Ocupando ''zona morta'', Criciúma recebe pressionado Goiás pela Série B
Verdão levou a melhor no primeiro turno (Foto: Divulgação/Goiás EC)

Ocupando ''zona morta'', Criciúma recebe pressionado Goiás pela Série B

Tigre, em zona intermediária, começa a planejar o próximo ano. Esmeraldino, que vem de duas derrotas, pode deixar o G-4 em caso de novo resultado negativo

gustavomilioli
Gustavo Milioli
CriciúmaLuiz; Eduardo, Sandro, Fábio Ferreira e Marlon; Ronaldo, Jean Mangabeira, Gabriel e Alex Maranhão; Vitor Feijão e Zé Carlos Técnico: Mazola Júnior
GoiásMarcos; Alex Silva, David Duarte, Victor Ramos e Ernandes; Gilberto, João Afonso e Renato Cajá Felipe Gedoz; Michael, Maranhão (Rafinha) e Lucão Técnico: Ney Franco
INCIDENCIAS34ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, às 19h15 de quinta-feira (2), no estádio Heriberto Hülse, em Criciúma/SC

Se para o Criciúma a reta final de Série B não traz muitos objetivos, para o Goiás cada jogo ganha caráter de decisão. O acesso, que parecia muito próximo, foi colocado em xeque após duas rodadas com derrota. Na noite desta quinta-feira (1º), no Heriberto Hülse, pela 34ª rodada, os goianos entram pressionados por uma iminente saída do grupo de acesso da competição. 

Na 14ª colocação com 41 pontos, o Tigre está com seis de vantagem em relação à primeira equipe da zona de rebaixamento e próximo do 'número mágico' para confirmar a permanência. Segundo o técnico Mazola Júnior, mais quatro pontos serão o suficiente para garantir. O time do sul de Santa Catarina chegou a ficar por 17 rodadas no Z-4 durante quase todo o primeiro turno, conseguindo reagir após a mudança de comissão técnica.

O Esmeraldino, depois de sofrer com um início de competição abaixo das expectativas, conseguiu dar um salto na tabela também com a troca de treinador. O experiente Ney Franco foi o responsável por colocar a equipe no G-4 após passar algumas rodadas na zona da degola. Para quem chegou a vice-liderança, hoje o Alviverde está na quarta colocação, com 53 pontos, e dois de vantagem para o quinto colocado. Com derrotas para CRB e Avaí em sequência, a gordura acumulada acabou, não podendo falhar outra vez sem precisar secar os oponentes diretos para permanecer entre os quatro primeiros.

O retrospecto do confronto é favorável ao Criciúma. Em 28 jogos disputados entre ambos, os catarinenses levaram a melhor em 14 oportunidades, perdendo oito, e com os outros seis encontros terminando empatados. O Goiás também precisará enfrentar um tabu expressivo: Nunca venceu o Criciúma fora de casa. Nas 14 vezes que jogou no HH, perdeu 12 e empatou duas. No primeiro turno, porém, a vitória foi goiana. De virada, venceu por 2 a 1 no estádio Olímpico.

Tigre definido, mas não divulgado

O técnico do Criciúma, Mazola Júnior, optou por manter mistério e não divulgar a equipe antes da partida. Sem contar com Carlos Eduardo, Iago e Liel, suspensos, e com quatro jogos sem vencer na Série B, o comandante espera por uma vitória para afastar qualquer possibilidade de rebaixamento.

"A gente já definiu, sim. Vamos manter o modelo e a gente espera que possamos voltar às vitórias e que a equipe faça um bom jogo. Precisamos jogar bem. Se jogarmos bem, voltarmos à nossa essência de um time que marca muito forte, temos possibilidade de ganhar o jogo", afirmou.

Ainda sem poder contar com Sueliton, o volante Eduardo deve jogar improvisado na lateral-direita. Marlon, naturalmente, retoma a lateral-esquerda e Ronaldo assume a vaga de Liel no meio de campo. Na composição do meio está a principal dúvida. Elvis, que cumpriu suspensão automática na derrota para o Figueirense, pode continuar de fora, vendo Alex Maranhão e Gabriel novamente de titulares.

Esmeraldino com cinco mudanças

No último trabalho antes da viajem, Ney Franco indicou um time bastante modificado para encarar o Criciúma. Confirmados, Alex Silva volta à lateral-direita no lugar de Caíque Sá, Victor Ramos retorna à zaga na vaga de Edcarlos e João Afonso substitui o suspenso Giovanni no meio-campo. Entretanto, as mexidas podem prosseguir.

Criticado, o meia Renato Cajá daria lugar a Felipe Gedoz. No ataque, Robinho, que não agradou contra o Avaí, também pode sair do time. Maranhão e Rafinha disputam a preferência do treinador.

Faltando cinco rodadas para o término da Segundona, o Verdão precisa de ao menos três vitórias para conseguir o acesso. Para Ney, esta é uma boa hora para quebrar o tabu.

"O tabu uma hora é quebrado. Seria o momento ideal para conseguir. Sei que o aproveitamento lá é baixo, mas está na hora. É o momento. Uma vitória lá seria muito interessante pelo tabu e pelo momento que vivemos. Significa mais uma rodada no G-4 a quatro rodadas do fim. Temos que entrar novamente no processo de viver cada jogo. É uma partida difícil contra uma equipe que ainda não se salvou. É um jogo importante para nós e para o Criciúma", ressaltou.

VAVEL Logo