Torcedores invadem treino do Figueirense e nutricionista do clube relata agressão a atletas
Foto: divulgação/Patrick Floriani/FFC

Um dia após a derrota do Figueirense para o Paraná por 1 a 0, no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis/SC, pela oitava rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, torcedores invadiram o treino da equipe comandada pelo técnico Elano Blumer. Um tumulto generalizado aconteceu quando alguns torcedores quebraram o portão 8, conseguindo entrar nas dependências do estádio, a polícia foi chamada e usou bomba de gás lacrimogêneo para dispersar os invasores.

Por meio de um vídeo postado em suas redes sociais, a nutricionista do clube, Cíntia Carvalho, fez um desabafo após momentos de tensão vivido pelos atletas e funcionários neste sábado (5).

"Sim, o Scarpelli foi invadido, nós fomos agredidos, agredidos fisicamente. Tem atletas machucados, como se não fôssemos seres humanos que merecem respeito. Isso tem que acabar. Essa história de torcedor ou de qualquer um achar que pode botar o dedo na cara de quem trabalha no futebol e dizer como as coisas tem que ser. Sem respeito. Tem que acabar", declarou.

"É um trabalho como de todos e ninguém no futebol bota o dedo na cara de ninguém para dizer se está ruim, bom, certo ou errado. A gente que está lá dentro é que sabe. A gente que sabe o que passa. Em 15 anos de futebol, o que eu passei hoje, eu nunca tinha visto. Eu choro de dor moral, amor pelos atletas. Eu choro pelo carinho que eu tenho por esse esporte, que não representa isso. Não somos nós que fazemos isso", continuou Cíntia.

"Agora estou na minha casa em segurança e espero que meus colegas também. Nós estávamos trabalhando. Quem trabalha no futebol não é vagabundo, trabalha sábado, domingo, feriado, trabalha para ter resultados positivos - nem sempre a gente consegue. Quem está lá trabalhando tem dignidade, família, pais, filhos e merece respeito. Não pode a gente estar trabalhando e, covardemente, o estádio ser invadido, a gente ser agredido física e moralmente porque um bando de desocupados se acha no direito de nos agredir, bater, quebrar nosso patrimônio. De nos desmoralizar como profissionais", completou.

Em nota oficial, o Figueirense afirma que "repudia veementemente os lamentáveis fatos ocorridos na tarde de hoje no Estádio Orlando Scarpelli". Segundo o clube, "resultados esportivos ou problemas administrativos de qualquer natureza não justificam qualquer tipo de atitude que ameace a integridade física dos atletas e profissionais de comissão técnica." Por fim, o Figueirense garante que "diante dos fatos, não resta alternativa que não seja procurar as autoridades competentes, para que medidas enérgicas sejam tomadas".

Mais cedo, o clube anunciou a demissão do preparador físico Norberto Cabral e do preparador de goleiros Eduardo Melgarejo. Rafael Rodrigues, que era auxiliar de preparação física, e Alexandre Narbal, que cuidava dos goleiros do Sub-20, assumiram interinamente os cargos.

O Figueirense é o 16º colocado da Série B do Campeonato Brasileiro com cinco pontos conquistados em sete jogos. O time está apenas a um ponto da zona de rebaixamento.

VAVEL Logo