Vasco recebe boas opções na bola parada para 2019; reforços exaltam trabalho de auxiliar Ramon
Reprodução: Instagram/Vasco

Vasco recebe boas opções na bola parada para 2019; reforços exaltam trabalho de auxiliar Ramon

Equipe cruzmaltina não marcou de falta em 2018

italo-bruno
Ítalo Bruno

O ano de 2018 foi de seca no Vasco, no que diz respeito a gols de falta; o time da colina não marcou um gol de falta sequer. Já para 2019, a diretoria se movimentou e trouxe jogadores que possuem essa especialidade. São os casos de Claúdio Winck, Danilo Barcelos, Fellipe Bastos e Bruno César.

Além dos desses jogadores, Ramon Menezes, que quando jogador também tinha o trunfo da bola parada, chegou para ser auxiliar técnico. E é ele que vem realizando trabalho específico dentro  desse fundamento com os atletas vascaínos. O mesmo falou qual era o segredo para marcar tantas vezes de falta.


"Bola parada decide jogos. O segredo é treinamento. Repetição. Treinar muito. Sem dúvida nenhuma nós vamos sentar, conversar e arrumar uma maneira, um tempo para que o jogador se dedique a este fundamento. Temos jogadores com essas características. Chegaram que tem essa qualidade. Durante os treinamentos nós vamos analisar e ver quem será o cobrador", disse Ramon.


Das quatro caras novas, cada um possui uma característica diferente na hora da batida. Bruno César tem preferência por cobranças de pequena distância. Winck e Danilo também cobram faltas mais próximas, mas preferem as de média distância, enquanto Fellipe Bastos possui preferência pelas de média e principalmente as de longa.


Em entrevista ao site oficial do Vasco da Gama, os jogadores conversaram sobre o assunto. Bruno César se mostrou confiante e deu ênfase nas inúmeras opções que chegaram junto com ele ao Gigante da Colina.


"Eu acho que esse ano vai sair o gol. Chegaram muitas opções. Tanto eu, quanto o Bastos, e o Danilo, por exemplo, já batem de média e longa distância. O importante é que esse ano chegaram vários jogadores de qualidade para ajudar nesse fundamento. Sabemos da qualidade que o Ramon tinha para bater falta. Era um dos grandes cobradores da época em que ele atuava. É importante ter um cara desse para nos orientar e fazer o melhor pelo Vasco", comentou.


Já Fellipe Bastos falou sobre outro mérito no êxito do fundamento, o talento: "Acho que falta é treinamento. Tem talento também, mas é muito treinamento e repetição. No jogo você só tem uma ou duas chances e precisa estar bem treinado para executar. Minha cobrança é mais de média e longa distância. Eu também treino mais próximo do gol, mas aqui temos jogadores de qualidade pra essa distância. A que eu mais gosto é da intermediária, um pouco para trás. O gol contra o Botafogo, no Carioca de 2012, foi um gol importante e é um dos mais bonitos da minha carreira. O Ramon eu acompanhei bastante a carreira dele. Por ser vascaíno e por acompanhar o Vasco, eu sempre acompanhei ele, Juninho, Pedrinho... depois ele jogou no Atlético, Botafogo e eu lembro que ele fazia muitos gols de falta. Vou absorver tudo que ele falar pra mim para que no jogo eu consiga fazer 10% do que ele fez pelo clube", falou.


Já Cláudio Winck enfatizou o trabalho de Ramon e até revelou algumas dicas que recebeu do ex-jogador e agora auxiliar vascaíno: "Bola parada é uma das minhas características. Chegaram vários outros jogadores que tem essa qualidade. Temos treinado bastante com o Ramon, que foi um grande cobrador de faltas e esperamos  que saiam bastante gols de falta. Ele já deu algumas dicas. Disse pra esperar bem antes de cobrar, concentrar, respirar, esperar o goleiro. Prometo treinar bastante para quando pintar a oportunidade, poder fazer o gol. Eu prefiro na média distância, que consigo colocar um pouco mais de força. Perto tem que ser mais colocado", contou.


Por fim, Danilo Barcelos falou; O lateral enfatizou seu trabalho no quesito nos últimos anos e prometeu muito empenho para que possa obter sucesso nos jogos.

"Nos últimos anos eu venho treinando bastante as cobranças de falta. Pude falar um pouco na minha entrevista de apresentação. A bola parada faz diferença. Tanto frontal, quanto lateral. Eu trabalho muito isso. Não posso cravar que vai ter gol todo jogo, mas garanto que vou trabalhar bastante e quando tiver a oportunidade eu consiga marcar. É sempre bacana e especial. O segredo é repetição", finalizou o lateral.

VAVEL Logo