniz
Cruzeiro: Fábio; Romero, Dedé, Léo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Rafinha (Mancuello, min. 74), Robinho e Arrascaeta (Rafael Sóbis, min. 78); Sassá (Raniel, min. 63). Técnico: Mano Menezes
Placar: 1-0, min. 41, Carleto; 1-1, min. 79, Henrique; 1-2, min. 92, Raniel
ÁRBITRO: Péricles Bassols Pegado Cortez (PE). Cartões amarelos: Egídio (min. 18), Bérgson (min. 72) e Camacho (min. 76)
INCIDENCIAS: Partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil 2018, disputada na Arena da Baixada, em Curitiba, no Paraná

Em partida que estava cercada de polêmica por torcida única na Arena da Baixada, em Curitiba, o Atlético-PR recebeu o Cruzeiro pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil 2018 nesta quarta-feira (16) à noite. Mesmo fora de casa, a Raposa demonstrou forças e levou a melhor ao vencer por 2 a 1, com gols de Henrique RanielCarleto descontou.

A vantagem para a volta é dos cruzeirenses, que podem perder por um gol de diferença no dia 16 de julho no Mineirão, assim como qualquer empate. O Furacão, por outro lado, precisa derrotar acima de dois gols para garantir classificação às quartas de final da competição nacional, tentando seguir rumo ao título inédito.

Furacão é mais eficiente e sai em vantagem

Em jogo que começou com poucas oportunidades claras, as equipes se estudaram bastante antes de chegar com perigo no setor ofensivo. No entanto, a primeira boa chance criada foi do Atlético, quando Matheus Rosseto recebeu após jogada pelo meio e chutou de fora da área para boa defesa de Fábio.

O Cruzeiro, porém, não desacreditou e foi para cima tentando sair em vantagem no marcador. Depois de bola levantada na pequena área, na medida, Sassá subiu mais que os defensores e cabeceou bem próximo da meta. Em seguida, Arrascaeta conduziu pela esquerda e cruzou sem direção ao invés de mandar para Robinho.

Furacão saiu em vantagem no intervalo sobre Raposa com gol de Carleto (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)
Furacão saiu em vantagem no intervalo contra a Raposa com gol de Carleto (Foto: Miguel Locatelli/Atlético-PR)

Buscando tirar proveito do fator casa, o Furacão voltou a pressionar e, por isso, saiu à frente no placar. Se em lance trabalhado o rubro-negro não obteve eficiência, o melhor momento foi através da bola parada. O lateral-esquerdo Carleto bateu falta venenosa e com muito efeito, sem dar possibilidade de defesa ao camisa 1 cruzeirense.

Pouco tempo depois, os atleticanos voltaram a balançar as redes, mas a arbitragem impugnou corretamente. Em tiro livre levantado na área, Thiago Heleno desviou para segunda trave e Zé Ivaldo apareceu para completar. O árbitro, contudo, invalidou ao assinalar impedimento do defensor.

Raposa marca duas vezes e sai em vantagem

Na etapa final, os treinadores optaram por não promover mudanças e, ainda assim, foram os anfitriões que atacaram buscando assinalar seu segundo tento. Em cobrança de escanteio na área, Pablo desviou com a tentativa de surpreender e mandou muito próximo à trave de Fábio, que apenas observou a trajetória.

A Raposa não abdicou de atacar mesmo em desvantagem e ficou perto do empate. Arrascaeta fez grande lance individual pelo lado esquerdo e cruzou com perfeição na cabeça de Sassá que, adiantado, cabeceou mal e emendou por cima da meta adversária, desperdiçando assim um bom momento.

Mineiros mostram mais eficiência nas finalizações e conseguem virada (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)
Cruzeirenses mostraram mais eficiência nas finalizações e conseguiram virada (Foto: Vinicius Silva/Cruzeiro)

Para recuperar o fôlego ofensivo, Mano Menezes promoveu a entrada de RanielMancuello Rafael Sóbis para os lugares de Sassá, Rafinha e Arrascaeta, respectivamente. A primeira boa oportunidade depois de realizar as substituições demonstrou maior vontade dos celestes, que chegaram à igualdade. Henrique arrematou da intermediária, desviou em Thiago Heleno e enganou Santos, morrendo no fundo do barbante.

Nos minutos finais, Fernando Diniz colocou Marcinho na vaga que era de Bérgson, entretanto quem conseguiu balançar as redes foi a equipe mineira. Após lançamento direto da defesa, Raniel ganhou da defesa e invadiu a área, saindo de frente para Santos. O atacante não titubeou e finalizou na rede, garantindo o triunfo celeste.