Situação e oposição disputam o direito de ser a Chapa Azul nas eleições do Flamengo

Membros dos grupos políticos envolvidos ''madrugaram'' na sede do clube para inscrever as chapas, e duelam pelo direito de serem representados pela cor azul no pleito de novembro

Situação e oposição disputam o direito de ser a Chapa Azul nas eleições do Flamengo
(Fotos: Gilvan de Souza/ Flamengo e Rafael Wallace/ Alerj)

A eleição do Flamengo, oficialmente, será realizada na primeira semana de dezembro. Porém, nessa sexta-feira (31) foi dada a largada para a inscrição das chapas, e já ocasionou a primeira confusão. Membros da antiga Chapa Azul, que terá Ricardo Lomba como candidato, 'madrugaram' na Gávea e chegaram na sede do clube antes das 6h.

Membros da antiga Chapa Verde, que será encabeçada por Rodolfo Landim, chegaram cerca de uma hora depois. Porém, quando a secretaria foi aberta, às 9h, ambos os grupos tentaram ser registrados como o grupo azul, e geraram um grande imbróglio, que só teve um princípio de solução horas depois.

Com o presidente do Conselho de Administração, Bernardo Amaral, viajando, o vice Marcos Braz protocolou a inscrição das duas chapas no mesmo horário, sem definição de qual cor cada uma representaria. O caso será analisado por uma comissão eleitoral, que deverá se reunir na semana que vem.

O estatuto do Rubro-Negro afirma que o grupo que se inscrever primeiro, terá prioridade na escolha da chapa. Além dos dois grupos, uma inscrição já está definida: Chapa Branca, que terá Marcelo Vargas como candidato à presidência.

Azuis e Verdes foram eleitos em 2012, mas começaram a romper ainda no primeiro triênio do mandato. Em 2015, a situação se reelegeu, mas a crise política voltou a desmantelar a diretoria. Cláudio Pracownik, ex-diretor de finanças do clube, foi um dos que deixaram a situação e declarou apoio a Landim.

Após a eliminação na Libertadores, o Flamengo ainda está vivo na Copa do Brasil, e no Campeonato Brasileiro. Pelo Brasileirão,o Rubro-Negro enfrentará o Ceará, no domingo (2) às 11h, no Maracanã. A atual diretoria, presidida por Eduardo Bandeira de Mello, terá a tarefa de blindar o elenco para evitar que o clima político acabe atrapalhando o futebol do clube.