Atlético-MG revive drama no gol e aposta em Wilson como solução
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Três anos se passaram e o Atlético-MG revive um novo problema: desfalque na posição de goleiro. Em 2016, o Galo disputava a Libertadores e contratou Lauro por três meses para suprir as baixas de Victor e Giovanni, lesionados. O drama se repete neste ano, desde que Victor se lesionou em meados de julho e deixou os gramados por conta de uma tendinite no joelho esquerdo, quem assumiu a meta alvinegra foi o jovem Cleiton, cria atleticana e cara frequente nas convocações das seleção olímpica do Brasil. O dono da camisa 1 fez sua última partida pelo clube na partida de volta da fase de quartas de final da Copa do Brasil deste ano, quando o Galo bateu o Cruzeiro pelo placar de 2 a 0 jogando dentro de casa.

Mesmo com a recuperação complicada de Victor, uma cirurgia no joelho não vem sendo cogitada. Sobre o tratamento do arqueiro e a gravidade de sua lesão, o diretor de futebol, Rui Costa, comentou que as dores acabam voltando quando é aumentada intensidade dos treinos.

“Ela (a tendinite) impõe uma limitação muito severa. O Victor vem fazendo um protocolo diário, quase de três turnos, para poder ir para campo. [...] Vai para campo, melhora, aumenta a intensidade do treino e sente a dor de novo. Essa dor é um limitador de todo trabalho que ele tem que fazer para voltar a se condicionar para ser o goleiro do Atlético que ele é”.

Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

A respeito de Cleiton, o mesmo vem agradando os torcedores do time desde que fez seu primeiro jogo em sequência como titular. O único questionamento recente ficou por conta da falha direta do goleiro contra o Corinthians, na 17ª rodada do Brasileirão, que resultou no gol da vitória da equipe paulista após a falha na reposição e na saída do gol. Mesmo assim, o jovem atleta continua tendo muitos créditos com a comissão técnica do clube.

“Ele vai aprender com o erro, agora temos que dar apoio porque tem muito jogo pela frente ainda", disse o lateral-esquerdo Fábio Santos sobre Cleiton.

O goleiro Fernando, de 22 anos e também das categorias de base alvinegras vinha sendo o reserva imediato de Cleiton, mas não chegou a substituí-lo em nenhum momento. Mesmo com os dois jovens no elenco, a diretoria do Galo optou por contratar Wilson, que estava no Coritiba, até o fim da temporada. O Atlético-MG vai arcar com o pagamento dos salários do goleiro de 35 anos, que já deve estrear na próxima partida pelo Campeonato Brasileiro.

"Estou a disposição do treinador se tiver que atuar no final de semana. Como você falou já com uma longa experiência, uma longa bagagem de série A, isso não vai ser problema nenhum, e se tiver que atuar domingo estou a disposição para ajudar a todos”, expressou Wilson em sua apresentação.

Mesmo com a fase “rara” na meta alvinegra, o torcedor não tem motivos para se preocupar, já que a equipe manteve praticamente o mesmo número de gols recebidos com Victor no gol - 1.1 por partida - do que sem ele, com o número de gols recebidos girando na casa de 1.2 por jogo.

VAVEL Logo