Mesmo com derrota, Paquetá avalia positivamente Botafogo: "Importante foi a luta"
Foto: Vitor Silva/ SS Press/ Botafogo

O clássico carioca foi resolvido em dois lances, com menos de três minutos. A vitória do Flamengo por 2 a 0 sobre o Botafogo acendeu o alerta de Marcus Paquetá. Em seu segundo jogo oficial à frente do Alvinegro, o treinador do falou sobre bola parada, Gatito e a expulsão de Aguirre em coletiva após o jogo desse sábado (21).

“É sempre difícil sair atrás muito cedo, isso te faz buscar o resultado, sair para o jogo, se abrir e dar espaços. Foram dois gols em dois minutos. A diferença é brutal. Até o emocional do jogador fica abalado. Não houve pressão na bola, e isso facilitou o jogo do Flamengo, que tem jogadores de qualidade. Tentamos fazer uma marcação, ela não encaixou e corrigimos no intervalo. Acho que jogadores foram briosos, se entregaram no final. O ponto importante foi a luta.”

Atrás no placar, o Botafogo agredia pouco. A melhor chance veio nos minutos finais da partida numa cabeçada de Luiz Fernando. Por isso, Paquetá acredita que a equipe precisa melhorar na saída do contra-ataque e na transição. “Tem muita coisa para consertar e evoluir. A equipe amadureceu, e eu também, em relação aos jogadores”, afirmou o comandante.

Aguirre em disputa de bola no clássico. Foto: Vitor Silva/ SSPress/ Botafogo
Aguirre em disputa de bola no clássico. Foto: Vitor Silva/ SSPress/ Botafogo

Numa das substituições, Jean deu lugar a Aguirre e o uruguaio chegou a protagonizar bela jogada, mas deixou sua pior marca aos 47 minutos. O atacante recebeu cartão vermelho direto após dar carrinho forte em Pará e desfalca o Botafogo no jogo da próxima quinta-feira (26), contra a Chapecoense, no Estádio Nilton Santos. Ao falar sobre a expulsão, Paquetá afirmou que o jogador pode não estar acostumado ao estilo do futebol brasileiro e não concordou com a atitude da arbitragem. 

“Ele é agressivo por natureza. Joga um futebol de força, de trombada e luta. Talvez aqui não estejamos acostumados com isso. Esse tipo de falta não é nem para falta ou para amarelo na Itália e aqui foi vermelho. Ele tem que ter um controle emocional maior, temos que controlar essa ansiedade. Nós estudamos os árbitros, e eles também estudam. Árbitro sabe a característica de cada jogador. Talvez ele tenha pesado nisso.”

Além do resultado ruim, o lance do segundo gol trouxe outra preocupação para o Alvinegro. No choque com Lucas Paquetá, Jefferson teve um trauma no tórax, segundo a assessoria do clube. Saulo foi acionado e agradou o treinador, que afirmou que o goleiro é um menino muito promissor. Já Gatito segue no departamento médico, em recuperação de lesão no punho. Marcus Paquetá acredita que o paraguaio esteja apto para voltar a treinar com bola em torno de duas semanas e afirmou que o atleta está se recuperando bem.

A noite desse sábado teve apenas dois jogos da 14ª rodada do Campeonato Brasileiro e, assim, o Botafogo permanece como o 10º colocado, com 17 pontos somados, e uma vaga no G6 segue sendo o objetivo principal da equipe. “Sabíamos que tínhamos dois jogos difíceis e fora de casa [contra Corinthians e Flamengo]. Foram tratados com muita atenção e carinho. O campeonato é jogo a jogo. Nossa meta é ficar na faixa da Libertadores”, concluiu Marcus Paquetá.

VAVEL Logo