Primeiro turno do Bahia é marcado pela solidez defensiva e efetividade nos contra-ataques
Gilberto, com 25 gols na temporada, é o principal destaque do Tricolor (Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia - Arte: VAVEL)

No último domingo (15), o Bahia fez história no Campeonato Brasileiro. Com o empate diante do Fortaleza, o Tricolor Baiano chegou aos 31 pontos na competição e fez o seu melhor primeiro turno de todos os tempos do certame — em pontos corridos. Além disso, o Esquadrão de Aço ocupa a sétima posição e está a dois pontos do Internacional, último clube do G-4. A equipe baiana detém, ainda, a maior sequência de invencibilidade na competição, estando invicto há nove jogos.

Desde o início desta temporada, Guilherme Bellintani, presidente do clube, nunca vendeu um discurso de ilusão para o torcedor. Sabendo que a sua equipe detém apenas o 14º orçamento da Série A, a meta do gestor é colocar o time entre os 10 primeiros colocados na competição e superar as campanhas de 2017 e 2018, onde o Bahia ficou, respectivamente, em 12º e 11º. No entanto, o bom trabalho de Roger Machado e seus atletas permitem não só o torcedor, mas o próprio clube, a pensar em voos maiores.

Alguns números do Bahia no BR2019:

  • 6º melhor mandante (70% de aproveitamento)
  • 9º melhor visitante (37% de aproveitamento)
  • 4ª melhor defesa (16 gols sofridos)

Maior sequência sem levar gols (10 jogos)

Como bem comprovam os dados, o grande trunfo para o bom momento vivido pelo time se deve, em primeiro lugar, ao bom trabalho da defesa. Desde a chegada de Roger, Nino Paraíba, conhecido por ser forte o ataque, conseguiu equilíbrio e hoje é importante também na defesa. Ao todo, o lateral-direito tem 19 desarmes na competição e é peça indispensável no time.

Além dele, outro jogador que merece destaque é o zagueiro Juninho, que foi contratado por empréstimo junto ao Palmeiras. O atleta chegou para suprir a vaga de Ernando, que se recupera de uma cirurgia de hérnia, e rapidamente se tornou titular absoluto. Jogando ao lado de Lucas Fonseca, o defensor possui oito desarmes no campeonato.

Além destes atletas, vale a lembrança para outras duas importantes peças para a defesa. O goleiro Douglas Friedrich, com 23 defesas difíceis na competição, briga ao posto dos melhores da posição no campeonato. Já o volante Gregore possui uma média absurda os desarmes: são 56 no total, sendo 49 certos e apenas sete errados. Com o volante em campo, a segurança defensiva é ainda maior.

(Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

Engana-se quem pensa que, apesar da forte defesa, o Bahia é só retranca. A eficiência o ataque é tão boa quanto o seu sistema defensivo. Em grande fase, Gilberto, com 10 gols, está atrás apenas de Gabriel Barbosa na artilharia do campeonato. Ao todo, o centroavante possui 25 gols no ano.

Outra peça importante para o ataque Tricolor é Artur Victor, com seis gols e nove assistências na temporada. O esquema com um tripé de volantes, composto por Gregore, Flávio e Ronaldo, exige dos pontas uma maior participação na criação das jogadas. As boas atuações de Artur, inclusive, renderam convocação para a Seleção Brasileira Sub-23, nos amistosos contra Colômbia e Chile.

Com nove assistências na temporada, Artur é o garçom da equipe baiana (Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

Criação essa, inclusive, que é uma crítica por parte da torcida — principalmente jogando na Fonte Nova, e um dos maiores desafios para o time de Roger Machado no segundo turno. Quando o Bahia enfrenta adversários que se portam de maneira mais defensiva, como foram os casos de CSA e Fortaleza, o time encontra dificuldade para penetrar na defesa adversária e acaba se complicando.

No jogo contra o Azulino, o jogo foi vencido por um gol de falta de Arthur Caíke. Já no embate de Tricolores, contra o cearense, Roger abriu mão dos três volantes e escalou o armador Guerra no lugar de Ronaldo para tentar resolver a carência criativa. No entanto, o empate por 1 a 1 mostrou que a equipe precisa buscar alternativas para lidar com equipes mais defensivas.

Bons ares para o segundo turno

O segundo turno do Bahia começa no sábado (21), contra o Corinthians, no Itaquerão, e a perspectiva é de otimismo. Mantendo  a consistência defensiva e a efetividade no ataque, a campanha por si só permite não só o torcedor, mas todo o clube a alimentar um sonho, e hoje não é nenhuma loucura afirmar: o Bahia é, sim, um candidato à vaga na Copa Libertadores 2020!

MEDIA: 5VOTES: 1
VAVEL Logo