Perrella e Adílson lamentam queda do Cruzeiro, mas apelam: "Não podemos abandonar"
Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro)

O pior aconteceu e o Cruzeiro vai disputar a Série B pela primeira vez em seus 98 anos de história. A coletiva de alívio que o técnico Adílson Batista e o diretor Zezé Perrella queriam conceder, não aconteceu. A equipe celeste foi superada por 2 a 0 pelo Palmeiras, neste domingo (08), selando a queda.

Após o resultado e o duro baque, Zezé afirmou, em entrevista coletiva, que o presidente do clube, Wagner Pires de Sá, tomou decisões precipitadas. Ainda segundo ele, o clube passaria por dificuldades nas competições do ano que vem mesmo se tivesse se livrado do rebaixamento.

"O Wagner denegou tudo. Ele assinou contrato sem olhar. Um dia isso ia acontecer. Ainda que o Cruzeiro não caísse, nós íamos ter muita dificuldade e brigaríamos denovo ano que vem para não cair. Temos que aproveitar essa queda para tentar voltar organizado. É por isso que eu estou aqui. Convidei também o Adílson para trabalhar com a gente e não podemos abandonar o clube agora", declarou Zezé Perrella.

Por outro lado, Adílson Batista desabafou e pediu desculpas à torcida por não ter conseguido evitar a queda à segunda divisão.

"Para mim está sendo muito difícil, porque desde o inícío do jogo quando eu vi os torcedores rezarem o pai nosso durante o hino nacional, eu me emocionei e passou um filme na minha cabeça. Relembrei as histórias vencedoras como atleta e depois como treinador também, por quase três anos. Eu queria pedir desculpas aos torcedores e dizer que eu tentei fazer o melhor", fala.

2020

Já acontece um planejamento da equipe para o ano que vem. A base, que foi pouca aproveitada nas últimas temporadas, será fundamental na reformulação do Cruzeiro, segundo Adílson.

"Eu já tenho um planejamento para 2020. Já começo amanhã [9] a trabalhar e aí entra a parte financeira, jurídica, entre outras séries de coisas. Vamos reformular e faz parte do processo. Estamos aqui para ajudar essa nova geração que vamos lançar ano que vem. Experiência a gente tem", disse.

Ainda sobre a temporada que se aproxima, Adílson garantiu que vai ter respaldo da diretoria, a contrário do que aconteceu com Rogério Ceni, atualmente no Fortaleza. 

"Vou ter respaldo da diretoria. Amanhã [9] a gente senta e já começa a trabalhar pro ano que vem. Temos dois jogos treinos antes da estreia no estadual e eu já estou com a cabeça lá. Não podemos perder tempo", complementou.

Agora é momento de planejamento para que o 2020 possa ser melhor e com um único objetivo: garantir o retorno à elite nacional

VAVEL Logo