Em busca de seu segundo título internacional, Athletico-PR recebe o River Plate pela Recopa
(Foto: reprodução / athletico.com.br)

Em busca de seu segundo título internacional, Athletico-PR recebe o River Plate pela Recopa

Equipe paranaense pode conquistar mais uma taça continental em pouco mais de seis meses

matheus-gabriel
Matheus Gabriel
Athletico-PRSantos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington, Bruno Guimarães e Lucho González; Nikão, Rony e Marco Ruben
River PlateArmani; Mayada, Martínez Quarta, Pinola, Casco; Enzo Pérez, De La Cruz, Fernández e Exequiel Palacios; Matías Suárez e Lucas Pratto.

Athletico e River Plate se enfrentam nesta quarta-feira (22), às 21h30, na Arena da Baixada, pela partida de ida da grande final da Recopa Sul-Americana de 2019. A equipe paranaense busca seu segundo título internacional, tendo vencido a Sul-Americana do ano passado, contra o Junior Barranquilla. Já o River tenta vencer sua 12ª taça internacional, tendo no currículo 4 Copas Libertadores (1986, 1996, 2015 e 2018), 2 Recopas (2015 e 2016), 1 Copa Intercontinental (1986), 1 Copa Sul-Americana (2014), 1 Supercopa (1997), 1 Copa Interamericana (1987) e 1 Copa Suruga Bank (2015).

Athletico poupa jogadores no Brasileirão para ter força máxima na grade final

O técnico rubro-negro Tiago Nunes optou por utilizar um time completamente alternativo na última rodada do Brasileirão, contra o Corinthians, em casa, antes da final contra os argentinos. O resultado não foi nada bom: derrota por 2 a 0. Para ele, o momento pedia esse descanso aos atletas considerados titulares.

"Momento especial do clube que a gente tem que tratar de uma maneira especial, por isso a escolha por jogadores tão jovens, que não vinham atuando. Muitos fizeram seu primeiro jogo profissional na equipe principal em frente a um grande adversário, equipe tradicional. Imagine se tivéssemos jogado com a equipe principal hoje, que momento teríamos para focar no River?", questionou.

Apesar da derrota, Tiago observou pontos positivos na atuação diante da equipe paulista, e enfatizou a importância de poder ter um elenco para estas situações.

"Os números são favoráveis. Tivemos dezesseis finalizações e o Corinthians quatro, de acordo com nosso departamento, e seis chances de gol contra duas do Corinthians, que foram os gols. Temos muitas situações positivas. Talvez estas situações não vão ser sentidas agora em curto prazo, mas pensando na formação de muitos jogadores, o Athletico esta de parabéns pela coragem de expor tantos jovens hoje, uma geração com personalidade pra jogar contra qualquer equipe", disse.

De olho na Lei do Ex

O meia Lucho González e o artilheiro da equipe Marco Ruben já tiveram passagem pelo adversário desta quarta-feira. Lucho defendeu a equipe argentina entre as temporadas de 2003 e 2006, além da segunda passagem, em 2015/2016, conquistando a Taça Libertadores.

"Não tive a oportunidade nunca mais, depois que saí de River, de voltar a enfrentá-lo. Por ser em uma disputa de título, logicamente que é um sentimento distinto. É um estádio onde fui muito feliz, onde fui tratado com muito carinho pela torcida, mas, dessa vez, querendo ganhar, respeitando obviamente a instituição", disse Lucho em entrevista.

Já o atacante Marco Ruben teve uma passagem mais discreta pela equipe. Atuou apenas 21 jogos na temporada de 2006/07, marcando três vezes, e outros 15 jogos e quatro gols na temporada 2007/08.

O Furacão deve jogar com:
Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington, Bruno Guimarães e Lucho González; Nikão, Rony e Marco Ruben
 

River pressionado na final

A eliminação nas quartas de final da Copa da Superliga Argentina para o Atlético Tucumán pode fazer efeito no jogo desta quarta-feira. Apesar da vitória 4 a 1 na partida de volta, o River acabou eliminado pelos gols fora, já que foi derrotado no jogo de ida por 3 a 0. O atacante Lucas Pratto comentou sobre a eliminação.

“Estamos calmos quanto ao jogo que fizemos no outro dia, mas ficamos com o gosto amargo de não sermos capazes de classificar. Partidas de 180 minutos são assim. Nós não jogamos um grande jogo em Tucumán e aqui eles marcaram um gol que deu a eles a classificação. Essa chave foi o claro exemplo de que, se você não converter os gols, ficará complicada a situação”, lamentou.

Pratto que, inclusive, conhece bem a equipe paranaense, já que atuou por um bom tempo no futebol brasileiro, defendendo as cores de Atlético-MG e São Paulo.

“O Paranaense tem um estilo marcado de jogo diferente do futebol brasileiro. Eles tentam sair jogando por trás, eles colocam muitas pessoas no ataque, é um futebol mais moderno. Já vimos os dois jogos com o Boca pela Libertadores e outros do ano passado e nós já sabemos como eles jogam”, revelou

A equipe argentina deve jogar com: Armani; Mayada, Martínez Quarta, Pinola, Casco; Enzo Pérez, De La Cruz, Fernández e Exequiel Palacios; Matías Suárez e Lucas Pratto.

VAVEL Logo