Com expulsão equivocada de Dedé, Cruzeiro perde para o Boca Juniors pelas quartas da Libertadores
Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Com expulsão equivocada de Dedé, Cruzeiro perde para o Boca Juniors pelas quartas da Libertadores

Time celeste pouco exigiu da defesa argentina; Xeneizes aproveitaram as falhas da zaga cruzeirenses; e árbitro da partida gera polêmica com expulsão exagerada

vinisilveiras
Vinícius Silveira
Boca Juniors-ARGAndrada; Jara, Izquierdoz, Magallán e Olaza; Nández, Pablo Pérez (Almendra, aos 39min do 2ºT) e Wilmar Barrios; Zárate (Villa, aos 16min do 2ºT), Benedetto (Tevez, aos 31min do 2ºT) e Pavón. Técnico: Guillermo Barros Schelotto
CruzeiroFábio; Edilson, Dedé, Leo e Egídio; Lucas Silva e Henrique; Robinho, Thiago Neves (Rafael Sobis, aos 23min do 2ºT) e Rafinha (Manoel, aos 39min do 2ºT); Barcos (Raniel, aos 34min do 2ºT). Técnico: Mano Menezes
Placar1-0, min. 35, Zárate e 2-0, min. 81, Perez.
ÁRBITROEber Aquino (PAR). Assistentes: Eduardo Cardozo (PAR) e Juan Zorrilla (PAR). Árbitro de vídeo: Mario Diaz de Vivar (PAR). Assistentes do árbitro de vídeo: Gery Vargas (BOL) e Milciades Saldivar (PAR). Cartão vermelho: Dedé (min. 29).
INCIDENCIASJogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores. Estádio: La Bombonera, em Buenos Aires-ARG. Data: quarta-feira, 19 de setembro de 2018.

Dentro de campo, Boca Juniors e Cruzeiro fizeram um bom espetáculo no Estádio La Bombonera. Ambos se preocuparam apenas com suas estratégias de jogo buscando o resultado mais positivo ao final dos 90 minutos. O time Xeneize venceu por 2 a 0, com gols de Zárate e Perez, um em cada tempo.

Fora de campo, a trapalhada da arbitragem virou destaque. O árbitro Eber Aquino expulsou o zagueiro Dedé, após um choque do defensor com o goleiro Andrada. O juiz foi até o árbitro de vídeo, viu o lance calmamente e, em seguida, deu cartão vermelho para o jogador do Cruzeiro. 

Com o resultado, o Cruzeiro só conseguirá a classificação se vencer por três gols de diferença na partida de volta, que ocorrerá no dia quatro de outubro, quinta-feira, no Mineirão. Caso vença por apenas dois e não sofra gols, levará a decisão para os pênaltis. O Boca Juniors pode perder por até um gol de vantagem.

+ Confira ofertas de nosso parceiro Futfanatics

Boca inicia pressão, mas Cruzeiro impõe jogo mais defensivo

Sem Arrascaeta, o técnico Mano Menezes apostou no meia Rafinha como substituto. Jogando em casa, o Boca Juniors iniciou o jogo pressionando, tentando impor o ritmo dentro de campo, mas aos poucos foi cedendo perante a estratégia celeste. Mais aparelhado defensivamente, o Cruzeiro conseguia neutralizar as investidas xeneizes. 

O time de Guilhermo Schelotto apostou no toque de bola para tentar envolver a defesa do Cruzeiro, mas os celestes, principalmente, o zagueiro Dedé não permitiu o grandes ações do Boca Juniors. Após os 30 minutos iniciais, a estratégia que se concentrava em Pavón, pelo lado esquerdo, trocou de lado. 

Atuando mais pela direita, os espaços surgiam, e foi desta forma que saiu o primeiro gol do Boca Juniors. Zárate fez boa tabela com Pablo Perez, no setor dominado por Léo e Egídio, e o atacante saiu livre na cara de Fábio, que não conseguiu defender o arremate. Boca, 1 a 0. 

Mesmo perdendo, o Cruzeiro não exigia muita defesa argentina. Mesmo que Robinho, Thiago Neves e Rafinha trabalhassem alguma jogada, o centroavante Barcos estava apagado, facilitando as coisas para a dupla de zaga do Boca Juniors, Isquierdoz e Magallán. 

Cruzeiro inicia bem, mas cede ao domínio argentino e a trapalhada da arbitragem

No segundo tempo, o Cruzeiro foi mais incisivo e quase empatou o jogo. No lançamento de Thiago Neves, Rafinha tocou por cima do goleiro. A bola iria para o gol, mas Barrios tirou no limite da linha fatal, evitando a igualdade no placar. 

No entanto, após este lance, o Cruzeiro voltou a ser o mesmo do primeiro tempo. Mais retraído, dava ao Boca Juniors a posse da bola esperando por um contra-ataque que quase não existiu durante os 90 minutos.

Sabedor de que o Cruzeiro abriria espaços, o técnico Schelotto sacou Zárate e colocou Villa, e deu mais velocidade a ponta-direita do campo. Mais tarde, foi a vez de Mano Menezes tirar Thiago Neves, lesionado, e colocar Rafael Sóbis, que pouco produziu. 

Aos 29 minutos, veio o grande destaque do jogo. Após cruzamento na grande área, o zagueiro Dedé, involuntariamente, cabeceou o rosto do goleiro Andrada que, por sua vez, caiu tonto no gramado e sangrando na boca. Em seguida ao atendimento, o árbitro Eber Aquino foi até o VAR, viu o lance por vários ângulos, e depois expulsou o defensor cruzeirense sob alegação de maldade por parte do jogador. A atitude do juiz gerou um misto de descrença e irritação por parte dos celestes. 

Após a expulsão, Mano Menezes puxou o volante Henrique para a defesa. Logo depois, veio o segundo gol do Boca Juniors. Jara fez o cruzamento e Edilson cortou errado. A bola sobrou para Perez arrematar de perna direita e balançar as redes de Fábio. 

Com um a menos, o Cruzeiro não encontrou forças para correr atrás do prejuízo. O Boca Juniors também não se aproveitou, e a partida terminou com a vitória xeneize. 

 

VAVEL Logo

    Cruzeiro Esporte Clube Notícias

    há 12 dias
    há 16 dias
    há 21 dias
    há 24 dias
    há 24 dias
    há um mês
    há um mês
    há um mês
    há um mês
    há um mês
    há um mês