Análise: Como Felipão pode reconquistar o futebol brasileiro após 7 a 1 e passagem na China?

Luiz Felipe Scolari retorna ao Palmeiras após seis anos, porém ele ainda não é bem visto após o 7 a 1 e ter ido pra China

Análise: Como Felipão pode reconquistar o futebol brasileiro após 7 a 1 e passagem na China?
Felipão retorna após 6 anos para o Palmeiras, em sua terceira passagem pelo clube (Foto: Palmeiras/Divulgação)

 Quatro anos após uma das derrotas mais acachapantes da história da Seleção Brasileira, se não for a maior derrota da história, o copeiro Felipão retorna ao futebol brasileiro, agora para comandar o Palmeiras. O técnico de 69 anos volta ao clube onde tem uma grandiosa história, onde conquistou títulos e o amor da torcida. Com uma Libertadores, duas Copas do Brasil, um torneio Rio-São Paulo e uma Copa Mercosul, sua volta ao Palmeiras foi muito comemorada pela torcida. Felipão vem para o cargo que anteriormente era de Roger Machado.

Mas, como o título já diz, como reconquistar o futebol brasileiro após um 7 a 1 sofrido para a Alemanha e se tornar treinador de um clube em um campeonato tão escondido do público brasileiro? Os desafios de Luiz Felipe Scolari não são apenas dentro do Palmeiras e sim no futebol nacional como um todo.

Na China, pelo Guangzhou Evergrande, o técnico conseguiu expressivos números de jogos e títulos: São 113 jogos, com 70 vitórias, 28 empates e apenas 15 derrotas. Lá Felipão conquistou 7 títulos em 3 anos de trabalho: 3 Campeonatos Chineses (2015, 2016 e 2017), uma Liga dos Campeões da AFC (2015), uma Copa da China (2016) e duas Supercopas da China (2016 e 2017). Esses números mostram que o técnico, após 7 a 1, esteve em bom desempenho fora do país. Mas esse desempenho não é reconhecido, por conta da distância e falta de conhecimento sobre o futebol que acontece na China. Então chegamos ao ponto de, quando se fala sobre Felipão, se fala sobre o 7 a 1.

Voltando ao questionamento principal desse texto: Como reconquistar o futebol brasileiro? Scolari terá a oportunidade da vida para poder fazer isso no Palmeiras, em sua terceira passagem pela equipe. É um clube com o qual já é identificado, está nas graças da torcida sem nem mesmo estar no Brasil e terá um desafio à altura de seu currículo: a Taça Libertadores. Título esse que Felipão já conquistou com o clube, em 1999.

Conquistar esse título, e quem sabe outros mais que o Palmeiras disputa em 2018, seria a forma perfeita de mostrar que, mesmo sendo contestado após uma das derrotas mais emblemáticas de sua seleção, Felipão ainda sabe o que faz e ainda pode comandar uma equipe de primeiro nível do futebol brasileiro. Uma conquista continental mostraria que Felipão ainda é o místico técnico que deu ao Palmeiras uma das maiores glórias de sua história. Mostraria que o técnico do Penta não é ultrapassado. Mostraria toda a força de um dos técnicos mais vitoriosos da história do futebol mundial.

Além de todos os desafios dentro do Palmeiras, reconquistar o futebol de seu lugar de nascença é, talvez, um dos maiores desafios da história da carreira de Felipão. Mas são nesses tipos de desafio que Scolari construiu sua carreira vitoriosa e copeira. Nesse tipo de desafio que os grandes aparecem. Nesse tipo de situação, Felipão pode mostrar se seu tempo já passou, o se ele ainda é um dos maiores técnicos da história do futebol canarinho.