Fernando Diniz reclama da arbitragem e do sistema defensivo são-paulino
Fernando Diniz após Fortaleza 3x3 São Paulo (São Paulo FC/Divulgação)

Em um jogo maluco, Fortaleza e São Paulo ficaram no 3 a 3 na última quarta-feira (14). O duelo, válido pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil 2020, foi animadíssimo e teve muitas ocorrências - duas expulsões de um mesmo time (uma delas de um goleiro), diversas ações do VAR e etc. A arbitragem, por sinal, foi o norte da entrevista coletiva de Fernando Diniz, técnico são-paulino, após o cotejo.

Durante a entrevista, o técnico foi discorrendo sobre o que achava a respeito de cada lance polêmico.

"Achei a arbitragem muito confusa. Diferentemente do Vuaden contra o Palmeiras, que teve um critério e seguiu. Hoje, tinha um critério de não marcar muita falta, mas ao longo do jogo foi mudando o critério. O lance do Felipe Alves foi muito claro, para mim não precisava do VAR. Só de VAR foram 11 minutos, então o acréscimo jamais poderia ser nove minutos. Só de VAR foram 11. O Fortaleza quando estava na frente retardando toda hora, mais as substituições. É mínimo 11, coisa matemática. Eu reclamei do tempo e falei que eu só estava reclamando do tempo. Ele falou que foi insistência e me expulsou por isso. Eu sou crítico do VAR desde o ano passado. A minha crítica maior é o tempo. Parou 11 minutos e depois deu nove minutos de acréscimos. Esse é um dos motivos de eu ser crítico", destacou.

Em outro momento, ele voltou a falar da arbitragem e relembrou uma polêmica de outra peleja.

"Ao meu ver, eu achei que foi pênalti. O VAR chamou, deve ter tido motivo de chamar. Não dá de novo para ser prejudicado como fomos contra o Atlético-MG. Dois meses depois mostraram que erraram", desabafou o técnico.

Erros

De acordo com Fernando Diniz, o São Paulo não colocou em prática o que treinou ao longo da semana.

"Tinha uma clareza de ideias que poderiam acontecer e aconteceu. Treinamos muita bola parada e tomamos gol de bola parada. Treinamos muito e não podíamos ter tomado gol. O contra-ataque também. Teve um chute muito bem dado. Do desempenho, o Atlético-MG veio jogar aqui, e quando o Fortaleza joga com o contra-ataque é difícil jogar aqui. A gente poderia ter jogado melhor e ter cedido menos contra-ataques. No segundo tempo, voltamos com uma postura diferente", finalizou o treinador.

VAVEL Logo