Paciência para concluir do Sport foi maior que a esperteza e valentia do Ceará
Foto: Anderson Stevens/Sport

Na noite deste sábado (8), o Sport venceu por 3 a 2 o Ceará, na Ilha do Retiro, pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A. Na ocasião, o Vozão, jogando fora de casa, decidiu ficar com a maior posse de bola, quase abdicando do “chutão” durante o primeiro tempo, mas impondo o time sempre que puder para atacar visando a velocidade de Mateus Gonçalves e a frieza do centroavante Cléber.

Do outro lado, jogando em casa, o Leão, diferente do adversário, manteve as duas linhas de 4 baixas, aguardando o momento certo para dar o bote. 

Vitória do Leão!

E deu certo, exclusivamente pela individualidade do centroavante Elton, artilheiro da equipe, tendo feito dois gols na partida. O primeiro numa bela jogada com troca de passes com o lateral-direito Patrick e chegando “sozinho” na área, para concluir a jogada abrindo o placar de cabeça, surpreendendo o experiente goleiro Fernando Prass.

Minutos antes, participou de um lance parecido numa bola parada, mas a chance esbarrou no travessão. E no segundo, fazendo o gol de pênalti. O terceiro gol foi de Jonathan Gomez, em uma desatenção da zaga adversária, com uma bola mal recuada, onde o meia-atacante dentro da área, aproveitou para concluir a gol com um belo chute no canto direito do goleiro do Vozão.

O Ceará, por sua vez, propondo o jogo de uma forma mais agressiva, encontrou dois gols, um deles nos pés do camisa 89, Cléber, em outra desatenção da zaga, dessa vez do Sport, onde o jogador, que não tinha nada a ver com isso, estava no lugar certo e na hora certa para colocar a bola na rede com toda classe e frieza de um centroavante.

O segundo gol, em uma bela arrancada do velocista Mateus Gonçalves, no canto esquerdo da área,  invadindo a área do Sport sem ser convidado, cruzando fechado para o Jacaré, que mal tinha entrado na partida e, com o primeiro toque colocou a bola na rede.

É visível a insistência das equipes em transmitir ritmo no jogo, após a retomada do futebol devido à paralisação dos esportes durante três a quatro meses. E não foi por causa de um placar elástico, especificamente com cinco gols na partida, que foi possível desfrutar de um bom futebol.

Há sérias limitações técnicas nas duas equipes, mas de alguma forma, sobressaiu a coragem de um Ceará, comandado pelo técnico Guto Ferreira, mesmo sendo visitante, propondo jogo para tomar conta da partida.

E do outro lado, um mandante, comandado pelo técnico Daniel Paulista, sendo reativo, mas ao mesmo tempo tentando sair com velocidade no contra-ataque para matar a partida, e claro, com auxílio de jogadas individuais.

Ter a maior posse de bola, não significa apenas ter superioridade numérica e mais chances de adentrar a grande área adversária para abrir o placar, significa também ter mais equilíbrio para fazer boas triangulações, tentar quebrar a linha do adversário com passes verticais e amplitude.

De uma forma que, concentre as maiores chances no epicentro do jogo, ou seja, próximo à grande área, fluindo toda a energia dos jogadores para criarem a maior possibilidade de chances para fazer o gol. 

Sem contar a opção de jogar com mobilidade, onde os principais jogadores flutuam pelo campo abrindo espaço, ou com o famoso “jogo de posição”, onde a espera e paciência é maior, mas que consegue encontrar espaços e quebrar linhas da mesma forma.

Próximos jogos

O Sport volta a campo na quinta-feira (12) diante do Vasco, no Rio de Janeiro, às 20h. Na quarta-feira (11), o Ceará recebe o Grêmio, às 21h30.

VAVEL Logo