Bruno Henrique prega cautela no Palmeiras: ''Não podemos ficar em cima da vantagem''
Divulgação/SE Palmeiras 

Na tarde desta sexta-feira (2), na Academia de Futebol, o capitão Bruno Henrique deu entrevista coletiva.

Ele começou falando sobre o clássico deste sábado (03), contra o Santos. “O Santos é uma grande equipe, tem grandes jogadores. Eles vêm em uma ascensão, assim como nós também. É um jogo diferente, temos de entrar ligados os 90 minutos. Sabemos a força do nosso time e do nosso torcedor, mas não somos favoritos. Temos de fazer muito em campo para sairmos vencedores”, afirmou o jogador, que vê uma equipe empenhada por um bom resultado na arena.“

Ele depois falou sobre como a equipe vai encarar essa partida, após a eliminação na Libertadores. “Já passamos momentos assim durante o ano. Vinha de adversidade e correspondeu bem. Passou Libertadores. É esquecer, virar a chave e focar totalmente no Brasileiro. É clássico, jogo difícil, na nossa casa, com força da torcida. Esperamos fazer um grande jogo e buscar a vitória.”

Sobre a liderança e um possível título, o capitão disse que o time não pode achar que já está ganho.

“Temos uma vantagem, mas não podemos ficar em cima dessa vantagem. Temos de brigar e correr muito para ganhar o título do Campeonato Brasileiro. Faremos de tudo para ganhar esse título.”

Questionado sobre pressão para ter um título, com tanto investimento e expectativas, Bruno respondeu: “Pressão sempre existiu. Desde quando cheguei. É normal. O Palmeiras é gigantesco. Estamos fazendo um bom ano, entramos em todos os campeonatos buscando título e, infelizmente, não conquistamos ainda. Mas não podemos jogar fora o que temos construído. Sabemos a pressão e estamos muito focados e unidos para terminar o Brasileiro. Temos vantagem, mas não podemos ficar em cima da vantagem. precisamos correr e brigar muito para ganhar o Brasileiro. O grupo está muito focado, faremos de tudo para conquistar o título.”

Ele terminou falando sobre a sensação de ter tido seu gol anulado na Libertadores.

“Experiência extremamente ruim. Se surgir oportunidade de gol (contra o Santos), ficarei muito feliz. Mas é ruim porque tinha pressão, atmosfera fantástica, 1 a 0 no começo do jogo muda a cara do jogo, muda tudo, com 70 minutos para fazer um gol, joga mais seguro, tira tensão do jogo. fazer um gol daquele, com energia da torcida, aí vem o banho de água fria. Somos a favor do VAR, quanto mais limpo e justo melhor, mas fica a sensação de fazer o gol, comemorar e o gol ser anulado. É ruim. Com os ajustes, espero que seja mais rápido, talvez, para não ficar com essa de fazer o gol, comemorar e, dois minutos depois, anular o gol e ter uma sensação bem ruim.”

O Palmeiras entra em campo no sábado (3), contra o Santos, em São Paulo, pela 31ª rodada do Brasileirão.

VAVEL Logo