Made in Cotia: Como a base mudou a cara do São Paulo
Divulgação São Paulo

Made in Cotia: Como a base mudou a cara do São Paulo

O Tricolor respirava por aparelhos no Paulistão e conseguiu dar à volta por cima com os jovens que são “crias de Cotia”

ma_azevedo
Marcella Azevedo

No dia 14 de fevereiro o Tricolor anunciou à queda de André Jardine do comando técnico, após sair na Pré-libertadores. O treinador ficou no comando no time por 19 partidas, com sete vitórias, três empates e nove derrotas. Antes de comandar o time principal, Jardine teve destaque com o desenho nas categorias de base.

O que sobrou de títulos e confiança com a base, faltou no profissional. Jardine não arriscava trocar os medalhões do time pela molecada e isso comprometeu o cargo. Quando Mancini assumiu, ele tratou promover entradas importantes no time: Luan, Antony, Igor Gomes e Liziero .

DEU CERTO!

O quarteto foi vice-campeão da Copinha de 2018.  E começou a surpreender no principal. Os primeiros a receberem oportunidade no profissional, foram Liziero e Luan, ainda em 2018. 

No inicio de 2019, Antony foi promovida, após ser campeão da Copinha e foi ganhando espaços por conta das lesões de Joao Rojas, Everton e um desempenho abaixo do esperado de Helinho.

Igor Gomes foi o último a ganhar oportunidade. Atuou poucas vezes no fim de 2018 e teve sua primeira partida como titular no empate em 1 a 1 diante do São Caetano. 

Quando Mancini apostou na garotada, conseguiu dar uma nova cara para o time do Morumbi. 

Levaram leveza e assumiram uma grande responsabilidade. Alguns dizem até que o quarteto pode repetir o feito dos “Menudos do Morumbi”, que conquistaram o Paulistão de 1985: Muller, Silas e Sidney. 

O meio campo está mais protegido e criando mais com Luan, Liziero e Igor Gomes. 

Luan é primeiro volante tem bom poder de marcação, devido ao seu condicionamento físico. Muito veloz e com boa saída de bola, comanda bem o meio ao lado de Liziero e Igor Gomes.

Liziero é segundo volante, articula bem à saída de bola, ajuda na distribuição de passes, faz boa marcação, além de ser o elemento surpresa na área adversária.

Igor Gomes é meio-campo central. Faz toda transição de bola. Cai pelos dois lados de campo é isso ajuda seus companheiros que estão na frente. Ajuda a recompor o meio, parece até que o Tricolor está jogando com três volantes, mas é apenas uma “surpresa” na área adversária.

Antony, atacante com sua muita habilidade, velocidade e facilidade para driblar. Cria ótimas jogadas com seus companheiros e consegue colocar gás na zaga adversária. Chega com facilidade na área, mas falta ainda mais confiança na hora de finalizar.

Mancini arrumou o time, com ajuda de Cuca. Hoje os dois estarão no Morumbi e tem uma dor de cabeça para resolver: Hernanes está à disposição; o ídolo ou os prováveis futuros ídolos?

VAVEL Logo