Alterações de Odair mudam rumo da partida e Fluminense fecha turno em alta
Foto: Mailson Santana/ Fluminense F.C.

Ao visitar o Fortaleza na Arena Castelão, o Fluminense que surpreendeu ao escalar Paulo Henrique Ganso como titular, manteve a alta performance no campeonato e faz jus ao status em fechar o 1º turno do Brasileirão no G-4. Com mais de 30 minutos com um jogador a mais, Odair Hellmann mexe na intensidade tricolor e faz o time deslanchar com o gol de Wellington Silva.

A partida não era fácil, pois o time de Rogério Ceni ostentava a melhor defesa da competição. O duelo de tricolores começou equilibrado, onde ocasionalmente ambas equipes apareciam na área adversária, porém sem muito susto. O Fluminense que já na primeira etapa era o melhor em campo, tropeçava na lentidão do meio-campo, enquanto o Fortaleza praticamente tinha o último setor do campo nulo.

Virada de chave

Com o 0 a 0 insistente no marcador, o jogo ganhou outro contexto com a expulsão de Roger Carvalho. Na ocasião o zagueiro trombou com um atacante tricolor e o juiz por conta própria aplicou o cartão vermelho direto. Em vantagem numérica, Odair tirou o coelho da cartola e trouxe Wellington Silva, Marcos Paulo e Lucca para a linha de frente. Com Caio Paulista jogando abaixo do esperado, o ataque melhorou e mais chances foram criadas para os visitantes.

Autor do gol, Wellington Silva que jogou aberto na ponta esquerda, foi responsável pelas principais investidas ofensivas a partir da metade do segundo tempo. Ao lado de Marcos Paulo, o atacante aproveitou-se da fragilidade rival que tinha agora um jogador improvisado na defesa.

Certamente após o gol, o Fluminense administrou a partida, onde por tabela o favorecia pelo alto número de passes errados e faltas marcadas. Grande nome do meio-campo na reta final, Yago Felipe pôde refazer dupla com Yuri, que substituiu Hudson e reestreou no time após se recuperar de lesão.

Em alta

Fechando os 19 primeiros jogos do campeonato no G-4, o Fluminense tem 32 pontos e só está atrás de Internacional, Flamengo e Atlético-MG na competição. Contrariando as expectativas de que o time sequer figuraria no pelotão classificado à Libertadores, os tricolores terão pela frente a missão de se manter na parte alta até o final de fevereiro.

Como outro ponto positivo, Odair extraiu mais opções técnicas da equipe, diante das ausências de Fred, Nenê e Luiz Henrique - que apesar de reserva, não atuou por conta da cansativa viagem vindo da seleção de base. Em grande fase, vale citar outra grande atuação de Luccas Claro, sempre forte na bola aérea e cada vez mais favorito na disputa sadia com o ex-capitão Digão.

VAVEL Logo