Com fôlego renovado na briga pela permanência, CSA enfrenta um Bahia em má fase
Foto: Giazi Cavalcante

O confronto entre duas grandes forças do futebol nordestino que a vitória é o único objetivo. Qualquer outro resultado não tem importância, é ruim, desastroso, pode abreviar uma luta árdua, sofrida e intensa que durou todo o ano. No Estádio Rei Pelé, em Maceió/AL, CSA e Bahia se enfrentam a partir das 18 horas deste domingo (1º), em partida válida pela 36ª e antepenúltima rodada do Campeonato Brasileiro da Série A 2019.

Os últimos dias foram bem intensos e movimentados no lado alagoano do duelo. De potencial rebaixado a um time com esperanças renovadas depois da vitória importantíssima obtida diante do Cruzeiro em Belo Horizonte/MG. Além disso, a saída do técnico Argel Fucks para comandar o Ceará nas três últimas rodadas pegou todos de surpresa, do elenco à direção.

Apesar de tudo isso, o time está motivado a lutar até o fim para obter os resultados positivos, sob a batuta do ídolo azulino Jacozinho, que assume o cargo. O Azulão do Mutange ocupa a 18ª e antepenúltima posição, com 32 pontos ganhos.

Do lado baiano, o jejum de vitórias incomoda bastante. A equipe chegou a alcançar o G-6, mas caiu de rendimento. Mesmo com duas vagas a mais com a ascensão do Athletico Paranaense e o título da Libertadores conquistado pelo Flamengo, o time não aproveitou o fato de agora existir um G-8 e vem em queda livre. São nove jogos sem vencer e a queda livre deixa o Esquadrão de Aço temporariamente no 11º posto, com 45 pontos somados. Na última rodada, empate em 1 a 1 contra o Atlético-MG diante da torcida.

O retrospecto é completamente favorável ao Tricolor da Boa Terra. Em 20 jogos entre as duas equipes, o Bahia venceu 13, o CSA ganhou apenas três, além de quatro empates. O último encontro entre as equipes ocorreu no fim do último mês de agosto, quando o Esquadrão venceu por 1 a 0, com gol de Arthur Caíke na reta final da partida.

Com Jacozinho à frente, Héctor Bustamante pode voltar

A situação do CSA permanece muito dramática. O time precisa vencer os três jogos restantes – Bahia, Chapecoense e São Paulo – e continua a torcer contra vitórias de Ceará e Cruzeiro. Para ser mais exato, o CSA só pode alcançar 41 pontos. O Ceará não pode chegar a essa pontuação porque o saldo de gols azulino é muito inferior ao time cearense, enquanto o Cruzeiro pode atingir os 41 pontos porque os critérios de desempate ajudam o Azulão.

Porém, antes de secar os outros, o time alagoano precisa fazer sua parte. Vencer o Bahia é indispensável, ainda mais neste momento em que os dois clubes estão pressionados por bons resultados.

Em relação ao time que venceu o Cruzeiro, o técnico Jacozinho não poderá contar com o meia Jonatan Gómez, novamente suspenso pelo terceiro cartão amarelo recebido na última rodada. Em compensação, o atacante Héctor Bustamante está de volta e, com isso, tem um mistério a ser esclarecido momentos antes da partida. Se Bustamante começar o jogo na reserva, o time pode entrar em campo com três volantes – João Vitor, Nilton e Jean Cléber. Porém, se o atacante entrar de primeira, o esquema tático se mantém, com Euller no meio de campo, Bustamante pela direita e Apodi na esquerda, com Ricardo Bueno como referência ofensiva.

Autor do gol da segunda vitória como visitante na Série A, o zagueiro Alan Costa comentou o pedido dos atletas para que a diretoria não contratasse nenhum técnico e efetuasse Jacozinho para a reta final da competição nacional, analisou o padrão de jogo do adversário e citou suas expectativas para o confronto.

