Em jogo marcado por confusão, expulsões e gol no fim, Criciúma e Atlético-GO empatam pela Série B
Vitor Feijão foi o responsável por deixar tudo igual nos acréscimos (foto: Divulgação/Criciúma EC)

Em jogo marcado por confusão, expulsões e gol no fim, Criciúma e Atlético-GO empatam pela Série B

Dois jogadores de cada lado levaram cartão vermelho; João Paulo marcou para o Atlético, mas no apagar das luzes Vitor Feijão empatou no Heriberto Hülse

gustavomilioli
Gustavo Milioli
CriciúmaBelliato; Carlos Eduardo (Andrew), Nino; Liel e Marlon; Jean Mangabeira, Marlon Freitas, Eduardo e Elvis (Alex Maranhão); Joanderson (Zé Carlos) e Vitor Feijão. Técnico: Mazola Júnior
Atlético-GOJefferson; Jonathan, Gilvan, Oliveira e Bruno Santos; Pedro Bambu, Rômulo e João Paulo (Fernandes); Junior Brandão, Júlio César (André Luis) e Renato Kayser (William Alves). Técnico: Cláudio Tencati
Placar0-1, 24'/2T, João Paulo. 1-1, 50'/2T, Vitor Feijão
ÁRBITRORodrigo Carvalhães de Miranda, auxiliado por Wendel de Paiva Gouvea e Diogo Carvalho Silva, todos do Rio de Janeiro. Expulsões: Marlon e Zé Carlos (CRI), Gilvan e Junior Brandão (ACG)
INCIDENCIAS20ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, no estádio Heriberto Hülse, em Criciúma/SC. Público total: 4151 pessoas

Criciúma e Atlético-GO travaram um duelo daqueles no estádio Heriberto Hülse. Num jogo bastante movimentado, com bolas na trave, expulsões e lances polêmicos, o placar final apontou empate em 1 a 1. Bom para os visitantes, que permanecem no G-4 da Série B, e para o Tigre, que soma um ponto importante na luta contra o rebaixamento.

O equilíbrio marcou o confronto do início ao fim. Após um primeiro tempo zerado, os times voltaram para a segunda etapa determinados a mudar a história da partida. João Paulo abriu o placar para o Dragão aos 25, e Vitor Feijão, nos últimos instantes, aos 50, conseguiu a igualdade.

Com ambos jogando de maneira ofensiva, o jogo ficou muito agradável de se assistir no primeiro tempo. Júnior Brandão, o artilheiro da Série B com 9 gols, teve ótima chance de abrir o placar já aos 15 minutos. Ele recebeu lançamento de João Paulo, invadiu a área pela esquerda, mas viu Belliato fechar bem o ângulo para salvar o Criciúma.

A resposta do Tigre não demorou. Aos 17, Elvis, com espaço na entrada da meia lua da grande área, finalizou rasteiro exigindo intervenção de Jefferson.

O jogo era lá e cá. A primeira polêmica aconteceu com 25 minutos. Num cruzamento para a área carvoeira, Junior Brandão desviou de cabeça, a bola bateu na mão de Marlon e depois na trave. Mesmo com pedidos de pênalti, o árbitro marcou apenas escanteio.

Na metade final da primeira etapa o Atlético buscava uma pressão, mas em rápido contra-ataque pelo lado direito, Marlon Freitas chutou com efeito, vendo Jefferson rebater de manchete para não se complicar.

A melhor chance do time da casa aconteceu apenas aos 45 minutos de jogo. Carlos Eduardo foi à linha de fundo, fez preciso cruzamento para Vitor Feijão chegar batendo de primeira, próximo à pequena área, mas o atacante falhou na pontaria. Os times foram para o intervalo com o placar zerado.

Na volta do vestiário a tônica da partida se manteve parecida, as equipes continuavam em busca do gol. Com 7 minutos, Marlon, após passe de Elvis, cortou para o pé direito e finalizou colocado. A bola caprichosamente beliscou o travessão de Jefferson e saiu pela linha de fundo.

Aos 15, Julio César rolou para Júnior Brandão dentro da área, o centroavante exagerou na força e chutou por cima do gol de Belliato.

O susto fez o Criciúma passar a tentar pressionar o adversário. Marlon, mais uma vez acionado pela esquerda, cruzou buscando Zé Carlos próximo ao gol. O goleiro rubro-negro se esticou para impedir que o centroavante pudesse chegar à bola.

Logo após, Zé Carlos caiu na área e foi a sua vez de pedir pênalti depois de dividida com Oliveira. O juiz mandou o jogo seguir.

Naquele que parecia ser o melhor momento do Tigre, o Atlético abriu o placar. Aos 25, Renato Kayser escapou pela direita e chutou cruzado, Belliato espalmou justo onde estava João Paulo, o meia em um belo voleio abriu o placar para os visitantes no Heriberto Hülse: 1 a 0.

O Criciúma nos primeiros minutos de revés sentiu o gol sofrido e viu o Atlético passar trabalhar a bola no campo de ataque. Apenas aos 33, o time catarinense voltou a chegar à frente com perigo. Alex Maranhão, que havia acabado de entrar, mandou uma bomba na trave, trazendo de volta seu time para o jogo.

A partir de então, os jogadores do Atlético-GO passaram a incessantemente pedir atendimentos médicos. Por conta disso, aos 43, houve um grande desentendimento que acabou em quatro expulsões. Jonathan ficou caído no gramado, deixando os tricolores irritados. Zé Carlos e Marlon eram os mais exaltados na confusão, e por isso, levaram cartão vermelho. Do outro lado, Júnior Brandão e Gilvan também foram expulsos, fazendo com que ambos ficassem com nove jogadores em campo.

Pelo grande tempo perdido, o árbitro assinalou oito minutos de acréscimo. O Criciúma se mandou para o ataque até que, aos 50, nos últimos suspiros, Vitor Feijão recebeu de Marlon Freitas e com oportunismo, após tentar duas vezes, deixou tudo igual.

Com o resultado, os goianos permanecem na quarta colocação. Os catarinenses, com o ponto somado, também não perderam posições, mantendo o 14º lugar.

O Criciúma retorna a campo na próxima terça-feira (14), quando enfrentará a Ponte Preta em Campinas. No sábado (18), o Atlético-GO recebe o Coritiba, podendo marcar a reabertura do estádio Antônio Accioly. Ambos os jogos ocorrerão pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B.

VAVEL Logo

Criciúma Notícias

há 8 dias
há 14 dias
há 15 dias
há 17 dias
há 17 dias
há 17 dias
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês
há um mês