Volta Redonda já tem campanha superior à de 2005, quando conquistou a Taça Guanabara
Luizinho Vieira comanda o Esquadrão de Aço Foto: André Moreira/Volta Redonda

A temporada 2020 do Volta Redonda começou um tanto animadora para sua torcida. Faltando apenas uma rodada para a conclusão da fase de grupos da Taça Guanabara, o clube lidera o Grupo B e acumula quatro vitórias e uma derrota em cinco jogos. O início promissor faz lembrar o ano de 2005, quando o Voltaço surpreendeu o Rio de Janeiro e foi campeão da Taça Guanabara como protagonista no cenário estadual. 

Em 2005, ano marcante para a torcida do Esquadrão de Aço, foram três vitórias, um empate e uma derrota, conquistando 10 pontos e a liderança do Grupo A. Já em 2020, o Voltaço alcançou os 12 pontos faltando apenas uma rodada. É verdade que, mesmo com a pontuação, o clube ainda pode ficar de fora das semifinais com uma combinação de resultados. Mas, é certo que o Volta Redonda se porta como um verdadeiro postulante a voos mais altos.

O clube fechou o primeiro turno com 100% de aproveitamento em casa (três vitórias). Nos cinco jogos disputados, apenas em uma partida o goleiro Douglas Borges foi superado, contra o Flamengo, no Maracanã. E por falar em gols, o Volta Redonda tem o melhor ataque do campeonato até aqui, com 10 gols marcados.

A semelhança com o ano de 2005 não fica somente na boa sequência de resultados. Assim como naquele ano, o Voltaço conta com um medalhão e um artilheiro no elenco, guardada as devidas proporções. Se a contratação de Túlio Maravilha fez com que as atenções fossem voltadas para a futebol sul-fluminense em 2005, este ano Bernardo chegou como nome badalado. O mesmo Túlio assumiu a artilharia da competição na ocasião. Em 2020, este papel é feito por João Carlos, que já figura entre os goleadores.

A postura do time de Luizinho Vieira é mais uma razão para que o torcedor acredite na repetição do sucesso. O estilo de jogo é marcado por muita intensidade e a busca incessante pelo gol. Mesmo estando a frente no placar, o time costuma não parar de atacar e não se acomoda na partida. 

A identidade de propor o jogo, afirmada no decorrer da competição, também pode ser atribuída ao entrosamento do time, já que Luizinho mantém a mesma escalação da primeira rodada. A única excessão foi no jogo contra o Bangu, quando o treinador iniciou com apenas uma mudança nos 11 iniciais. 

Na última rodada, o Volta Redonda enfrentará o Boavista na Estádio Elcyr Resende, talvez o maior desafio entre os clubes de menor investimento da competição. Os dois líderes buscam fazer história e terminar o turno com a melhor campanha da competição, em busca da vantagem do empate nas semifinais. O duelo acontece no próximo sábado, às 18h.

VAVEL Logo