“Tivemos uma reunião com o grupo e a diretoria. A melhor decisão foi essa. Jacozinho sempre nos acompanhou aqui, em treinos e reuniões. É um cara que conhece o clube, os jogadores e sabe como lidar com isso. Nosso pedido foi para que alguém que nos conhecesse ficasse à frente. Vamos ter muita dificuldade contra o Bahia. Jogamos contra eles lá na Arena Fonte Nova, sabemos que é um time que joga no contra-ataque, acaba deixando espaço para nós jogarmos, um time entrosado. Sabemos como nos impor dentro de casa, da nossa força e da força da nossa torcida. Isso pode fazer a diferença, já vencemos grandes equipes jogando aqui no Rei Pelé”, falou.

Entre retornos e desfalques, Roger tem dúvida sobre posicionamento de João Pedro

A possibilidade de voltar a disputar uma edição de Taça Libertadores da América agitou a torcida. A boa campanha até o início do segundo turno permitia o sonho do torcedor. No entanto, a vaga no principal torneio da América Latina é apenas uma miragem, com possibilidades menores que 1%. Tal ideia já é descartada dentro do próprio grupo. Porém, o time quer lutar pela reparação de danos e terminar a temporada com resultados positivos, que não acontecem há nove rodadas.

O técnico Roger Machado tem notícias positivas e negativas. Permanecem como desfalques o lateral-esquerdo Giovanni, o volante Elton, o meia Marco Antônio e o atacante Rogério, todos no departamento médico com lesões. Em contrapartida, conta com o retorno do lateral João Pedro e do meia Guerra. E justamente os dois jogadores que estão novamente à disposição criaram dúvida na cabeça do treinador.

Se João Pedro for escalado na lateral-direita, Nino Paraíba volta ao banco de reservas e Guerra atua como titular no meio. No entanto, se o lateral atuar no meio de campo, Nino Paraíba permanece titular no lado direito e Guerra fica como suplente.

O elenco realizou todas as atividades em Salvador e veio a Maceió com todo o trabalho finalizado, apenas para se concentrar e disputar o jogo à noite. Alagoano, o atacante Élber volta a jogar em sua terra natal e falou que a fase negativa do Bahia incomoda a todos e que o grupo vai buscar a vitória, mesmo sabendo da força que o CSA tem com a torcida a seu favor.

“Nossa equipe é bem madura para assimilar as coisas que estão dando errado. Corrigir e tentar melhorar. Vamos em busca desse resultado em Maceió. Vai ser um jogo difícil, mas, pelo que a gente mostrou no campeonato, temos totais condições de deixar o Bahia entre os dez primeiros no campeonato. Todos davam o CSA como rebaixado. Eles foram em Belo Horizonte e conseguiram vencer. É uma equipe bastante aguerrida, bastante forte em casa. Vamos com o intuito de sair com os três pontos”, afirmou o atacante.


Provável escalação do CSA: Jordi; Dawhan, Alan Costa, Luciano Castán e Rafinha; João Vitor e Nilton; Héctor Bustamante (Jean Cléber), Euller e Apodi; Ricardo Bueno. Técnico: Jacozinho.

Provável escalação do Bahia: Douglas; Nino Paraíba (João Pedro), Wanderson, Juninho e Moisés; Gregore, Flávio e João Pedro (Guerra); Artur Victor, Gilberto e Élber. Técnico: Roger Machado.

Arbitragem de campo: Vinícius Furlan (CBF/SP), auxiliado por Luiz Alberto Andrini Nogueira (CBF/SP) e por Evandro de Melo Lima (CBF/SP), com Dênis da Silva Ribeiro Serafim (CBF/AL) como quarto árbitro

Arbitragem de vídeo (VAR): Adriano Milczvski (CBF/PR), auxiliado por Edina Alves Batista (FIFA/SP) e por Luciano Roggenbaum (CBF/PR)

VAVEL Logo